Descobriram 41 anos depois que tinham sido trocados na maternidade

Dois canadianos de uma comunidade indígena foram entregues às famílias erradas em 1975

Leon Swanson e David Tait Jr. conhecem-se desde crianças. Ambos vivem na mesma localidade canadiana, com cerca de cinco mil habitantes, maioritariamente indígenas. Mas só agora descobriram, 41 anos depois de terem nascido, que foram trocados na maternidade: cada um foi entregue aos pais do outro, uma troca num hospital da região gerido pelo Estado e que nem sequer é inédita: no passado mês de novembro, um caso semelhante foi descoberto e aconteceu exatamente na mesma unidade hospitalar.

Os dois canadianos estiveram numa conferência de imprensa em que, visivelmente emocionados, admitiram que têm pela frente um "longo percurso" de aceitação do que lhes aconteceu. David referiu que ambos continuarão a tratar como pais aqueles a quem foram entregues, mas que tentarão viver como uma grande família com os pais biológicos.

Segundo a BBC, foi depois de vir a público, no ano passado, o caso de uma troca no mesmo hospital, que os dois homens decidiram fazer testes de ADN, suspeitando já que tinham sido vítimas da mesma situação em 1975, ano em que nasceram.

A ministra da Saúde do Canadá, Jane Philpott, já comentou o sucedido e admitiu que esta troca é uma "lembrança importante" da "necessidade urgente de oferecer a todos os povos indígenas os mesmos cuidados de saúde de qualidade". A governante revelou ainda que irá ser aberta uma investigação para apurar se há outros casos de trocas de crianças que ainda não são conhecidos.

O Canadá tem, segundo a BBC, 1,4 milhões de pessoas que vivem em comunidades indígenas de várias tribos.

Ler mais

Premium

Rosália Amorim

"Sem emoção não há uma boa relação"

A frase calorosa é do primeiro-ministro António Costa, na visita oficial a Angola. Foi recebido com pompa e circunstância, por oito ministros e pelo governador do banco central e com honras de parada militar. Em África a simbologia desta grande receção foi marcante e é verdadeiramente importante. Angola demonstrou, para dentro e para fora, que Portugal continua a ser um parceiro importante. Ontem, o encontro previsto com João Lourenço foi igualmente simbólico e relevante para o futuro desta aliança estratégica.

Premium

João Gobern

Tirar a nódoa

São poucas as "fugas", poucos os desvios à honestidade intelectual que irritem mais do que a apropriação do alheio em conluio com a apresentação do mesmo com outra "assinatura". É vulgarmente referido como plágio e, em muitos casos, serve para disfarçar a preguiça, para fintar a falta de inspiração (ou "bloqueio", se preferirem), para funcionar como via rápida para um destino em que parece não importar o património alheio. No meio jornalístico, tive a sorte de me deparar com poucos casos dessa prática repulsiva - e alguns deles até apresentavam atenuantes profundas. Mas também tive o azar de me cruzar, por alguns meses, tempo ainda assim demasiado, com um diretor que tinha amealhado créditos ao publicar como sua uma tese universitária, revertido para (longo) artigo de jornal. A tese e a história "passaram", o diretor foi ficando. Até hoje, porque muitos desconhecem essa nódoa e outros preferiram olhar para o lado enquanto o promoviam.