Derrube das Torres Gémeas teve um ensaio geral

Camião carregado de explosivos rebentou no parque de estacionamento subterrâneo da Torre Norte em 1993. Objetivo era derrubá-la e fazê-la cair sobre a Torre Sul. DN está a publicar uma série de textos na contagem decrescente para 15.º aniversário do 11 de setembro.

Morreram seis pessoas no atentado contra as Torres Gémeas de 26 de fevereiro de 1993. Não admira que quase tenha caído no esquecimento depois do ataque de 11 de setembro de 2001, em que as vítimas foram quase três mil. Mas o objetivo dos terroristas era igual, derrubar as duas torres, e o cérebro o mesmo: Khalid Sheik Mohammed, figura da Al-Qaeda que hoje está detido em Guantánamo.

Richard Clarke, que coordenava o combate ao terrorismo internacional na Administração de Bill Clinton e manteve o cargo com George Bush filho, escreveu já depois do 11 de Setembro Contra todos os inimigos, livro no qual conta como a explosão de 1993 apanhou toda a gente de surpresa nos Estados Unidos. A União Soviética tinha desaparecido, a Guerra Fria era passado, e mesmo Saddam Hussein não parecia capaz de destabilizar o Médio Oriente depois de uma coligação internacional o ter obrigado a retirar as tropas iraquianas do Koweit.

Clarke relembra o telefonema naquele dia de Anthony Lake, o conselheiro nacional de segurança de Clinton: "- Foram os sérvios? Era o Tony. Não fazia a mínima ideia do que estava a falar. - Foram os sérvios que o atacaram? Foi uma bomba? - Ainda não sei, Tony - fingi eu. -Estamos a averiguar. Eu ligo-lhe assim que soubermos mais alguma coisa". Depois, Clarke ligou para o Gabinete de Crise, onde um oficial da Marinha lhe responde: "Acho que explodiu qualquer coisa, mas não sabemos se foi uma bomba. O World Trade Center". E havia até dúvidas se o Gabinete de Crise tinha de reportar a Clarke, pois a explosão era em território americano. Tinha, claro, desde que estivessem envolvidos agentes estrangeiros no atentado.

Não foram os sérvios, então em guerra contra os outros ex-jugoslavos e em choque com a América. Nem houve cumplicidade dos serviços secretos iraquianos, outra hipótese levantada na época mas que documentos apreendidos já depois da queda de Saddam anulam. O FBI conseguiu identificar Mohammad Salameh como um fundamentalista islâmico envolvido e através dele chegou a outros suspeitos e a um apartamento onde se preparavam explosivos como os colocados no camião estacionado no parque subterrâneo da Torre Norte. Na sucessão de detenções que se seguiu, chegou-se ao nome de Ramzi Youssef, capturado pela polícia paquistanesa e entregue aos Estados Unidos. Foi ele a principal figura do atentado, depois de ter entrado na América com falso passaporte iraquiano e ter pedido asilo. Teve financiamento de um tio, Khalid Sheik Mohammed, que uma década mais tarde, depois de detido e interrogado em Carachi, confessará ter sido o arquiteto do 11 de setembro, ao serviço da Al-Qaeda.

Não existem provas de envolvimento direto de Osama bin Laden no atentado de 1993. Mas a ideia dos terroristas era derrubar uma das Torres explodindo a base e fazendo-a cair sobre a outra. O que 600 quilos de explosivos falharam, foi conseguido oito anos depois por dois aviões lançados contra as Torres.

Leia amanhã: os atentados contra as embaixadas americanas em África

Ler mais

Exclusivos

Premium

Opinião

"Orrrderrr!", começou a campanha europeia

Através do YouTube, faz grande sucesso entre nós um florilégio de gritos de John Bercow - vocês sabem, o speaker do Parlamento britânico. O grito dele é só um, em crescendo, "order, orrderr, ORRRDERRR!", e essa palavra quer dizer o que parece. Aquele "ordem!" proclamada pelo presidente da Câmara dos Comuns demonstra a falta de autoridade de toda a gente vulgar que hoje se senta no Parlamento que iniciou a democracia na velha Europa. Ora, se o grito de Bercow diz muito mais do que parece, o nosso interesse por ele, através do YouTube, diz mais de nós do que de Bercow. E, acreditem, tudo isto tem que ver com a nossa vida, até com a vidinha, e com o mundo em que vivemos.

Premium

Marisa Matias

Mulheres

Nesta semana, um país inteiro juntou-se solidariamente às mulheres andaluzas. Falo do nosso país vizinho, como é óbvio. A chegada ao poder do partido Vox foi a legitimação de um discurso e de uma postura sexistas que julgávamos já eliminadas aqui por estes lados. Pois não é assim. Se durante algumas décadas assistimos ao reforço dos direitos das mulheres, nos últimos anos, a ascensão de forças políticas conservadoras e sexistas mostrou o quão rápida pode ser a destruição de direitos que levaram anos a construir. Na Hungria, as autoridades acham que o lugar da mulher é em casa, na Polónia não podem vestir de preto para não serem confundidas com gente que acha que tem direitos, em Espanha passaram a categoria de segunda na Andaluzia. Os exemplos podiam ser mais extensos, os tempos que vivemos são estes. Mas há sempre quem não desista, e onde se escreve retrocesso nas instituições, soma-se resistência nas ruas.

Premium

Maria Antónia de Almeida Santos

Ser ou não ser, eis a questão

De facto, desde o famoso "to be, or not to be" de Shakespeare que não se assistia a tão intenso dilema britânico. A confirmação do desacordo do Brexit e o chumbo da moção de censura a May agudizaram a imprevisibilidade do modo como o Reino Unido acordará desse mesmo desacordo. Uma das causas do Brexit terá sido certamente a corrente nacionalista, de base populista, com a qual a Europa em geral se debate. Mas não é a única causa. Como deverá a restante Europa reagir? Em primeiro lugar, com calma e serenidade. Em seguida, com muita atenção, pois invariavelmente o único ganho do erro resulta do que aprendemos com o mesmo. Imperativo é também que aprendamos a aprender em conjunto.