Detidas mais de 90 pessoas perto do palácio presidencial em Caracas

As detenções foram feitas no âmbito de uma ação policial que engloba o programa governamental Operação de Libertação de Proteção do Povo

O ministro das Relações Interiores, Justiça e Paz venezuelano, Néstor Reverol Torres, anunciou esta quarta-feira a detenção de mais 90 pessoas, entre nacionais e estrangeiros, alegados paramilitares, num bairro próximo do palácio presidencial de Miraflores.

As detenções ocorreram quando a oposição venezuelana se prepara para realizar quinta-feira o que chamam de "tomada de Caracas" para exigir a realização de um referendo revogatório do mandato do Presidente Nicolás Maduro.

Segundo o ministro, as detenções foram feitas no bairro Macayapa, no âmbito de uma ação policial englobada no programa governamental Operação de Libertação de Proteção do Povo, que teve lugar terça-feira, no "corredor norte da cidade de Caracas".

Na operação participaram mais de 600 efetivos da Polícia Nacional Bolivariana, das Forças Armadas Venezuelanas e do Corpo de Investigações Científicas, Penais e Criminalísticas (Cicpc, antiga Polícia Técnica Judiciária).

"Presume-se que haja uma alta percentagem de paramilitares a escassos quilómetros do palácio de Miraflores, pelo que se fez uma limpeza e varredura total em todo o setor, onde estão a aumentar as invasões, para depósito de paramilitares com a finalidade de realizar atos de violência, de instabilidade da Revolução Bolivariana", lê-se num comunicado do Ministério das Relações Interiores, Justiça e Paz da Venezuela.

O MIJP insiste que está em curso um golpe de estado contra o Governo do Presidente Nicolás Maduro e anuncia que vão ser realizadas, "de maneira imprevista", operações na Grande Caracas (capital e cidades vizinhas) e nos Estados com maior incidência de delitos no país.

"Com estas ações vamos derrotar o golpe de estado contra o Governo legitimamente constituído, do nosso comandante Presidente Nicolás Maduro Moros. Vamos eliminar a violência em todas as suas manifestações e continuaremos construindo a pátria e a revolução bolivariana, Vamos ir a todos os espaços que sejam necessários para libertar o povo destes grupos paramilitares", conclui.

Em fotos divulgadas por aquele ministério aparecem dezenas de indivíduos, sentados no chão, que terão sido tiradas durante a operação policial.

As autoridades venezuelanas não divulgaram a identificação dos detidos, nem confirmaram se durante a operação policial foi confiscado algum tipo de armamento.

Ler mais

Exclusivos

Premium

João Gobern

País com poetas

Há muito para elogiar nos que, sem perspectivas de lucro imediato, de retorno garantido, de negócio fácil, sabem aproveitar - e reciclar - o património acumulado noutras eras. Ora, numa fase em que a Poesia se reergue, muitas vezes por vias "alternativas", de esquecimentos e atropelos, merece inteiro destaque a iniciativa da editora Valentim de Carvalho, que decidiu regressar, em edições "revistas e aumentadas", ao seu magnífico espólio de gravações de poetas. Originalmente, na colecção publicada entre 1959 e 1975, o desafio era grande - cabia aos autores a responsabilidade de dizerem as suas próprias criações, acabando por personalizá-las ainda mais, injectando sangue próprio às palavras que já antes tinham posto ao nosso dispor.