Debaixo de fogo, Bannon recua nos comentários sobre filho de Trump

"Donald Trump, Jr. é um patriota e um bom homem", diz agora Bannon

Steve Bannon, o antigo conselheiro e estratega do presidente Donald Trump, recuou nos comentários que tinha feito sobre o filho do líder norte-americano. Isto é, Bannon diz agora que os comentários que lhe são atribuídos no livro Fire and Fury, de Michael Wolff, não eram dirigidos a Donald Trump Jr..

Bannon, que foi afastado da administração Trump em agosto, é citado no livro, afirmando que a reunião de Donald Trump Jr. com uma advogada russa em junho de 2016 foi uma "traição" e "antipatriótica".

O presidente Trump reagiu dizendo que Bannon tinha perdido a cabeça, e a Casa Branca sugeriu mesmo que o site da chamada direita alternativa Breitbart News devia afastá-lo.

"Donald Trump, Jr. é um patriota e um bom homem. Tem sido incansável na defesa da agenda do seu pai que ajudou a dar a volta a este país", disse Bannon num comunicado emitido hoje, acrescentando que os seus comentários eram dirigidos ao diretor de campanha Paul Manafort e não ao filho de Trump.

Bannon lamentou ainda que a sua demora na resposta ao que considera ser um relato impreciso sobre Don Jr. "tenha desviado a atenção dos feitos históricos do presidente no primeiro ano de mandato".

Ler mais

Exclusivos

Premium

João Almeida Moreira

Bolsonaro, curiosidade ou fúria

Perante um fenómeno que nos pareça ultrajante podemos ter uma de duas atitudes: ficar furiosos ou curiosos. Como a fúria é o menos produtivo dos sentimentos, optemos por experimentar curiosidade pela ascensão de Jair Bolsonaro, o candidato de extrema-direita do PSL em quem um em cada três eleitores brasileiros vota, segundo sondagem de segunda-feira do banco BTG Pactual e do Instituto FSB, apesar do seu passado (e presente) machista, xenófobo e homofóbico.