Detido o homem que matou três pessoas, incluindo dois polícias, em Espanha

Suspeito de assassinar dois agentes da Guardia Civil será ex-militar da Europa de Leste

A Guardia Civil deteve na madrugada desta sexta-feira o homem que na tarde de ontem terá matado dois agentes da Guardia Civil e um residente de Teruel, Espanha.

Segundo o El Mundo, depois de várias horas de pânico com informações confusas sobre o paradeiro do homem, foi uma patrulha de Castellón que se juntara ao dispositivo policial mobilizado para procurar o suspeito que conseguiu detê-lo, em Cantavieja. O homem seguia a pé, depois de ter tido um acidente com a carrinha verde que conduzia desde que fugira do local do crime, oito horas antes.

Nesta altura, sabe-se apenas que o detido tem nacionalidade estrangeira e ainda não foi identificado porque, de acordo com o representante do governo espanhol em Aragão, não está a colaborar com as autoridades nos primeiros interrogatórios judiciais.

Fontes próximas da investigação, citadas pelo El Mundo, indicam que se tratará de um ex-militar da Europa de Leste que, quando foi detido, levava as armas que roubou aos agentes da Guardia Civil que terá assassinado. Estava vestido com um uniforme militar e fortemente armado e terá profundo conhecimento no manejamento de armas: conseguiu matar os agentes ainda que estes usassem coletes antibalas.

Os polícias mortos tinham 30 e 38 anos. O suspeito assassinou ainda um engenheiro agrónomo com propriedades no local, que se tinha juntado à Guardia Civil no dispositivo de buscas.

O detido terá estado envolvido num outro tiroteio, que aconteceu na zona, a 5 de dezembro, tendo ferido dois homens. Desde essa altura as autoridades tinham intensificado a vigilância na região.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Catarina Carvalho

Assunto poucochinho ou talvez não

Nos rankings das escolas que publicamos hoje há um número que chama especialmente a atenção: as raparigas são melhores do que os rapazes em 13 das 16 disciplinas avaliadas. Ou seja, não há nenhum problema com as raparigas. O que é um alívio - porque a avaliar pelo percurso de vida das mulheres portuguesas, poder-se-ia pensar que sim, elas têm um problema. Apenas 7% atingem lugares de topo, executivos. Apenas 12% estão em conselhos de administração de empresas cotadas em bolsa - o número cresce para uns míseros 14% em empresas do PSI20. Apenas 7,5% das presidências de câmara são mulheres.

Premium

Adolfo Mesquita Nunes

Quando não podemos usar o argumento das trincheiras

A discussão pública das questões fraturantes (uso a expressão por comodidade; noutra oportunidade explicarei porque me parece equívoca) tende não só a ser apresentada como uma questão de progresso, como se de um lado estivesse o futuro e do outro o passado, mas também como uma questão de civilização, de ética, como se de um lado estivesse a razão e do outro a degenerescência, de tal forma que elas são analisadas quase em pacote, como se fosse inevitável ser a favor ou contra todas de uma vez. Nesse sentido, na discussão pública, elas aparecem como questões de fácil tomada de posição, por mais complexo que seja o assunto: em questões éticas, civilizacionais, quem pode ter dúvidas? Os termos dessa discussão vão ao ponto de se fazer juízos de valor sobre quem está do outro lado, ou sobre as pessoas com quem nos damos: como pode alguém dar-se com pessoas que não defendem aquilo, ou que estão contra isto? Isto vale para os dois lados e eu sou testemunha delas em várias ocasiões.