Desnuclearização da Coreia do Norte depende de tratado de paz

Jornal oficial diz que só haverá mais progressos nas negociações multilaterais se os EUA aceitaram a declaração sobre o fim da guerra entre as duas Coreias.

Um órgão oficial do regime de Pyongyang defendeu hoje que a desnuclearização da Coreia do Norte depende da assinatura de um tratado de paz, para acabar com o estado de guerra técnico que perdura desde a Guerra da Coreia (1950-1953)

De acordo com a agência de notícias sul-coreana Yonhap, o semanário Tongil Sinbo, um dos meios de comunicação que o regime norte-coreano utiliza para fazer passar mensagens para o exterior, escreveu na sua última edição que só haverá mais progressos nas negociações multilaterais se os EUA aceitarem a declaração sobre o fim da guerra entre as duas Coreias.

"Houve um grande avanço nas relações entre a Coreia do Norte, a Coreia do Sul e os EUA, mas o fim da Guerra das Coreias ainda é um assunto não resolvido", pode ler-se no semanário Tongil Sinbo.

"Os EUA, como parte responsável na declaração do fim da guerra para estabelecer uma paz permanente na península coreana, devem tomar medidas práticas para implementar o acordo da cimeira de 12 de junho em Singapura", que juntou o presidente dos EUA, Donald Trump, e o líder norte-coreano, Kim Jong-un, de acordo com o jornal.

O Tongil Sinbo advertiu ainda que "não se pode esperar um bom desenvolvimento das relações inter-coreanas se o Sul seguir cegamente a política de hostilidade contra o Norte através de forças estrangeiras".

Quer na declaração de Panmunjom, firmada em abril durante a histórica cimeira entre os líderes das duas Coreias, quer cimeira de 12 de junho entre Donald Trump e Kim Jong-un ficou acordado que as duas coreias vão trabalhar para alcançar a "completa desnuclearização" da península, comprometendo-se com um tratado multilateral para acabar com o estado de guerra técnico na região que existe desde a Guerra da Coreia (1950-1953).

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ricardo Paes Mamede

O populismo entre nós

O sucesso eleitoral de movimentos e líderes populistas conservadores um pouco por todo o mundo (EUA, Brasil, Filipinas, Turquia, Itália, França, Alemanha, etc.) suscita apreensão nos países que ainda não foram contagiados pelo vírus. Em Portugal vários grupúsculos e pequenos líderes tentam aproveitar o ar dos tempos, aspirando a tornar-se os Trumps, Bolsonaros ou Salvinis lusitanos. Até prova em contrário, estas imitações de baixa qualidade parecem condenadas ao fracasso. Isso não significa, porém, que o país esteja livre de populismos da mesma espécie. Os riscos, porém, vêm de outras paragens, a mais óbvia das quais já é antiga, mas perdura por boas e más razões - o populismo territorial.