Detidos dirigentes do grupo de extrema-direita citado por Trump

Presidente norte-americano partilhou no Twitter, no final de novembro, um conjunto de três vídeos antimuçulmanos

Os dois principais dirigentes do grupo de extrema-direita britânico Britain First, que ganhou projeção em novembro quando o presidente norte-americano, Donald Trump, difundiu vídeos xenófobos do grupo, foram detidos hoje por incitamento ao ódio.

O líder do grupo, Paul Golding, 35 anos, e a sua "número dois", Jayda Fransen, 31, foram detidos em Belfast, junto a um tribunal onde ela foi ouvida num processo em que é acusada de discurso de ódio pela intervenção que fez durante a manifestação "Irlanda do Norte Contra o Terrorismo" que se realizou em Belfast em agosto.

Golding foi detido à chegada ao tribunal e Fransen depois da audiência.

Segundo a polícia, Golding foi detido no âmbito da investigação à mesma manifestação e Fransen devido a publicações de incitamento ao ódio nas redes sociais.

A Britain First opõe-se ao multiculturalismo e ao que chama a "islamização" do Reino Unido.

Donald Trump causou um incidente diplomático com o Reino Unido quando a 30 de novembro 'retweetou' três vídeos anti-muçulmanos que Jayda Fransen colocou no Twitter.

A primeira-ministra britânica, Theresa May, condenou o gesto de Trump como "um erro".

Nos dias que se seguiram à divulgação dos vídeos por Trump, Jayda Fransen disse ter passado a contar com mais 22.000 seguidores no Twitter.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Anselmo Borges

Globalização e ética global

1. Muitas das graves convulsões sociais em curso têm na sua base a globalização, que arrasta consigo inevitavelmente questões gigantescas e desperta paixões que nem sempre permitem um debate sereno e racional. Hans Küng, o famoso teólogo dito heterodoxo, mas que Francisco recuperou, deu um contributo para esse debate, que assenta em quatro teses. Segundo ele, a globalização é inevitável, ambivalente (com ganhadores e perdedores), e não calculável (pode levar ao milagre económico ou ao descalabro), mas também - e isto é o mais importante - dirigível. Isto significa que a globalização económica exige uma globalização no domínio ético. Impõe-se um consenso ético mínimo quanto a valores, atitudes e critérios, um ethos mundial para uma sociedade e uma economia mundiais. É o próprio mercado global que exige um ethos global, também para salvaguardar as diferentes tradições culturais da lógica global e avassaladora de uma espécie de "metafísica do mercado" e de uma sociedade de mercado total.