Despiste de autocarro no Peru faz 44 mortos

Queda num desfiladeiro no sul do Peru provoca ainda 23 feridos, oito dos quais em estado grave

O despiste de um autocarro de dois andares num desfiladeiro no sul do Peru provocou pelo menos 44 mortos e 23 feridos, oito dos quais em estado grave, de acordo com o jornal brasileiro Folha de São Paulo.

Pelas 00.30 locais de quarta-feira (5.30 da manhã em Lisboa), na viagem de Chala para Arequipa, quando circulava na estrada Panamericana Sul, nas proximidades de Ocoña (a 763 quilómetros da capital, Lima), na região de Arequipa, o veículo da empresa Rey Latino caiu numa ravina de cerca de 100 metros de altura, só se imobilizando na margem de um rio.

O Governo peruano suspendeu a licença da empresa por 90 dias enquanto procede a investigações ao acidente. Segundo a Folha de São Paulo, a Rey Latino tinha dito que havia 45 passageiros a bordo, o que não bate certo com o número de vítimas. As autoridades suspeitam que haveria passageiros a mais, não contabilizados.

Já no início do ano, a 2 de janeiro, outras 52 pessoas morreram num acidente semelhante, em Pasamayo, a norte de Lima. As estradas sinuosas e em más condições, bem como a fraca instrução de motoristas são algumas das causas apontadas para os frequentes acidentes nas estradas peruanas.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Opinião

Os irados e o PAN

A TVI fez uma reportagem sobre um grupo de nome IRA, Intervenção e Resgate Animal. Retirados alguns erros na peça, como, por exemplo, tomar por sério um vídeo claramente satírico, mostra-se que estamos perante uma organização de justiceiros. Basta, aliás, ir à página deste grupo - que tem 136 000 seguidores - no Facebook para ter a confirmação inequívoca de que é um grupo de gente que despreza a lei e as instituições democráticas e que decidiu fazer aquilo que acha que é justiça pelas suas próprias mãos.

Premium

Margarida Balseiro Lopes

Falta (transparência) de financiamento na ciência

No início de 2018 foi apresentado em Portugal um relatório da OCDE sobre Ensino Superior e a Ciência. No diagnóstico feito à situação portuguesa conclui-se que é imperativa a necessidade de reformar e reorganizar a Fundação para a Ciência e a Tecnologia (FCT), de aumentar a sua capacidade de gestão estratégica e de afastar o risco de captura de financiamento por áreas ou grupos. Quase um ano depois, relativamente a estas medidas que se impunham, o governo nada fez.