Dez feridos em carnaval caribenho em Manchester

As forças de segurança foram chamadas ao local pelas 2.30

Dez pessoas ficaram feridas, aparentemente após um tiroteio, esta madrugada, em Manchester, Inglaterra, durante a celebração de um carnaval caribenho.

As forças de segurança foram chamadas ao local pelas 2.30 e, quando chegaram a Claremont Road, em Moss Side, no sul da cidade, depararam-se com várias pessoas feridas. As vítimas sofreram ferimentos entre o ligeiro e o grave, mas que não colocam a sua vida em perigo.

Várias pessoas estavam presentes no local onde decorreu um carnaval das Caraíbas que veio a terminar horas mais tarde, segundo as autoridades.

"Aqueles que vivem ou visitam esta zona estão, compreensivelmente preocupados por estes incidentes, pelo que vamos deslocar mais agentes para patrulhar a zona durante a manhã de domingo e os próximos dias", indicou a superintendente Debbie Dooley, em comunicado.

A polícia acrescentou ainda que irá ser "investigado onde o incidente ocorreu e quem é responsável pelo ataque".

A cidade de Manchester sofreu um atentado a 22 de maio de 2017, realizado por um britânico de origem libanesa, de 22 anos, que fez explodir um engenho à saída de um concerto da cantora norte-americana Ariana Grande, no Manchester Arena.

Na altura, 22 pessoas morreram no atentando e uma centena ficou ferida. A vítima mais jovem, Saffie Roussos, tinha oito anos.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Daniel Deusdado

Começar pelas portagens no centro nas cidades

É fácil falar a favor dos "pobres", difícil é mudar os nossos hábitos. Os cidadãos das grandes cidades têm na mão ferramentas simples para mudar este sistema, mas não as usam. Vejamos a seguinte conta: cada euro que um português coloca num transporte público vale por dois. Esse euro diminui o astronómico défice das empresas de transporte público. Esse mesmo euro fica em Portugal e não vai direto para a Arábia Saudita, Rússia ou outro produtor de petróleo - quase todos eles cleptodemocracias.

Premium

Brexit

"Não penso que Theresa May seja uma mulher muito confiável"

O diretor do gabinete em Bruxelas do think tank Open Europe afirma ao DN que a União Europeia não deve fechar a porta das negociações com o Reino Unido, mas considera que, para tal, Theresa May precisa de ser "mais clara". Vê a possibilidade de travar o Brexit como algo muito remoto, de "hipóteses muito reduzidas", dependente de muitos fatores difíceis de conjugar.