Despiste de autocarro no Peru faz 44 mortos

Queda num desfiladeiro no sul do Peru provoca ainda 23 feridos, oito dos quais em estado grave

O despiste de um autocarro de dois andares num desfiladeiro no sul do Peru provocou pelo menos 44 mortos e 23 feridos, oito dos quais em estado grave, de acordo com o jornal brasileiro Folha de São Paulo.

Pelas 00.30 locais de quarta-feira (5.30 da manhã em Lisboa), na viagem de Chala para Arequipa, quando circulava na estrada Panamericana Sul, nas proximidades de Ocoña (a 763 quilómetros da capital, Lima), na região de Arequipa, o veículo da empresa Rey Latino caiu numa ravina de cerca de 100 metros de altura, só se imobilizando na margem de um rio.

O Governo peruano suspendeu a licença da empresa por 90 dias enquanto procede a investigações ao acidente. Segundo a Folha de São Paulo, a Rey Latino tinha dito que havia 45 passageiros a bordo, o que não bate certo com o número de vítimas. As autoridades suspeitam que haveria passageiros a mais, não contabilizados.

Já no início do ano, a 2 de janeiro, outras 52 pessoas morreram num acidente semelhante, em Pasamayo, a norte de Lima. As estradas sinuosas e em más condições, bem como a fraca instrução de motoristas são algumas das causas apontadas para os frequentes acidentes nas estradas peruanas.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Anselmo Borges

Islamofobia e cristianofobia

1. Não há dúvida de que a visita do Papa Francisco aos Emirados Árabes Unidos de 3 a 5 deste mês constituiu uma visita para a história, como aqui procurei mostrar na semana passada. O próprio Francisco caracterizou a sua viagem como "uma nova página no diálogo entre cristianismo e islão". É preciso ler e estudar o "Documento sobre a fraternidade humana", então assinado por ele e pelo grande imã de Al-Azhar. Também foi a primeira vez que um Papa celebrou missa para 150 mil cristãos na Península Arábica, berço do islão, num espaço público.

Premium

Adriano Moreira

Uma ameaça à cidadania

A conquista ocidental, que com ela procurou ocidentalizar o mundo em que agora crescem os emergentes que parecem desenhar-lhe o outono, do modelo democrático-liberal, no qual a cidadania implica o dever de votar, escolhendo entre propostas claras a que lhe parece mais adequada para servir o interesse comum, nacional e internacional, tem sofrido fragilidades que vão para além da reforma do sistema porque vão no sentido de o substituir. Não há muitas décadas, a última foi a da lembrança que deixou rasto na Segunda Guerra Mundial, pelo que a ameaça regressa a várias latitudes.