Deputados acrescentam aos nomes alcunhas "Lula" e "Moro"

Presidente do PT vai passar a ser chamada de Gleisi Lula Hoffmann. Rival do antigo presidente muda identificação oficial para Sóstenes Lula Cavalcante. E assim sucessivamente.

A ideia partiu do deputado Léo de Brito, aliás, Léo Lula de Brito. Eleito pelo PT pelo estado do Acre, o parlamentar decidiu juntar ao seu "nome de guerra" político, o do antigo presidente, preso no fim de semana, em sinal de homenagem e de protesto. Propôs a ideia em reunião parlamentar aos colegas de partido e de um momento para o outro já 22 deputados incluíam o nome "Lula" no meio. A iniciativa chegou ao Senado, a casa onde trabalha Gleisi Hoffmann, presidente nacional do PT, hoje conhecida por Gleisi Lula Hoffmann.

Os opositores a Lula não quiseram ficar atrás. Sóstenes Cavalcante, do DEM, agora será conhecido como Sóstenes Moro Cavalcante, aludindo ao juiz da Lava-Jato Sergio Moro, que condenou o antigo presidente. Anunciou a medida em plenário, enquanto cortava um pedaço de mortadela - "mortadela" é como são conhecidos os manifestantes de esquerda ligados ao PT, enquanto aos de direita chamam-lhes "coxinhas".

A reboque da ideia, o deputado Capitão Augusto, do PR, protocolou pedido de mudança de nome para Capitão Augusto Bolsonaro.

Todos os pedidos foram enviados formalmente a Eunício de Oliveira (MDB) e Rodrigo Maia (DEM), respetivamente presidentes do Senado e da Câmara dos Deputados.

Qualquer político eleito ou apenas candidato pode usar o nome que pretender no Brasil, o que suscita denominações curiosas. A exceção é para os candidatos à presidência da República, proibidos por lei de utilizarem petit noms. O próprio Lula, por exemplo, cujo nome de batismo é apenas Luiz Inácio da Silva, teve de juntar "Lula", diminutivo de Luiz, ao nome em cartório, para poder candidatar-se sob essa denominação. O mesmo se passou com Maria Osmarina da Silva, que passou a chamar-se Maria Osmarina Marina Silva para concorrer como Marina Silva, ou José Ribamar de Araújo Costa, que juntou Sarney, o nome próprio do pai, ao seu nome.

São Paulo

Ler mais

Exclusivos

Premium

nuno camarneiro

Uma aldeia no centro da cidade

Os vizinhos conhecem-se pelos nomes, cultivam hortas e jardins comunitários, trocam móveis a que já não dão uso, organizam almoços, jogos de futebol e até magustos, como aconteceu no sábado passado. Não estou a descrever uma aldeia do Minho ou da Beira Baixa, tampouco uma comunidade hippie perdida na serra da Lousã, tudo isto acontece em plena Lisboa, numa rua com escadinhas que pertence ao Bairro dos Anjos.

Premium

Rui Pedro Tendinha

O João. Outra vez, o João Salaviza...

Foi neste fim de semana. Um fim de semana em que o cinema português foi notícia e ninguém reparou. Entre ex-presidentes de futebol a serem presos e desmentidos de fake news, parece que a vitória de Chuva É Cantoria na Aldeia dos Mortos, de Renée Nader Messora e João Salaviza, no Festival do Rio, e o anúncio da nomeação de Diamantino, de Daniel Schmidt e Gabriel Abrantes, nos European Film Awards, não deixou o espaço mediático curioso.