"Deus no comando", diz Bolsonaro, ao sair dos cuidados intensivos

Candidato presidencial do Partido Social Liberal (PSL) às eleições de 7 de outubro no Brasil, esfaqueado no dia 6, teve alta este domingo da Unidade de Terapia Intensiva do Hospital Albert Einstein em São Paulo

Jair Bolsonaro, candidato do PSL que foi esfaqueado no dia 6 em Juiz de Fora, Minas Gerais, passou este domingo dos cuidados intensivos para os cuidados intermédios do Hospital Albert Einstein em São Paulo.

Segundo o boletim médico da equipa que tem acompanhado o candidato às presidenciais brasileiras de 7 de outubro, Bolsonaro, que na quarta-feira teve que ser submetido a uma segunda cirurgia, teve alta da Unidade de Terapia Intensiva.

O boletim, citado pelos sites do G1 e pelo Estado de São Paulo, diz que o candidato "prossegue com boa evolução clínica, sem febre e exames laboratoriais estáveis, recebendo nutrição por via parenteral (endovenosa) exclusiva, medidas de prevenção de trombose venosa e fisioterapia respiratória e motora".

Mesmo hospitalizado, Bolsonaro, que tem agitado a campanha com as suas ideias de extrema-direita, tem comunicado através das redes sociais com os seus apoiantes e potenciais eleitores. Numa imagem partilhada na sua conta do Twitter, o candidato do PSL surge de pernas cruzadas, sentado, depois de fazer fisioterapia. A acompanhar a fotografia, algo escura, uma frase: "Deus no comando!".

Noutra fotografia, partilhada há mais dias, por um dos filhos do político, Flávio Bolsonaro, o candidato aparecia na cama do hospital a fazer com as mãos o seu polémico gesto de campanha, ou seja, fingir que empunha uma arma.

As últimas sondagens, nomeadamente uma de dia 14 da Datafolha, mostra que o candidato do PSL tem estado a subir.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ricardo Paes Mamede

O populismo entre nós

O sucesso eleitoral de movimentos e líderes populistas conservadores um pouco por todo o mundo (EUA, Brasil, Filipinas, Turquia, Itália, França, Alemanha, etc.) suscita apreensão nos países que ainda não foram contagiados pelo vírus. Em Portugal vários grupúsculos e pequenos líderes tentam aproveitar o ar dos tempos, aspirando a tornar-se os Trumps, Bolsonaros ou Salvinis lusitanos. Até prova em contrário, estas imitações de baixa qualidade parecem condenadas ao fracasso. Isso não significa, porém, que o país esteja livre de populismos da mesma espécie. Os riscos, porém, vêm de outras paragens, a mais óbvia das quais já é antiga, mas perdura por boas e más razões - o populismo territorial.