Desertor norte-coreano detido em Seul por vender segredos da Coreia do Sul

O desertor norte-coreano é acusado de ter vendido informações militares a um país da Ásia Oriental

Um desertor norte-coreano foi detido em Seul, acusado de vender informações militares secretas da Coreia do Sul para um país da Ásia Oriental, informaram hoje as autoridades.

O suspeito, identificado apenas pelo sobrenome Lee, as informações de antigos altos quadros do Comando de Inteligência de Defesa da Coreia (KDIC), afirmou um representante do Gabinete da Procuradoria do Distrito Central de Seúl durante uma conferência de imprensa.

Lee terá obtido as informações de um ex-funcionário do KDIC, de 58 anos, identificado pelo sobrenome Hwang, que foi preso no mês passado juntamente com outro ex-oficial do mesmo ramo dos serviços de informação militar, mas por outro caso de espionagem.

Os interrogatórios aos quais os dois indivíduos foram submetidos permitiram que os investigadores descobrissem a suposta fuga, embora a relação exata entre o desertor e Hwang não tenha sido revelada.

Lee vendeu as informações obtidas a um agente integrado numa missão diplomática de um país "da Ásia Oriental", explicou o representante da Procuradoria, sem acrescentar mais detalhes sobre este terceiro Estado, informou a agência de notícias Yonhap.

Suspeita-se que Lee foi o responsável pela fuga de 109 informações classificadas como secretas, incluindo dados pessoais de agentes dos serviços de informação sul-coreanos que trabalhavam em missões estrangeiras e que foram obrigados a abandonar os seus postos e regressarem ao país.

A investigação admite existirem mais pessoas envolvidas.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Patrícia Viegas

Espanha e os fantasmas da Guerra Civil

Em 2011, fazendo a cobertura das legislativas que deram ao PP de Mariano Rajoy uma maioria absoluta histórica, notei que quando perguntava a algumas pessoas do PP o que achavam do PSOE, e vice-versa, elas respondiam, referindo-se aos outros, não como socialistas ou populares, não como de esquerda ou de direita, mas como los rojos e los franquistas. E o ressentimento com que o diziam mostrava que havia algo mais em causa do que as questões quentes da atualidade (a crise económica e financeira estava no seu auge e a explosão da bolha imobiliária teve um impacto considerável). Uma questão de gerações mais velhas, com os fantasmas da Guerra Civil espanhola ainda presente, pensei.