Desnuclearização da Coreia do Norte depende de tratado de paz

Jornal oficial diz que só haverá mais progressos nas negociações multilaterais se os EUA aceitaram a declaração sobre o fim da guerra entre as duas Coreias.

Um órgão oficial do regime de Pyongyang defendeu hoje que a desnuclearização da Coreia do Norte depende da assinatura de um tratado de paz, para acabar com o estado de guerra técnico que perdura desde a Guerra da Coreia (1950-1953)

De acordo com a agência de notícias sul-coreana Yonhap, o semanário Tongil Sinbo, um dos meios de comunicação que o regime norte-coreano utiliza para fazer passar mensagens para o exterior, escreveu na sua última edição que só haverá mais progressos nas negociações multilaterais se os EUA aceitarem a declaração sobre o fim da guerra entre as duas Coreias.

"Houve um grande avanço nas relações entre a Coreia do Norte, a Coreia do Sul e os EUA, mas o fim da Guerra das Coreias ainda é um assunto não resolvido", pode ler-se no semanário Tongil Sinbo.

"Os EUA, como parte responsável na declaração do fim da guerra para estabelecer uma paz permanente na península coreana, devem tomar medidas práticas para implementar o acordo da cimeira de 12 de junho em Singapura", que juntou o presidente dos EUA, Donald Trump, e o líder norte-coreano, Kim Jong-un, de acordo com o jornal.

O Tongil Sinbo advertiu ainda que "não se pode esperar um bom desenvolvimento das relações inter-coreanas se o Sul seguir cegamente a política de hostilidade contra o Norte através de forças estrangeiras".

Quer na declaração de Panmunjom, firmada em abril durante a histórica cimeira entre os líderes das duas Coreias, quer cimeira de 12 de junho entre Donald Trump e Kim Jong-un ficou acordado que as duas coreias vão trabalhar para alcançar a "completa desnuclearização" da península, comprometendo-se com um tratado multilateral para acabar com o estado de guerra técnico na região que existe desde a Guerra da Coreia (1950-1953).

Ler mais

Exclusivos

Premium

Catarina Carvalho

Assunto poucochinho ou talvez não

Nos rankings das escolas que publicamos hoje há um número que chama especialmente a atenção: as raparigas são melhores do que os rapazes em 13 das 16 disciplinas avaliadas. Ou seja, não há nenhum problema com as raparigas. O que é um alívio - porque a avaliar pelo percurso de vida das mulheres portuguesas, poder-se-ia pensar que sim, elas têm um problema. Apenas 7% atingem lugares de topo, executivos. Apenas 12% estão em conselhos de administração de empresas cotadas em bolsa - o número cresce para uns míseros 14% em empresas do PSI20. Apenas 7,5% das presidências de câmara são mulheres.

Premium

Adolfo Mesquita Nunes

Quando não podemos usar o argumento das trincheiras

A discussão pública das questões fraturantes (uso a expressão por comodidade; noutra oportunidade explicarei porque me parece equívoca) tende não só a ser apresentada como uma questão de progresso, como se de um lado estivesse o futuro e do outro o passado, mas também como uma questão de civilização, de ética, como se de um lado estivesse a razão e do outro a degenerescência, de tal forma que elas são analisadas quase em pacote, como se fosse inevitável ser a favor ou contra todas de uma vez. Nesse sentido, na discussão pública, elas aparecem como questões de fácil tomada de posição, por mais complexo que seja o assunto: em questões éticas, civilizacionais, quem pode ter dúvidas? Os termos dessa discussão vão ao ponto de se fazer juízos de valor sobre quem está do outro lado, ou sobre as pessoas com quem nos damos: como pode alguém dar-se com pessoas que não defendem aquilo, ou que estão contra isto? Isto vale para os dois lados e eu sou testemunha delas em várias ocasiões.