Derrame de combustível causa cinco mortos na ilha de Bornéu

As vítimas estavam a praticar pesca lúdica quando aconteceu o acidente. O derrame está ativo desde o fim de semana

Cinco pessoas morreram devido a um derrame de combustível que começou no fim de semana e que continuava hoje a verter na baía de Balikpapan, um porto na ilha indonésia de Bornéu, onde já foi declarado o estado de emergência.

As vítimas mortais são cinco pessoas que estavam a praticar pesca lúdica quando aconteceu o derrame, logo seguido de incêndio, segundo o responsável da Agência Nacional de Busca e Resgate de Balikpapan, Oktavianto.

A mesma fonte adiantou que os fumos do incêndio, que já foi dominado, afetaram centenas de pessoas que sentem problemas respiratórios e náuseas.

As autoridades, que estão a coordenar as operações com a empresa estatal Pertamina e a PT Chevron Indonesia, ainda não determinaram a causa do derrame nem avaliaram os danos causados à economia e ao ambiente.

O derrame afeta a costa leste e norte da cidade, a segunda maior da província de Kalimantan Oriental (Bornéu Oriental) e já cobre uma superfície com aproximadamente 12 quilómetros quadrados.

A empresa Pertamina, que tem uma refinaria de petróleo naquela zona, assegurou à imprensa local que o derrame não é de crude e sim de combustível para barcos, negando qualquer responsabilidade.

A Indonésia divide a ilha de Bornéu, rica em recursos naturais, com a Malásia e o Brunei.

Ler mais

Exclusivos

Premium

João Gobern

As vidas atrás dos espelhos

Mais do que qualquer apetite científico ou do que qualquer desejo de mergulho académico, o prazer dos documentários biográficos vai-me servindo sobretudo para aconchegar a curiosidade e a vontade de descobrir novos pormenores sobre os visados, até para poder ligar pontas que, antes dessas abordagens, pareciam soltas e desligadas. No domínio das artes, essas motivações crescem exponencialmente, até por permitirem descobrir, nas vidas, circunstâncias e contextos que ganham reflexo nas obras. Como estas coisas valem mais quando vão aparecendo naturalmente, acontecem-me por revoadas. A presente pôs-me a ver três poderosos documentos sobre gente do cinema, em que nem sempre o "valor facial" retrata o real.

Premium

nuno camarneiro

Uma aldeia no centro da cidade

Os vizinhos conhecem-se pelos nomes, cultivam hortas e jardins comunitários, trocam móveis a que já não dão uso, organizam almoços, jogos de futebol e até magustos, como aconteceu no sábado passado. Não estou a descrever uma aldeia do Minho ou da Beira Baixa, tampouco uma comunidade hippie perdida na serra da Lousã, tudo isto acontece em plena Lisboa, numa rua com escadinhas que pertence ao Bairro dos Anjos.

Premium

Rui Pedro Tendinha

O João. Outra vez, o João Salaviza...

Foi neste fim de semana. Um fim de semana em que o cinema português foi notícia e ninguém reparou. Entre ex-presidentes de futebol a serem presos e desmentidos de fake news, parece que a vitória de Chuva É Cantoria na Aldeia dos Mortos, de Renée Nader Messora e João Salaviza, no Festival do Rio, e o anúncio da nomeação de Diamantino, de Daniel Schmidt e Gabriel Abrantes, nos European Film Awards, não deixou o espaço mediático curioso.