Descobriram 41 anos depois que tinham sido trocados na maternidade

Dois canadianos de uma comunidade indígena foram entregues às famílias erradas em 1975

Leon Swanson e David Tait Jr. conhecem-se desde crianças. Ambos vivem na mesma localidade canadiana, com cerca de cinco mil habitantes, maioritariamente indígenas. Mas só agora descobriram, 41 anos depois de terem nascido, que foram trocados na maternidade: cada um foi entregue aos pais do outro, uma troca num hospital da região gerido pelo Estado e que nem sequer é inédita: no passado mês de novembro, um caso semelhante foi descoberto e aconteceu exatamente na mesma unidade hospitalar.

Os dois canadianos estiveram numa conferência de imprensa em que, visivelmente emocionados, admitiram que têm pela frente um "longo percurso" de aceitação do que lhes aconteceu. David referiu que ambos continuarão a tratar como pais aqueles a quem foram entregues, mas que tentarão viver como uma grande família com os pais biológicos.

Segundo a BBC, foi depois de vir a público, no ano passado, o caso de uma troca no mesmo hospital, que os dois homens decidiram fazer testes de ADN, suspeitando já que tinham sido vítimas da mesma situação em 1975, ano em que nasceram.

A ministra da Saúde do Canadá, Jane Philpott, já comentou o sucedido e admitiu que esta troca é uma "lembrança importante" da "necessidade urgente de oferecer a todos os povos indígenas os mesmos cuidados de saúde de qualidade". A governante revelou ainda que irá ser aberta uma investigação para apurar se há outros casos de trocas de crianças que ainda não são conhecidos.

O Canadá tem, segundo a BBC, 1,4 milhões de pessoas que vivem em comunidades indígenas de várias tribos.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ricardo Paes Mamede

Legalização da canábis, um debate sóbrio 

O debate público em Portugal sobre a legalização da canábis é frequentemente tratado com displicência. Uns arrumam rapidamente o assunto como irrelevante; outros acusam os proponentes de usarem o tema como mera bandeira política. Tais atitudes fazem pouco sentido, por dois motivos. Primeiro, a discussão sobre o enquadramento legal da canábis está hoje em curso em vários pontos do mundo, não faltando bons motivos para tal. Segundo, Portugal tem bons motivos e está em boas condições para fazer esse caminho. Resta saber se há vontade.

Premium

nuno camarneiro

É Natal, é Natal

A criança puxa a mãe pela manga na direcção do corredor dos brinquedos. - Olha, mamã! Anda por aqui, anda! A mãe resiste. - Primeiro vamos ao pão, depois logo se vê... - Mas, oh, mamã! A senhora veste roupas cansadas e sapatos com gelhas e calos, as mãos são de empregada de limpeza ou operária, o rosto é um retrato de tristeza. Olho para o cesto das compras e vejo latas de atum, um quilo de arroz e dois pacotes de leite, tudo de marca branca. A menina deixa-se levar contrariada, os olhos fixados nas cores e nos brilhos que se afastam. - Depois vamos, não vamos, mamã? - Depois logo se vê, filhinha, depois logo se vê...