Deportação de mãe e filha cancelada quando já estavam no voo de regresso a El Salvador

Foi em pleno voo de regresso a El Salvador que a deportação de uma mãe e filha foi cancelada. O juiz federal ordenou o regresso das duas mulheres aos EUA. Depois de aterrar, o avião voltou ao ponto de partida. O procurador-geral Jeff Sessions pode ser acusado de respeito ao tribunal

Mãe e filha já estavam de regresso a El Salvador quando a decisão foi tomada. O juiz federal cancelou a deportação e ordenou o regresso das duas mulheres em pleno voo com destino ao país da América Central. Assim que chegaram ao aeroporto, não desembarcaram e voltaram aos EUA cumprindo assim a ordem judicial.

A situação insólita aconteceu quando o juiz do Tribunal Distrital de Washington, Emmet Sullivan, foi informado durante uma audiência que a administração de Donald Trump tinha dado ordens para que mãe e filha fossem colocadas num voo de deportação com destino a El Salvador.

As duas mulheres fazem parte de um grupo de 12 pessoas que interpuseram uma ação judicial, apresentada pela União Americana pelas Liberdades Civis (ACLU na sigla inglesa), contra as alterações políticas de asilo, ordenadas pelo procurador-geral de Justiça, Jeff Sessions, disse a própria organização, citada pela Reuters.

Juiz considerou a decisão ultrajante e procurador-geral pode ser acusado de desrespeito ao tribunal

Durante a audiência no tribunal, o juiz, segundo a BBC, terá dito que foi inaceitável a decisão de ordenar o regresso das duas mulheres quando os seus advogados estavam a tratar do pedido de asilo.

Mais! De acordo com a ACLU, o magistrado também afirmou que o procurador-geral Jeff Sessions pode ser acusado de desrespeito ao tribunal, uma vez que o pedido de asilo de mãe e filha ainda está a ser analisado pela justiça.

A mãe terá ido para os EUA para fugir de ameaças de morte de um gang de El Salvador

"Ultrajante" disse o juiz federal quando soube que as duas mulheres já estavam de regresso a El Salvador, tendo ordenado que as duas voltassem aos EUA de imediato. E foi o que aconteceu.

"Cumprindo a ordem do tribunal, e na chegada a El Salvador, as queixosas não desembarcaram e estão de regresso aos Estados Unidos", disse, em comunicado, um funcionário do Departamento de Segurança Interna na quinta-feira.

Durante a referida audição, o juiz federal ordenou uma estadia temporária às 12 pessoas, as nove mulheres e três crianças que requereram asilo aos EUA. Mãe e filha estarão agora no Texas a aguardar pelo desfecho do seu caso. De acordo com a BBC, a mãe, identificada como "Carmen", chegou aos EUA para fugir do abuso sexual perpetuado pelo marido há duas décadas e das ameaças de morte de um gangue de El Salvador.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Anselmo Borges

Globalização e ética global

1. Muitas das graves convulsões sociais em curso têm na sua base a globalização, que arrasta consigo inevitavelmente questões gigantescas e desperta paixões que nem sempre permitem um debate sereno e racional. Hans Küng, o famoso teólogo dito heterodoxo, mas que Francisco recuperou, deu um contributo para esse debate, que assenta em quatro teses. Segundo ele, a globalização é inevitável, ambivalente (com ganhadores e perdedores), e não calculável (pode levar ao milagre económico ou ao descalabro), mas também - e isto é o mais importante - dirigível. Isto significa que a globalização económica exige uma globalização no domínio ético. Impõe-se um consenso ético mínimo quanto a valores, atitudes e critérios, um ethos mundial para uma sociedade e uma economia mundiais. É o próprio mercado global que exige um ethos global, também para salvaguardar as diferentes tradições culturais da lógica global e avassaladora de uma espécie de "metafísica do mercado" e de uma sociedade de mercado total.