Desnuclearização da Coreia do Norte depende de tratado de paz

Jornal oficial diz que só haverá mais progressos nas negociações multilaterais se os EUA aceitaram a declaração sobre o fim da guerra entre as duas Coreias.

Um órgão oficial do regime de Pyongyang defendeu hoje que a desnuclearização da Coreia do Norte depende da assinatura de um tratado de paz, para acabar com o estado de guerra técnico que perdura desde a Guerra da Coreia (1950-1953)

De acordo com a agência de notícias sul-coreana Yonhap, o semanário Tongil Sinbo, um dos meios de comunicação que o regime norte-coreano utiliza para fazer passar mensagens para o exterior, escreveu na sua última edição que só haverá mais progressos nas negociações multilaterais se os EUA aceitarem a declaração sobre o fim da guerra entre as duas Coreias.

"Houve um grande avanço nas relações entre a Coreia do Norte, a Coreia do Sul e os EUA, mas o fim da Guerra das Coreias ainda é um assunto não resolvido", pode ler-se no semanário Tongil Sinbo.

"Os EUA, como parte responsável na declaração do fim da guerra para estabelecer uma paz permanente na península coreana, devem tomar medidas práticas para implementar o acordo da cimeira de 12 de junho em Singapura", que juntou o presidente dos EUA, Donald Trump, e o líder norte-coreano, Kim Jong-un, de acordo com o jornal.

O Tongil Sinbo advertiu ainda que "não se pode esperar um bom desenvolvimento das relações inter-coreanas se o Sul seguir cegamente a política de hostilidade contra o Norte através de forças estrangeiras".

Quer na declaração de Panmunjom, firmada em abril durante a histórica cimeira entre os líderes das duas Coreias, quer cimeira de 12 de junho entre Donald Trump e Kim Jong-un ficou acordado que as duas coreias vão trabalhar para alcançar a "completa desnuclearização" da península, comprometendo-se com um tratado multilateral para acabar com o estado de guerra técnico na região que existe desde a Guerra da Coreia (1950-1953).

Ler mais

Premium

Ricardo Paes Mamede

O FMI, a Comissão Europeia e a direita portuguesa

Os relatórios das instituições internacionais sobre a economia e a política económica em Portugal são desde há vários anos uma presença permanente do debate público nacional. Uma ou duas vezes por ano, o FMI, a Comissão Europeia (CE), a OCDE e o Banco Central Europeu (BCE) - para referir apenas os mais relevantes - pronunciam-se sobre a situação económica do país, sobre as medidas de política que têm vindo a ser adotadas pelas autoridades nacionais, sobre os problemas que persistem e sobre os riscos que se colocam no futuro próximo. As análises que apresentam e as recomendações que emitem ocupam sempre um lugar destacado na comunicação social no momento em que são publicadas e chegam a marcar o debate político durante meses.

Premium

João Gobern

Tirar a nódoa

São poucas as "fugas", poucos os desvios à honestidade intelectual que irritem mais do que a apropriação do alheio em conluio com a apresentação do mesmo com outra "assinatura". É vulgarmente referido como plágio e, em muitos casos, serve para disfarçar a preguiça, para fintar a falta de inspiração (ou "bloqueio", se preferirem), para funcionar como via rápida para um destino em que parece não importar o património alheio. No meio jornalístico, tive a sorte de me deparar com poucos casos dessa prática repulsiva - e alguns deles até apresentavam atenuantes profundas. Mas também tive o azar de me cruzar, por alguns meses, tempo ainda assim demasiado, com um diretor que tinha amealhado créditos ao publicar como sua uma tese universitária, revertido para (longo) artigo de jornal. A tese e a história "passaram", o diretor foi ficando. Até hoje, porque muitos desconhecem essa nódoa e outros preferiram olhar para o lado enquanto o promoviam.