Depois do Texas, Trump decreta estado de emergência no Louisiana

O presidente norte-americano, Donald Trump, decretou hoje o estado de emergência federal no Louisiana, estado para onde se dirige a tempestade Harvey, que deixou a cidade de Houston debaixo de água.

A declaração de emergência abrange inicialmente cinco paróquias do Louisiana: Beauregard, Calcasieeu, Cameron, Jefferson Davis e Vermillion.

A medida permite que as operações de emergência relativas ao Harvey sejam coordenadas nesses locais pela agência federal de gestão de emergências, FEMA, segundo um comunicado da Casa Branca.

A declaração de emergência implica também que o governo federal cubra 75% do custo de algumas medidas de proteção.

O governador do Louisiana, John Bel Edwards, referiu a necessidade de equipamento de busca e salvamento, assim como abrigos, especialmente no sudoeste do estado, onde os meteorologistas preveem a queda de 25 a 50 centímetros de chuva por metro quadrado.

Donald Trump decretou o estado de emergência federal no Texas na sexta-feira à noite.

O Harvey tocou terra na madrugada de sábado, na costa do Texas, como furacão de categoria 4, numa escala de cinco, perdeu força nas primeiras horas e tornou-se uma tempestade tropical.

No Texas, chuvas muito intensas provocaram inundações em várias localidades, nomeadamente em Houston, quarta maior cidade dos Estados Unidos, com cerca de dois milhões de habitantes.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ricardo Paes Mamede

Legalização da canábis, um debate sóbrio 

O debate público em Portugal sobre a legalização da canábis é frequentemente tratado com displicência. Uns arrumam rapidamente o assunto como irrelevante; outros acusam os proponentes de usarem o tema como mera bandeira política. Tais atitudes fazem pouco sentido, por dois motivos. Primeiro, a discussão sobre o enquadramento legal da canábis está hoje em curso em vários pontos do mundo, não faltando bons motivos para tal. Segundo, Portugal tem bons motivos e está em boas condições para fazer esse caminho. Resta saber se há vontade.

Premium

nuno camarneiro

É Natal, é Natal

A criança puxa a mãe pela manga na direcção do corredor dos brinquedos. - Olha, mamã! Anda por aqui, anda! A mãe resiste. - Primeiro vamos ao pão, depois logo se vê... - Mas, oh, mamã! A senhora veste roupas cansadas e sapatos com gelhas e calos, as mãos são de empregada de limpeza ou operária, o rosto é um retrato de tristeza. Olho para o cesto das compras e vejo latas de atum, um quilo de arroz e dois pacotes de leite, tudo de marca branca. A menina deixa-se levar contrariada, os olhos fixados nas cores e nos brilhos que se afastam. - Depois vamos, não vamos, mamã? - Depois logo se vê, filhinha, depois logo se vê...