Deputados acrescentam aos nomes alcunhas "Lula" e "Moro"

Presidente do PT vai passar a ser chamada de Gleisi Lula Hoffmann. Rival do antigo presidente muda identificação oficial para Sóstenes Lula Cavalcante. E assim sucessivamente.

A ideia partiu do deputado Léo de Brito, aliás, Léo Lula de Brito. Eleito pelo PT pelo estado do Acre, o parlamentar decidiu juntar ao seu "nome de guerra" político, o do antigo presidente, preso no fim de semana, em sinal de homenagem e de protesto. Propôs a ideia em reunião parlamentar aos colegas de partido e de um momento para o outro já 22 deputados incluíam o nome "Lula" no meio. A iniciativa chegou ao Senado, a casa onde trabalha Gleisi Hoffmann, presidente nacional do PT, hoje conhecida por Gleisi Lula Hoffmann.

Os opositores a Lula não quiseram ficar atrás. Sóstenes Cavalcante, do DEM, agora será conhecido como Sóstenes Moro Cavalcante, aludindo ao juiz da Lava-Jato Sergio Moro, que condenou o antigo presidente. Anunciou a medida em plenário, enquanto cortava um pedaço de mortadela - "mortadela" é como são conhecidos os manifestantes de esquerda ligados ao PT, enquanto aos de direita chamam-lhes "coxinhas".

A reboque da ideia, o deputado Capitão Augusto, do PR, protocolou pedido de mudança de nome para Capitão Augusto Bolsonaro.

Todos os pedidos foram enviados formalmente a Eunício de Oliveira (MDB) e Rodrigo Maia (DEM), respetivamente presidentes do Senado e da Câmara dos Deputados.

Qualquer político eleito ou apenas candidato pode usar o nome que pretender no Brasil, o que suscita denominações curiosas. A exceção é para os candidatos à presidência da República, proibidos por lei de utilizarem petit noms. O próprio Lula, por exemplo, cujo nome de batismo é apenas Luiz Inácio da Silva, teve de juntar "Lula", diminutivo de Luiz, ao nome em cartório, para poder candidatar-se sob essa denominação. O mesmo se passou com Maria Osmarina da Silva, que passou a chamar-se Maria Osmarina Marina Silva para concorrer como Marina Silva, ou José Ribamar de Araújo Costa, que juntou Sarney, o nome próprio do pai, ao seu nome.

São Paulo

Ler mais

Exclusivos

Premium

Pedro Lains

Compreender Marques Mendes

Em Portugal, há recorrentemente espaço televisivo para políticos no activo comentarem notícias generalistas, uma especificidade no mundo desenvolvido. Trata-se de uma original mistura entre comentário político e espaço noticioso. Foquemos o caso mais saliente dos dias que correm para tentar perceber a razão dessa peculiaridade nacional. A conclusão é que ela não decorre da ignorância das audiências, da falta de especialistas sobre os temas comentados, ou da inexistência de jornalistas capazes. A principal razão é que este tipo de comentário serve acima de tudo uma forma de fazer política.