Deixou o carro no parque de estacionamento quase nove anos. Tem a pagar 28 mil euros

Mulher nunca deu sinais de querer recuperar a viatura e não compareceu durante todo o processo judicial

Uma espanhola acumulou uma dívida de 28 mil euros por ter deixado o carro num parque subterrâneo em Palma de Maiorca durante cerca de nove anos. Desde o dia 24 de março de 2009 que a viatura estava no parque, perto de uma zona de tribunais, num dos melhores lugares do estacionamento, segundo o jornal El País.

Na semana passada, uma grua removeu o carro do local após um processo judicial que se arrastou durante nove anos, depois de a empresa que detém a concessão do parque ter acionado os meios legais, sem nunca obter resposta da mulher em questão.

A queixa foi apresentada em 2012, quando a multa já era superior a 21,6 mil euros, explica o El País. A mulher, no entanto, nunca respondeu à empresa, ao tribunal, e nem sequer compareceu no dia do julgamento, o que fez com que o processo demorasse ainda mais.

Foi um ano depois, em 2013, que um juiz condenou a mulher a pagar 28 mil euros, o valor que à altura devia aos donos do parque de estacionamento. A constante ausência em todo o processo a dona do carro - um Volvo azul - levou a que os prazos e o processo se fossem arrastando.

Tudo ficou adiado até 2017, ano em que o tribunal "deu" o carro à empresa que gere o parque de estacionamento, no qual existem casos semelhantes, que envolvem carros que foram deixados no local "apenas" vários meses. Nestas situações, foi possível chegar a acordo com os donos das viaturas para pagarem parte das suas dívidas. A dona do Volvo azul, no entanto, nunca deu sinais de querer o carro.

Ler mais

Exclusivos

Premium

nuno camarneiro

Uma aldeia no centro da cidade

Os vizinhos conhecem-se pelos nomes, cultivam hortas e jardins comunitários, trocam móveis a que já não dão uso, organizam almoços, jogos de futebol e até magustos, como aconteceu no sábado passado. Não estou a descrever uma aldeia do Minho ou da Beira Baixa, tampouco uma comunidade hippie perdida na serra da Lousã, tudo isto acontece em plena Lisboa, numa rua com escadinhas que pertence ao Bairro dos Anjos.

Premium

Rui Pedro Tendinha

O João. Outra vez, o João Salaviza...

Foi neste fim de semana. Um fim de semana em que o cinema português foi notícia e ninguém reparou. Entre ex-presidentes de futebol a serem presos e desmentidos de fake news, parece que a vitória de Chuva É Cantoria na Aldeia dos Mortos, de Renée Nader Messora e João Salaviza, no Festival do Rio, e o anúncio da nomeação de Diamantino, de Daniel Schmidt e Gabriel Abrantes, nos European Film Awards, não deixou o espaço mediático curioso.