Declarações de Trump sobre a NATO são preocupantes

Presidente eleito afirmou que a NATO é uma organização obsoleta.

O ministro dos Negócios Estrangeiros alemão Frank-Walter Steinmeier disse hoje que existe "preocupação" sobre as posições do presidente eleito dos Estados Unidos, Donald Trump, que afirmou que a NATO é uma organização obsoleta.

Steinmeir, que participa na reunião dos ministros dos Negócios Estrangeiros da União Europeia, em Bruxelas, disse que se encontrou hoje com o secretário-geral da Aliança Atlântica, Jens Stoltenberg.

"As declarações do presidente eleito (Donald Trump) foram recebidas com preocupação", adiantou o chefe da diplomacia de Berlim.

"As declarações contradizem as afirmações do responsável pela Defesa dos Estados Unidos", acrescentou Steinmeir referindo-se ao encontro mantido na semana passada com a Administração norte-americana, em Washington.

As declarações de Donald Trump, após a publicação de várias entrevistas a jornais europeus no domingo, foram interpretadas como uma aproximação ao presidente russo, Vladimir Putin.

Ao mesmo tempo, Trump voltou a criticar a Aliança Atlântica.

"Já disse há muito tempo que a NATO tem problemas", disse o presidente eleito dos Estados Unidos numa entrevista publicada no The Times, no Reino Unido, e no Bild, na Alemanha.

"Em primeiro lugar, (a NATO) é obsoleta porque foi delineada há muitos anos. Em segundo lugar, os países não estão a desempenhar o papel que devem cumprir", disse Trump nas entrevistas publicadas no domingo.

Steinmeir acrescentou que os comentários de Trump surpreenderam os ministros dos Negócios Estrangeiros que se reúnem hoje em Bruxelas.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Anselmo Crespo

E uma moção de censura à oposição?

Nos últimos três anos, o governo gozou de um privilégio raro em democracia: a ausência quase total de oposição. Primeiro foi Pedro Passos Coelho, que demorou a habituar-se à ideia de que já não era primeiro-ministro e decidiu comportar-se como se fosse um líder no exílio. Foram dois anos em que o principal partido da oposição gritou, esperneou e defendeu o indefensável, mesmo quando já tinha ficado sem discurso. E foi nas urnas que o país mostrou ao PSD quão errada estava a sua estratégia. Só aí é que o partido decidiu mudar de líder e de rumo.