Detenções, pilhagens e violência após vitória contestada de Bongo

Presidente acusa rival, Jean Ping, de orquestrar ataques a símbolos do Estado. Oposição clama vitória nas eleições e comunidade internacional pede verificação dos resultados.

A capital do Gabão, Libreville, está mergulhada no caos desde que na quarta-feira à tarde foram divulgados os resultados das presidenciais. 5594 votos apenas separam os rivais Ali Bongo e Jean Ping, atual presidente do país e o principal candidato da oposição. O primeiro teve 49,8% e o segundo 48,23%, num universo de 627 805 eleitores, num país com 1,8 milhões de habitantes e rico em petróleo.

Na noite de quarta-feira o Parlamento foi incendiado por manifestantes que saíram à rua em protesto contra a reeleição de Bongo, que sucedeu, em 2009, ao pai. Omar Bongo esteve no poder durante 42 anos. O acesso à internet foi suspenso. Por volta da meia-noite, a guarda republicana interveio e tomou a sede de campanha de Jean Ping, diplomata afro-chinês que no passado foi várias vezes ministro de Bongo pai.

"Cerca da 01.00, a sede foi bombardeada por helicópteros e cercada por tropas da guarda presidencial, a polícia e mercenários", explicou Jean Ping, por telefone, à RFI. "A oposição ganha sempre as eleições, mas nunca chega ao poder por causa dos mesmos procedimentos que são usados pela família que há 50 anos confisca o poder. Há 50 anos que no Gabão o poder está nas mãos de uma família e de um clã", prosseguiu o ex-presidente da Comissão da União Africana. À Reuters Ping garantiu que os números da comissão eleitoral são fraudulentos. O diplomata, que afirma ter havido dois mortos no ataque à sua sede, pediu proteção internacional para a população civil contra o que diz ser "um Estado pária".

A partir do Palácio Presidencial, Ali Bongo negou responsabilidades na violência e considerou a oposição como "um grupúsculo cujo projeto é tomar o poder para se servir do Gabão e não para servir o Gabão".

O comandante da polícia gabonesa disse que tinham sido detidos 200 autores de pilhagens na capital. Em declarações à AFP, Jean-Thierry Oyue Zue deu conta de seis polícias feridos e admitiu haver civis feridos "dada a violência". O ministro do Interior, Pacôme Moubelet-Boubeya, confirmou a existência de três mortos. Fotografias divulgadas pela AFP mostravam pessoas a pilhar lojas e a fugir pelas montras.

O Ministério do Interior falou num milhar de detenções em todo o Gabão e o gabinete do presidente Ali Bongo apontou o dedo à oposição. Num comunicado, citado pela Reuters, o rival do chefe do Estado, Jean Ping, é acusado de planear "ataques coordenados aos símbolos do Estado". Na nota divulgada lê-se ainda: "Estes não são protestos mas atos coordenados com o propósito de semear o medo entre os cidadãos que eles consideram que votaram de forma errada."

Perante este cenário de instabilidade neste país da África Central, a comunidade internacional lançou apelos à calma e exigiu a verificação dos resultados eleitorais em todas as assembleias de voto. O presidente francês, François Hollande, "condenou a violência, as pilhagens, as ameaças e os ataques a apoiantes dos principais candidatos".

A chefe da diplomacia europeia, a italiana Federica Mogherini, considerou que a confiança nos resultados "não pode ser restaurada sem que haja uma verificação transparente, em cada assembleia de voto". O mesmo exigiram os EUA.

O vice-presidente da União Africana, Erastus Mwencha, disse esperar que "a escalada de violência seja travada e não ponha em perigo a paz e a estabilidade do país". A eurodeputada Cécile Kyenge, da missão de observadores do Parlamento Europeu, declarou ao Jeune Afrique que "Ali Bongo deve rever a sua posição, ser corajoso e renunciar aos resultados proclamados. Aceitar estes resultados é trair África".

Ler mais

Premium

Rosália Amorim

"Sem emoção não há uma boa relação"

A frase calorosa é do primeiro-ministro António Costa, na visita oficial a Angola. Foi recebido com pompa e circunstância, por oito ministros e pelo governador do banco central e com honras de parada militar. Em África a simbologia desta grande receção foi marcante e é verdadeiramente importante. Angola demonstrou, para dentro e para fora, que Portugal continua a ser um parceiro importante. Ontem, o encontro previsto com João Lourenço foi igualmente simbólico e relevante para o futuro desta aliança estratégica.

Premium

João Gobern

Tirar a nódoa

São poucas as "fugas", poucos os desvios à honestidade intelectual que irritem mais do que a apropriação do alheio em conluio com a apresentação do mesmo com outra "assinatura". É vulgarmente referido como plágio e, em muitos casos, serve para disfarçar a preguiça, para fintar a falta de inspiração (ou "bloqueio", se preferirem), para funcionar como via rápida para um destino em que parece não importar o património alheio. No meio jornalístico, tive a sorte de me deparar com poucos casos dessa prática repulsiva - e alguns deles até apresentavam atenuantes profundas. Mas também tive o azar de me cruzar, por alguns meses, tempo ainda assim demasiado, com um diretor que tinha amealhado créditos ao publicar como sua uma tese universitária, revertido para (longo) artigo de jornal. A tese e a história "passaram", o diretor foi ficando. Até hoje, porque muitos desconhecem essa nódoa e outros preferiram olhar para o lado enquanto o promoviam.