Menos dinheiro para o muro, mas Trump insiste: "Vamos construí-lo"

Na segunda-feira, perante uma nova ameaça de shutdown o presidente dos EUA avisou que não ia desistir do muro. Mas já há um princípio de acordo entre democratas e republicanos.

Democratas e Republicanos alcançaram um princípio de acordo sobre o muro que o presidente dos Estados Unidos reivindica na fronteira com o México, mas cuja verba está longe daquela reclamada por Donald Trump. Na segunda-feira, perante uma nova ameaça de shutdown (congelamento de verbas por falta de votação do Orçamento no Congresso norte-americano), o presidente dos EUA avisou que não ia desistir do muro: "Vamos construí-lo de qualquer maneira."

Representantes dos dois partidos, segundo fontes citadas pelas agências noticiosas Associated Press (AP) e Efe, terão chegado a um entendimento provisório que prevê uma verba próxima dos 1,3 mil milhões de dólares (1,2 mil milhões de euros) para construir 88,5 quilómetros de muro, longe dos 5,7 mil milhões exigidos pelo Presidente norte-americano e que motivaram a maior paralisação parcial dos serviços federais nos EUA ('shutdown'), que durou 35 dias.

Trump disse aos seus apoiantes em El Paso que o seu Governo já construiu "uma grande parte" do muro e que agora quer "terminar" e "rápido" aquela infraestrutura.

Contudo, a verba de 1,6 mil milhões de dólares que Trump conseguiu obter do Congresso em 2017 está a ser investida no reforço de estruturas já existentes e não para estender a vedação ao longo da fronteira.

O acordo prevê uma vedação de metal ou outros tipos de novas cercas, não uma parede betão. A vedação será construída no Vale do Rio Grande, no Texas, e o pacto inclui um montante destinado a garantir outras medidas de segurança, incluindo uma triagem avançada na entrada na fronteira, noticia a AP.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ferreira Fernandes

A Europa, da gasolina lusa ao palhaço ucraniano

Estamos assim, perdidos algures entre as urnas eleitorais e o comando da televisão. As urnas estão mortas e o nosso comando não é nenhum. Mas, ao menos, em advogado de Maserati que conduz sindicalistas podíamos não ver matéria de gente rija como cornos. Matéria perigosa, sim. Em Portugal como mais a leste. Segue o relato longínquo para vermos perto.Ontem, defrontaram-se os dois candidatos a presidir a Ucrânia. Não é assunto irrelevante apesar de vivermos no outro extremo da Europa. Afinal, num canto ainda mais a leste daquele país há uma guerra civil meio instigada pelos russos - e hoje sabemos, como não sabíamos ainda há pouco, que as guerras de anteontem podem voltar.

Premium

Marisa Matias

Greta Thunberg

A Antonia estava em Estrasburgo e aproveitou para vir ao Parlamento assistir ao discurso da Greta Thunberg, que para ela é uma heroína. A menina de 7 ou 8 anos emocionou-se quando a Greta se emocionou e não descolou os olhos enquanto ela falava. Quando, no final do discurso, se passou à ronda dos grupos parlamentares, a Antonia perguntou se podia sair. Disse que tinha entendido tudo o que a Greta tinha dito, mas que lhe custava estar ali porque não percebia nada do que diziam as pessoas que estavam agora a falar. Poucos minutos antes de a Antonia ter pedido para sair, eu tinha comentado com a minha colega Jude, com quem a Antonia estava, que me envergonhava a forma como os grupos parlamentares estavam a dirigir-se a Greta.

Premium

Margarida Balseiro Lopes

O governo continua a enganar os professores

Nesta semana o Parlamento debateu as apreciações ao decreto-lei apresentado pelo governo, relativamente à contagem do tempo de carreira dos professores. Se não é novidade para este governo a contestação social, também não é o tema da contagem do tempo de carreira dos professores, que se tem vindo a tornar um dos mais flagrantes casos de incompetência política deste executivo, com o ministro Tiago Brandão Rodrigues à cabeça.