Deixou o carro no parque de estacionamento quase nove anos. Tem a pagar 28 mil euros

Mulher nunca deu sinais de querer recuperar a viatura e não compareceu durante todo o processo judicial

Uma espanhola acumulou uma dívida de 28 mil euros por ter deixado o carro num parque subterrâneo em Palma de Maiorca durante cerca de nove anos. Desde o dia 24 de março de 2009 que a viatura estava no parque, perto de uma zona de tribunais, num dos melhores lugares do estacionamento, segundo o jornal El País.

Na semana passada, uma grua removeu o carro do local após um processo judicial que se arrastou durante nove anos, depois de a empresa que detém a concessão do parque ter acionado os meios legais, sem nunca obter resposta da mulher em questão.

A queixa foi apresentada em 2012, quando a multa já era superior a 21,6 mil euros, explica o El País. A mulher, no entanto, nunca respondeu à empresa, ao tribunal, e nem sequer compareceu no dia do julgamento, o que fez com que o processo demorasse ainda mais.

Foi um ano depois, em 2013, que um juiz condenou a mulher a pagar 28 mil euros, o valor que à altura devia aos donos do parque de estacionamento. A constante ausência em todo o processo a dona do carro - um Volvo azul - levou a que os prazos e o processo se fossem arrastando.

Tudo ficou adiado até 2017, ano em que o tribunal "deu" o carro à empresa que gere o parque de estacionamento, no qual existem casos semelhantes, que envolvem carros que foram deixados no local "apenas" vários meses. Nestas situações, foi possível chegar a acordo com os donos das viaturas para pagarem parte das suas dívidas. A dona do Volvo azul, no entanto, nunca deu sinais de querer o carro.

Ler mais

Exclusivos

Premium

João Gobern

País com poetas

Há muito para elogiar nos que, sem perspectivas de lucro imediato, de retorno garantido, de negócio fácil, sabem aproveitar - e reciclar - o património acumulado noutras eras. Ora, numa fase em que a Poesia se reergue, muitas vezes por vias "alternativas", de esquecimentos e atropelos, merece inteiro destaque a iniciativa da editora Valentim de Carvalho, que decidiu regressar, em edições "revistas e aumentadas", ao seu magnífico espólio de gravações de poetas. Originalmente, na colecção publicada entre 1959 e 1975, o desafio era grande - cabia aos autores a responsabilidade de dizerem as suas próprias criações, acabando por personalizá-las ainda mais, injectando sangue próprio às palavras que já antes tinham posto ao nosso dispor.