Despiste de autocarro no Peru faz 44 mortos

Queda num desfiladeiro no sul do Peru provoca ainda 23 feridos, oito dos quais em estado grave

O despiste de um autocarro de dois andares num desfiladeiro no sul do Peru provocou pelo menos 44 mortos e 23 feridos, oito dos quais em estado grave, de acordo com o jornal brasileiro Folha de São Paulo.

Pelas 00.30 locais de quarta-feira (5.30 da manhã em Lisboa), na viagem de Chala para Arequipa, quando circulava na estrada Panamericana Sul, nas proximidades de Ocoña (a 763 quilómetros da capital, Lima), na região de Arequipa, o veículo da empresa Rey Latino caiu numa ravina de cerca de 100 metros de altura, só se imobilizando na margem de um rio.

O Governo peruano suspendeu a licença da empresa por 90 dias enquanto procede a investigações ao acidente. Segundo a Folha de São Paulo, a Rey Latino tinha dito que havia 45 passageiros a bordo, o que não bate certo com o número de vítimas. As autoridades suspeitam que haveria passageiros a mais, não contabilizados.

Já no início do ano, a 2 de janeiro, outras 52 pessoas morreram num acidente semelhante, em Pasamayo, a norte de Lima. As estradas sinuosas e em más condições, bem como a fraca instrução de motoristas são algumas das causas apontadas para os frequentes acidentes nas estradas peruanas.

Ler mais

Premium

Ricardo Paes Mamede

O FMI, a Comissão Europeia e a direita portuguesa

Os relatórios das instituições internacionais sobre a economia e a política económica em Portugal são desde há vários anos uma presença permanente do debate público nacional. Uma ou duas vezes por ano, o FMI, a Comissão Europeia (CE), a OCDE e o Banco Central Europeu (BCE) - para referir apenas os mais relevantes - pronunciam-se sobre a situação económica do país, sobre as medidas de política que têm vindo a ser adotadas pelas autoridades nacionais, sobre os problemas que persistem e sobre os riscos que se colocam no futuro próximo. As análises que apresentam e as recomendações que emitem ocupam sempre um lugar destacado na comunicação social no momento em que são publicadas e chegam a marcar o debate político durante meses.

Premium

João Gobern

Tirar a nódoa

São poucas as "fugas", poucos os desvios à honestidade intelectual que irritem mais do que a apropriação do alheio em conluio com a apresentação do mesmo com outra "assinatura". É vulgarmente referido como plágio e, em muitos casos, serve para disfarçar a preguiça, para fintar a falta de inspiração (ou "bloqueio", se preferirem), para funcionar como via rápida para um destino em que parece não importar o património alheio. No meio jornalístico, tive a sorte de me deparar com poucos casos dessa prática repulsiva - e alguns deles até apresentavam atenuantes profundas. Mas também tive o azar de me cruzar, por alguns meses, tempo ainda assim demasiado, com um diretor que tinha amealhado créditos ao publicar como sua uma tese universitária, revertido para (longo) artigo de jornal. A tese e a história "passaram", o diretor foi ficando. Até hoje, porque muitos desconhecem essa nódoa e outros preferiram olhar para o lado enquanto o promoviam.