Defensores dos animais querem que Decathlon deixe de vender artigos para caça

Na véspera do início da época de caça no sul de França, mais de 27 mil pessoas já assinaram uma petição online a exigir à empresa para fechar o departamento de venda de produtos para caça nas suas lojas

Organizações francesas de defesa dos direitos dos animais estão a promover uma petição onlinea exigir que a Decathlon feche as áreas que tem nas suas lojas onde se podem comprar artigos para a caça como, por exemplo, cartuchos. Ao início da tarde desta sexta-feira a petição já tinha mais de 27 mil assinaturas.

Pierre Rigaux, administrador da sociedade francesa para o estudo e proteção dos mamíferos (SFEPM), acusa a empresa de venda de material desportivo de colocar os produtos para a caça "à disposição de pessoas que não são caçadores e que frequentam as lojas, especialmente crianças".

"A nível ético não me parece aceitável que uma marca desportiva destinada às famílias promova uma atividade que mata animais por prazer", disse Pierre Rigaux.

Questionado pelo Le Parisien , também o presidente da Liga para a Proteção das Aves criticou a existência de espaços nas lojas da Decathlon destinadas a este tipo de produtos. Yves Verilhac lembrou que "existem lojas especializadas", mas reconheceu que "não podemos proibir uma loja, seja ela qual for, de ter um departamento de caça ou pesca".

Já a federação de caçadores da região de Indre (centro de França) recorda que a "caça é uma atividade legal e faz parte da nossa cultura". O presidente da associação, Gérard Génichon, diz ser "um absurdo que um grupo de pressão esteja a tentar impedir uma loja de vender alguns produtos. É um absurdo e uma violação da liberdade de comércio".

Contactada pelo diário francês, a empresa adiantou que não iria comentar o pedido para serem retiradas as áreas de venda de artigos para a caça.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Nuno Artur Silva

Notícias da frente da guerra

Passaram cem anos do fim da Primeira Guerra Mundial. Foi a data do Armistício assinado entre os Aliados e o Império Alemão e do cessar-fogo na Frente Ocidental. As hostilidades continuaram ainda em outras regiões. Duas décadas depois, começava a Segunda Guerra Mundial, "um conflito militar global (...) Marcado por um número significativo de ataques contra civis, incluindo o Holocausto e a única vez em que armas nucleares foram utilizadas em combate, foi o conflito mais letal da história da humanidade, resultando entre 50 e mais de 70 milhões de mortes" (Wikipédia).

Premium

nuno camarneiro

Uma aldeia no centro da cidade

Os vizinhos conhecem-se pelos nomes, cultivam hortas e jardins comunitários, trocam móveis a que já não dão uso, organizam almoços, jogos de futebol e até magustos, como aconteceu no sábado passado. Não estou a descrever uma aldeia do Minho ou da Beira Baixa, tampouco uma comunidade hippie perdida na serra da Lousã, tudo isto acontece em plena Lisboa, numa rua com escadinhas que pertence ao Bairro dos Anjos.

Premium

Rui Pedro Tendinha

O João. Outra vez, o João Salaviza...

Foi neste fim de semana. Um fim de semana em que o cinema português foi notícia e ninguém reparou. Entre ex-presidentes de futebol a serem presos e desmentidos de fake news, parece que a vitória de Chuva É Cantoria na Aldeia dos Mortos, de Renée Nader Messora e João Salaviza, no Festival do Rio, e o anúncio da nomeação de Diamantino, de Daniel Schmidt e Gabriel Abrantes, nos European Film Awards, não deixou o espaço mediático curioso.