De volta à casa de partida: novo governo catalão quer diálogo e independência

Executivo toma posse mais de cinco meses após eleições e depois de o novo presidente deixar cair os nomes dos políticos a contas com a justiça. Quim Torra deseja conversar com Pedro Sánchez, mas não abdica do secessionismo

O presidente da Generalitat, Quim Torra, apelou ao novo primeiro-ministro espanhol, Pedro Sánchez, para abrir um novo capítulo nas relações entre Madrid e Barcelona, mas o primeiro gesto do novo governo foi o de exibir uma faixa a pedir a liberdade dos "presos políticos". As declarações coincidiram com as tomadas de posse do governo espanhol e catalão. O primeiro resulta da moção de censura votada na sexta--feira no Parlamento espanhol, o segundo mais de cinco meses depois das eleições regionais.

"Primeiro-ministro Pedro Sánchez, falemos, tomemos conta do problema, assumamos riscos, você e eu", disse Torra, alguns minutos depois de o socialista ter prestado juramento em Madrid. "Nós temos de nos sentar na mesma mesa e negociar, de governo para governo. A situação em que nos encontramos não pode continuar, nem mais um dia."

Apesar de ter apelado para o diálogo, não se pense, contudo, que Torra tenha apresentado um discurso conciliador para com o poder central. Primeiro, ao delinear como objetivo a restituição do governo anterior à instauração do artigo 155.º da Constituição espanhola. Depois, ao lembrar o resultado do referendo (ilegal) sobre a independência da Catalunha, que se realizou em 1 de outubro, para reafirmar o compromisso de "criar um Estado independente em forma de república", e que foi "revalidado nas eleições de 21 de dezembro".

"Acaba-se o 155.º sem euforia porque estamos muito longe de onde queremos estar", disse ainda.

Por fim, Torra prometeu um "governo para todos" seguindo os valores da república para alcançar a "melhoria do bem-estar dos cidadãos". Aos 13 novos conselheiros (o equivalente a ministros), sete homens e seis mulheres, recordou-lhes a responsabilidade no cumprimento do "mandato republicano e democrático" que terá como objetivo uma "república que é a casa de todos".

No início da cerimónia, familiares dos políticos presos - Oriol Junqueras, Jordi Turull, Joaquim Forn, Josep Rull, Raül Romeva, Carme Forcadell - e no estrangeiro - Lluis Puig e Toni Comín - leram as cartas de renúncia aos cargos que Quim Torra pretendia restituir. Um ato simbólico e emotivo, presenciado pelos ex-presidentes Pascual Maragall, José Montilla e Artur Mas. Maragall, de 77 anos, apesar do avançado estado da doença de que padece, não faltou à tomada de posse do irmão Ernest, dois anos mais novo.

Ao lado dos antigos presidentes, um lugar vazio com um laço amarelo em homenagem a Carles Puigdemont, o antecessor de Quim Torra, que aguarda na Alemanha o resultado do processo de extradição.

Madrid recusou o primeiro executivo anunciado em 19 de maio por Torra, que incluía quatro conselheiros presos ou exilados na Bélgica desde a declaração de independência de 27 de outubro.

Mas o presidente catalão divulgou na terça-feira uma nova lista sem a presença desses independentistas e o governo de Mariano Rajoy, num dos últimos atos, deu luz verde na sexta-feira ao novo executivo da Catalunha.

No final da cerimónia em que que os conselheiros juraram cumprir "de acordo com a lei" e "com lealdade ao presidente da Catalunha", o grupo reuniu-se para a primeira reunião - a última do governo catalão realizara-se no dia 24 de outubro.

Na segunda-feira, os novos conselheiros devem ocupar os respetivos gabinetes, ao passo que Torra irá visitar os ex-conselheiros detidos em prisão preventiva. Junqueras e Forn estão no cárcere há sete meses. No final da reunião do novo governo foi afixada uma faixa no balcão do palácio da Generalitat: por baixo da bandeira catalã, pede-se a "liberdade para os presos políticos e exilados", em catalão e em inglês.

"Ato separatista"

Albert Rivera, presidente do Ciudadanos, não perdeu tempo para criticar a cerimónia do novo executivo catalão. "Torra transformou a tomada de posse da presidência de uma região autónoma num ato separatista, ao proclamar Visca Catalunya lliure. A vontade de corrigir é nula, mantém-se o desafio à Constituição e o bipartidarismo decidiu assobiar para o lado", reagiu no Twitter o líder do partido que lidera as sondagens a nível nacional.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Bernardo Pires de Lima

Os europeus ao espelho

O novo equilíbrio no Congresso despertou em Trump reações acossadas, com a imprensa e a investigação ao conluio com o Kremlin como alvos prioritários. Na Europa, houve quem validasse a mesma prática. Do lado democrata, o oxigénio eleitoral obriga agora o partido a encontrar soluções à altura do desafio em 2020, evitando a demagogia da sua ala esquerda. Mais uma vez, na Europa, há quem esteja a seguir a receita com atenção.

Premium

Rogério Casanova

O fantasma na linha de produção

Tal como o desejo erótico, o medo é uma daquelas emoções universais que se fragmenta em inúmeras idiossincrasias no ponto de chegada. Além de ser contextual, depende também muito da maneira como um elemento exterior interage com o nosso repositório pessoal de fobias e atavismos. Isto, pelo menos, em teoria. Na prática (a prática, para este efeito, é definida pelo somatório de explorações ficcionais do "medo" no pequeno e no grande ecrã), a coisa mais assustadora do mundo é aparentemente uma figura feminina magra, de cabelos compridos e desgrenhados, a cambalear aos solavancos na direcção da câmara. Pode parecer redutor, mas as provas acumuladas não enganam: desde que foi popularizada pelo filme Ring em 1998, esta aparição específica marca o ponto em filmes e séries ocidentais com tamanha regularidade que já se tornou uma presença familiar, tão reconfortante como um peluche de infância. É possível que seja a exportação japonesa mais bem-sucedida desde o Toyota Corolla e o circuito integrado.

Premium

Maria do Rosário Pedreira

Adeus, futuro. O fim da intimidade

Pelo facto de dormir no quarto da minha irmã (quase cinco anos mais velha do que eu), tiveram de explicar-me muito cedo por que diabo não a levavam ao hospital (nem sequer ao médico) quando ela gania de tempos a tempos com dores de barriga. Efectivamente, devia ser muito miúda quando a minha mãe me ensinou, entre outras coisas, aquela palavra comprida e feia - "menstruação" - que separava uma simples miúda de uma "mulherzinha" (e nada podia ser mais assustador). Mas tão depressa ma fez ouvir com todas as sílabas como me ordenou que a calasse, porque dizia respeito a um assunto íntimo que não era suposto entrar em conversas, muito menos se fossem com rapazes. (E até me lembro de ter levado uma sapatada na semana seguinte por estar a dizer ao meu irmão para que servia uma embalagem de Modess que ele vira no armário da casa de banho.)