Demitidos mais 2.560 membros do clero muçulmano na Turquia

Já foram despedidos dezenas de milhares de funcionários desde a tentativa de golpe de Estado

A Direção dos assuntos religiosos (Diyanet), poderosa instituição pública turca, anunciou esta terça-feira o despedimento de 2.560 empregados no âmbito da vasta purga que decorre no país desde o fracassado golpe militar, que Ancara associa ao teólogo Fethullah Gülen.

O ex-imã que se exilou nos Estados Unidos em 1999 é acusado de ter organizado a tentativa de golpe de Estado de 15 de julho e a Turquia pede a sua extradição.

Estas 2.560 pessoas juntam-se aos 1.112 empregados da Diyanet que já foram afastados das suas funções, indicou o organismo.

"As comissões criadas para esse efeito (excluir os alegados simpatizantes de Gülen) fazem um trabalho rigoroso", acrescenta um comunicado.

A Diyanet, ligada diretamente ao primeiro-ministro, foi instituída para assegurar o controlo do islão sunita, a corrente do islão predominante na Turquia, e é criticada pelos laicos por promover um tratamento discriminatório de outras correntes muçulmanas, em particular a minoria alevi, uma derivação do islão xiita.

Os ministros do culto muçulmano sunita são funcionários pagos pelo Estado. A Diyanet emprega mais de 100.000 funcionários e o seu orçamento é considerável, ultrapassando o concedido a diversos ministérios, incluindo a Saúde.

Dezenas de milhares de funcionários foram destituídos desde o abortado golpe de Estado e após terem sido acusados de ligações ao ex-imã e dirigente da poderosa organização Hizmet (Serviço). A purga visou designadamente o exército, justiça, 'media' e o ensino.

Cerca de 16.000 pessoas foram indicadas e estão detidas, enquanto outras 6.000 permanecem em detenção provisória, referiu hoje o ministro da Justiça, Bekir Bozdag.

Ler mais

Exclusivos

Premium

João Gobern

País com poetas

Há muito para elogiar nos que, sem perspectivas de lucro imediato, de retorno garantido, de negócio fácil, sabem aproveitar - e reciclar - o património acumulado noutras eras. Ora, numa fase em que a Poesia se reergue, muitas vezes por vias "alternativas", de esquecimentos e atropelos, merece inteiro destaque a iniciativa da editora Valentim de Carvalho, que decidiu regressar, em edições "revistas e aumentadas", ao seu magnífico espólio de gravações de poetas. Originalmente, na colecção publicada entre 1959 e 1975, o desafio era grande - cabia aos autores a responsabilidade de dizerem as suas próprias criações, acabando por personalizá-las ainda mais, injectando sangue próprio às palavras que já antes tinham posto ao nosso dispor.