"Deus no comando", diz Bolsonaro, ao sair dos cuidados intensivos

Candidato presidencial do Partido Social Liberal (PSL) às eleições de 7 de outubro no Brasil, esfaqueado no dia 6, teve alta este domingo da Unidade de Terapia Intensiva do Hospital Albert Einstein em São Paulo

Jair Bolsonaro, candidato do PSL que foi esfaqueado no dia 6 em Juiz de Fora, Minas Gerais, passou este domingo dos cuidados intensivos para os cuidados intermédios do Hospital Albert Einstein em São Paulo.

Segundo o boletim médico da equipa que tem acompanhado o candidato às presidenciais brasileiras de 7 de outubro, Bolsonaro, que na quarta-feira teve que ser submetido a uma segunda cirurgia, teve alta da Unidade de Terapia Intensiva.

O boletim, citado pelos sites do G1 e pelo Estado de São Paulo, diz que o candidato "prossegue com boa evolução clínica, sem febre e exames laboratoriais estáveis, recebendo nutrição por via parenteral (endovenosa) exclusiva, medidas de prevenção de trombose venosa e fisioterapia respiratória e motora".

Mesmo hospitalizado, Bolsonaro, que tem agitado a campanha com as suas ideias de extrema-direita, tem comunicado através das redes sociais com os seus apoiantes e potenciais eleitores. Numa imagem partilhada na sua conta do Twitter, o candidato do PSL surge de pernas cruzadas, sentado, depois de fazer fisioterapia. A acompanhar a fotografia, algo escura, uma frase: "Deus no comando!".

Noutra fotografia, partilhada há mais dias, por um dos filhos do político, Flávio Bolsonaro, o candidato aparecia na cama do hospital a fazer com as mãos o seu polémico gesto de campanha, ou seja, fingir que empunha uma arma.

As últimas sondagens, nomeadamente uma de dia 14 da Datafolha, mostra que o candidato do PSL tem estado a subir.

Ler mais

Premium

robótica

Quando os robôs ajudam a aprender Estudo do Meio e Matemática

Os robôs chegaram aos jardins-de-infância e salas de aula de todo o país. Seja no âmbito do projeto de robótica do Ministério da Educação, da iniciativa das autarquias ou de outros programas, já há dezenas de milhares de crianças a aprender os fundamentos básicos da programação e do pensamento computacional em Portugal.

Premium

Anselmo Borges

"Likai-vos" uns aos outros

Quem nunca assistiu, num restaurante, por exemplo, a esta cena de estátuas: o pai a dedar num smartphone, a mãe a dedar noutro smartphone e cada um dos filhos pequenos a fazer o mesmo, eventualmente até a mandar mensagens uns aos outros? É nisto que estamos... Por isso, fiquei muito contente quando, há dias, num jantar em casa de um casal amigo, reparei que, à mesa, está proibido o dedar, porque aí não há telemóvel; às refeições, os miúdos adolescentes falam e contam histórias e estórias, e desabafam, e os pais riem-se com eles, e vão dizendo o que pode ser sumamente útil para a vida de todos... Se há visitas de outros miúdos, são avisados... de que ali os telemóveis ficam à distância...

Premium

João César das Neves

Donos de Portugal

A recente polémica dos salários dos professores revela muito do nosso carácter político e cultural. A OCDE, no habitual "Education at a Glance", apresenta comparações de indicadores escolares, incluindo a remuneração dos docentes. O estudo é reservado, mas a sua base de dados é pública e inclui dados espantosos, que o professor Daniel Bessa resumiu no Expresso de dia 15: "Com um salário que é cerca de 40% do finlandês, 45% do francês, 50% do italiano e 60% do espanhol, o português médio paga de impostos tanto como os cidadãos destes países (a taxas de tributação que, portanto, se aproximam do dobro) para que os salários dos seus professores sejam iguais aos praticados nestes países."