Dois norte-americanos detidos em Banguecoque por mostrarem nádegas em templo

Os dois homens foram colocados na 'lista negra' após terem publicado as fotos no Instagram

Dois norte-americanos foram detidos na terça-feira na Tailândia depois de terem publicado na rede social Instagram fotografias consideradas desrespeitosas diante de um templo budista, anunciou hoje a polícia. "Foram detidos quando se preparavam para sair da Tailândia", explicou o coronel Cherngron Rimpadee, porta-voz dos serviços de imigração, à agência de notícias francesa AFP.

Os dois homens, na casa dos 30 anos, foram detidos quando se preparavam para passar nos controlos da imigração num dos dois aeroportos internacionais de Banguecoque. Tinham sido colocados na 'lista negra' após terem publicado, no passado dia 24, fotografias tiradas diante do Wat Arun, um dos templos mais famosos de Banguecoque, com as calças para baixo.

Os dois admitiram a sua culpa e aceitaram pagar uma multa de 5.000 bahts (perto de 130 euros) por "comportamento inadequado" num lugar público.

Contudo, permanecem detidos até que a justiça decida ou não avançar com a acusação contra eles sob a severa lei da criminalidade informática, arriscando, nesse caso, vários anos de prisão.

"Estamos a aguardar uma decisão judicial sobre a sua acusação ou não ao abrigo da lei da criminalidade informática, por descarregarem imagens pornográficas", detalhou o coronel Cherngron Rimpadee.

Em 2015, três turistas, um italiano, um argentino e uma holandesa, foram detidos depois de terem publicado fotografias das suas nádegas no templo de Angkor, no vizinho Camboja.

No mesmo ano, três turistas franceses e duas irmãs norte-americanas foram expulsos do Camboja pela mesma razão, acabando por ser condenados a uma pena suspensa de seis meses de prisão e banidos do país por quatro anos.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Pedro Lains

"Gilets jaunes": se querem a globalização, alguma coisa tem de ser feita

Há muito que existe um problema no mundo ocidental que precisa de uma solução. A globalização e o desenvolvimento dos mercados internacionais trazem benefícios, mas esses benefícios tendem a ser distribuídos de forma desigual. Trata-se de um problema bem identificado, com soluções conhecidas, faltando apenas a vontade política para o enfrentar. Essa vontade está em franco desenvolvimento e esperemos que os recentes acontecimentos em França sejam mais uma contribuição importante.

Premium

Opinião

Investimento estrangeiro também é dívida

Em Abril de 2015, por ocasião do 10.º aniversário da Fundação EDP, o então primeiro-ministro, Pedro Passos Coelho, afirmava que Portugal "precisa de investimento externo como de pão para a boca". Não foi a primeira nem a última vez que a frase seria usada, mas naquele contexto tinha uma função evidente: justificar as privatizações realizadas nos anos precedentes, que se traduziram na perda de controlo nacional sobre grandes empresas de sectores estratégicos. A EDP é o caso mais óbvio, mas não é o único. A pergunta que ainda hoje devemos fazer é: o que ganha o país com isso?