Defensores dos animais querem que Decathlon deixe de vender artigos para caça

Na véspera do início da época de caça no sul de França, mais de 27 mil pessoas já assinaram uma petição online a exigir à empresa para fechar o departamento de venda de produtos para caça nas suas lojas

Organizações francesas de defesa dos direitos dos animais estão a promover uma petição onlinea exigir que a Decathlon feche as áreas que tem nas suas lojas onde se podem comprar artigos para a caça como, por exemplo, cartuchos. Ao início da tarde desta sexta-feira a petição já tinha mais de 27 mil assinaturas.

Pierre Rigaux, administrador da sociedade francesa para o estudo e proteção dos mamíferos (SFEPM), acusa a empresa de venda de material desportivo de colocar os produtos para a caça "à disposição de pessoas que não são caçadores e que frequentam as lojas, especialmente crianças".

"A nível ético não me parece aceitável que uma marca desportiva destinada às famílias promova uma atividade que mata animais por prazer", disse Pierre Rigaux.

Questionado pelo Le Parisien , também o presidente da Liga para a Proteção das Aves criticou a existência de espaços nas lojas da Decathlon destinadas a este tipo de produtos. Yves Verilhac lembrou que "existem lojas especializadas", mas reconheceu que "não podemos proibir uma loja, seja ela qual for, de ter um departamento de caça ou pesca".

Já a federação de caçadores da região de Indre (centro de França) recorda que a "caça é uma atividade legal e faz parte da nossa cultura". O presidente da associação, Gérard Génichon, diz ser "um absurdo que um grupo de pressão esteja a tentar impedir uma loja de vender alguns produtos. É um absurdo e uma violação da liberdade de comércio".

Contactada pelo diário francês, a empresa adiantou que não iria comentar o pedido para serem retiradas as áreas de venda de artigos para a caça.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Daniel Deusdado

"Petróleo, não!" Nesta semana já estivemos perto

1. Uma coisa é termos uma vaga ideia de quão estupidamente dependemos dos combustíveis fósseis. Outra, vivê-la em concreto. Obrigado aos grevistas. A memória perdida sobre o "petróleo" voltou. Ficou a nu que temos de fugir dos senhores feudais do Médio Oriente, das oligopolísticas, campanhas energéticas com preços afinados ao milésimo de euro e, finalmente, deste tipo de sindicatos e associações patronais com um poder absolutamente desproporcionado.