Derrame de combustível causa cinco mortos na ilha de Bornéu

As vítimas estavam a praticar pesca lúdica quando aconteceu o acidente. O derrame está ativo desde o fim de semana

Cinco pessoas morreram devido a um derrame de combustível que começou no fim de semana e que continuava hoje a verter na baía de Balikpapan, um porto na ilha indonésia de Bornéu, onde já foi declarado o estado de emergência.

As vítimas mortais são cinco pessoas que estavam a praticar pesca lúdica quando aconteceu o derrame, logo seguido de incêndio, segundo o responsável da Agência Nacional de Busca e Resgate de Balikpapan, Oktavianto.

A mesma fonte adiantou que os fumos do incêndio, que já foi dominado, afetaram centenas de pessoas que sentem problemas respiratórios e náuseas.

As autoridades, que estão a coordenar as operações com a empresa estatal Pertamina e a PT Chevron Indonesia, ainda não determinaram a causa do derrame nem avaliaram os danos causados à economia e ao ambiente.

O derrame afeta a costa leste e norte da cidade, a segunda maior da província de Kalimantan Oriental (Bornéu Oriental) e já cobre uma superfície com aproximadamente 12 quilómetros quadrados.

A empresa Pertamina, que tem uma refinaria de petróleo naquela zona, assegurou à imprensa local que o derrame não é de crude e sim de combustível para barcos, negando qualquer responsabilidade.

A Indonésia divide a ilha de Bornéu, rica em recursos naturais, com a Malásia e o Brunei.

Ler mais

Exclusivos

Premium

João Gobern

País com poetas

Há muito para elogiar nos que, sem perspectivas de lucro imediato, de retorno garantido, de negócio fácil, sabem aproveitar - e reciclar - o património acumulado noutras eras. Ora, numa fase em que a Poesia se reergue, muitas vezes por vias "alternativas", de esquecimentos e atropelos, merece inteiro destaque a iniciativa da editora Valentim de Carvalho, que decidiu regressar, em edições "revistas e aumentadas", ao seu magnífico espólio de gravações de poetas. Originalmente, na colecção publicada entre 1959 e 1975, o desafio era grande - cabia aos autores a responsabilidade de dizerem as suas próprias criações, acabando por personalizá-las ainda mais, injectando sangue próprio às palavras que já antes tinham posto ao nosso dispor.