Detido jihadista que estaria a preparar ataque terrorista em Sevilha

A polícia espanhola está neste momento na residência do suspeito, na capital da Andaluzia.

A polícia espanhola e os serviços de informação marroquinos anunciaram a detenção de um jhiadista em Marrocos suspeito de estar a preparar um ataque terrorista em Sevilha, anuncia a imprensa espanhola.

O El País avança que a polícia está neste momento na residência do suspeito, na capital da Andaluzia, para perceber se existem mais indícios sobre o alegado plano terrorista. O jornal diz ainda que o governo espanhol anunciou o reforço do policiamento e controlo anti-terrorista nas várias cidades do país, como forma de garantir a segurança durante a Semana Santa.

Na semana passada o ministério do interior espanhol reforçou os dispositivos de segurança e elevou o alerta policial no combate ao terrorismo em antecipação às festividades da Semana Santa, uma quadra tradicionalmente celebrada em Espanha com grandes procissões e testemunhos de fé.

O reforço de segurança, com mais agentes das forças de segurança das diferentes cidades do país, incide especialmente nos espaços públicos e meios de transporte, para acompanhar de mais de perto os acontecimentos religiosos, como as procissões, aos quais deverão acorrer grande número de pessoas.

Exclusivos

Premium

Leonídio Paulo Ferreira

Nuclear: quem tem, quem deixou de ter e quem quer

Guerrilha comunista na Grécia, bloqueio soviético de Berlim Ocidental ou Guerra da Coreia são alguns dos acontecimentos possíveis para datar o início da Guerra Fria, que alguns até fazem remontar à partilha da Europa em esferas de influência por Churchill e Estaline ainda o nazismo não tinha sido derrotado. Mas talvez 29 de agosto de 1949, faz agora 70 anos, seja a melhor opção, afinal nesse dia a União Soviética fez explodir a sua primeira bomba atómica e o monopólio da arma pelos Estados Unidos desapareceu. Sim, foi o teste em Semipalatinsk que estabeleceu o tal equilíbrio do terror, primeiro atómico e depois nuclear, que obrigou as duas superpotências a desistirem de uma Guerra Quente.