Debaixo de fogo, Bannon recua nos comentários sobre filho de Trump

"Donald Trump, Jr. é um patriota e um bom homem", diz agora Bannon

Steve Bannon, o antigo conselheiro e estratega do presidente Donald Trump, recuou nos comentários que tinha feito sobre o filho do líder norte-americano. Isto é, Bannon diz agora que os comentários que lhe são atribuídos no livro Fire and Fury, de Michael Wolff, não eram dirigidos a Donald Trump Jr..

Bannon, que foi afastado da administração Trump em agosto, é citado no livro, afirmando que a reunião de Donald Trump Jr. com uma advogada russa em junho de 2016 foi uma "traição" e "antipatriótica".

O presidente Trump reagiu dizendo que Bannon tinha perdido a cabeça, e a Casa Branca sugeriu mesmo que o site da chamada direita alternativa Breitbart News devia afastá-lo.

"Donald Trump, Jr. é um patriota e um bom homem. Tem sido incansável na defesa da agenda do seu pai que ajudou a dar a volta a este país", disse Bannon num comunicado emitido hoje, acrescentando que os seus comentários eram dirigidos ao diretor de campanha Paul Manafort e não ao filho de Trump.

Bannon lamentou ainda que a sua demora na resposta ao que considera ser um relato impreciso sobre Don Jr. "tenha desviado a atenção dos feitos históricos do presidente no primeiro ano de mandato".

Ler mais

Exclusivos

Premium

Adriano Moreira

O relatório do Conselho de Segurança

A Carta das Nações Unidas estabelece uma distinção entre a força do poder e o poder da palavra, em que o primeiro tem visibilidade na organização e competências do Conselho de Segurança, que toma decisões obrigatórias, e o segundo na Assembleia Geral que sobretudo vota orientações. Tem acontecido, e ganhou visibilidade no ano findo, que o secretário-geral, como mais alto funcionário da ONU e intervenções nas reuniões de todos os Conselhos, é muitas vezes a única voz que exprime o pensamento da organização sobre as questões mundiais, a chamar as atenções dos jovens e organizações internacionais, públicas e privadas, para a necessidade de fortalecer ou impedir a debilidade das intervenções sustentadoras dos objetivos da ONU.