De visita à Ásia, Obama diz adeus à Guerra Fria, de olho na China

Pela 10.ª vez no continente desde que chegou à Casa Branca, o presidente anunciou o fim do embargo à venda de armas ao Vietname, mas ida a Hiroxima na sexta é ponto alto desta visita.

Desde que chegou à Casa Branca em 2009, Barack Obama já protagonizou dez visitas à Ásia. E nunca escondeu que a América olha cada vez mais para os parceiros asiáticos, num esforço para contrariar o poderio da China na região. Prestes a chegar ao fim do segundo mandato, Obama veio anunciar, ontem em Hanói, o fim do embargo à venda de armas ao Vietname, pondo fim a um dos últimos "vestígios da Guerra Fria". Hoje vai falar aos vietnamitas sobre as relações entre os dois países, mas a operação de charme obamiana culmina na sexta-feira com a inédita presença de um presidente americano em Hiroxima, mais de 70 anos após os EUA terem lançado uma bomba atómica sobre a cidade, pondo fim à II Guerra Mundial.

Terceiro presidente americano a visitar o Vietname desde o restabelecimento das relações entre os velhos inimigos em 1995, Obama é o primeiro a ser demasiado novo para ter combatido na guerra que os opôs durante duas décadas, até 1975. Condicionando a venda de armas ao Vietname à melhoria dos direitos humanos, Obama garantiu que o fim do embargo americano "não está relacionado com a China", mas sim com "o desejo de completar um longo processo de normalização das relações".

Na conferência de imprensa com o presidente Tran Dai Quang, Obama sublinhou que a tensão no mar do Sul da China deve ser resolvida "de forma pacífica" e não por quem "tenta mostrar o seu peso por aí". Vizinho da China, o Vietname é um dos países que mais têm contestado - com o Japão e as Filipinas - o facto de Pequim reivindicar a soberania sobre 80% do mar do Sul da China.

Apesar de ter escapado da crise financeira muito melhor do que os EUA e outras grandes potências, a China não deixou de se confrontar com a preocupação das elites com a sustentabilidade do seu modelo de crescimento. E com a economia a desacelerar - no primeiro trimestre de 2016 cresceu 6,7%, abaixo do ano anterior e longe dos dois dígitos que chegou a alcançar, apesar de se situar dentro dos valores esperados por Pequim -, a liderança chinesa não têm hesitado em tomar posições de força no palco mundial. Sobretudo no mar do Sul da China.

Com os EUA a permitirem a venda de equipamento de defesa marítima ao Vietname já desde 2014, com o fim total do embargo, Hanói pode agora comprar drones, radares, navios de patrulha costeira e aviões de vigilância P-3 Orion.

Na China, o apoio dos EUA aos seus vizinhos e rivais no mar do Sul da China é visto como uma ingerência e uma tentativa para estabelecer a hegemonia americana na região. Washington garante querer apenas manter a liberdade de voo e navegação.

Numa visita centrada nos negócios, Obama assinou um acordo de 11,3 mil milhões de dólares para a venda de cem aviões da Boeing que ficarão ao serviço da companhia low-cost VietJet. A China é hoje o principal parceiro comercial do Vietname, mas as trocas comerciais com os EUA são dez vezes maiores do que há dez anos, chegando a 45 mil milhões de dólares.

Hoje Obama tem na agenda encontros com empresários em Ho Chi Minh, a antiga Saigão. E o presidente americano mostrou-se confiante de que vão ser aprovados pelo Congresso. Em Washington, as reações foram, de facto, positivas, com o republicano Bob Corker, presidente da Comissão dos Negócios Estrangeiros do Senado, a garantir que "o Congresso vai trabalhar com a Administração para garantir que esta mudança na política se enquadra nos interesses dos EUA, incluindo no seu apoio aos direitos humanos". Mas a Human Rights Watch não poupou críticas, denunciando as detenções de jornalistas, ativistas e bloggers no Vietname.

Hiroxima

Do Vietname, Obama segue amanhã para Ise-Shima, no Japão, onde vai participar na cimeira do G7. Mas o momento alto da visita do presidente americano está guardado para sexta-feira, quando depositar uma coroa de flores no memorial de Hiroxima, construído em homenagem às mais de 90 mil vítimas da bomba atómica lançada pelos EUA sobre a cidade em agosto de 1945, três dias antes de largarem uma segunda sobre Nagasáqui.

Criticado em casa por desdenhar de algumas das mais antigas alianças dos EUA - seja com a Arábia Saudita ou com parceiros europeus (basta pensar na base das Lajes) -, Obama fez da Ásia prioridade desde o primeiro dia da sua presidência. E tem sabido aproveitar o crescente receio do poderio China para restabelecer relações mesmo com velhos inimigos como o Vietname.

Segundo o Financial Times, esta "viragem" asiática de Obama enfrenta dois desafios: uma China desafiadora e a resistência em Washington face à Parceria Transpacífico, um acordo de comércio livre entre 12 países que precisa de ser aprovado pelo Senado, controlado pelos republicanos. E a que tanto Hillary Clinton como Donald Trump, a favorita democrata e o quase certo candidato republicano às presidenciais de 8 de novembro, se opõem.

E de quem vai ocupar a Casa Branca a partir de janeiro vai depender muito o rumo da política americana para a Ásia. Se Hillary, apesar da oposição ao tratado de comércio livre, deve seguir as pegadas de Obama, com Trump tudo é possível. O milionário já disse, por exemplo, que pretende sentar-se à mesa com o líder norte-coreano, Kim Jong-un, para falar sobre o programa nuclear do país.

Ler mais

Exclusivos

Premium

João Gobern

Tirar a nódoa

São poucas as "fugas", poucos os desvios à honestidade intelectual que irritem mais do que a apropriação do alheio em conluio com a apresentação do mesmo com outra "assinatura". É vulgarmente referido como plágio e, em muitos casos, serve para disfarçar a preguiça, para fintar a falta de inspiração (ou "bloqueio", se preferirem), para funcionar como via rápida para um destino em que parece não importar o património alheio. No meio jornalístico, tive a sorte de me deparar com poucos casos dessa prática repulsiva - e alguns deles até apresentavam atenuantes profundas. Mas também tive o azar de me cruzar, por alguns meses, tempo ainda assim demasiado, com um diretor que tinha amealhado créditos ao publicar como sua uma tese universitária, revertido para (longo) artigo de jornal. A tese e a história "passaram", o diretor foi ficando. Até hoje, porque muitos desconhecem essa nódoa e outros preferiram olhar para o lado enquanto o promoviam.

Premium

Rogério Casanova

Três mil anos de pesca e praia

Parecem cagalhões... Tudo podre, caralho... A minha sanita depois de eu cagar é mais limpa do que isto!" Foi com esta retórica inspiradora - uma montagem de excertos poéticos da primeira edição - que começou a nova temporada de Pesadelo na Cozinha (TVI), versão nacional da franchise Kitchen Nightmares, um dos pontos altos dessa heroica vaga de programas televisivos do início do século, baseados na criativa destruição psicológica de pessoas sem qualquer jeito para fazer aquilo que desejavam fazer - um riquíssimo filão que nos legou relíquias culturais como Gordon Ramsay, Simon Cowell, Moura dos Santos e o futuro Presidente dos Estados Unidos. O formato em apreço é de uma elegante simplicidade: um restaurante em dificuldades pede ajuda a um reputado chefe de cozinha, que aparece no estabelecimento, renova o equipamento e insulta filantropicamente todo o pessoal, num esforço generoso para protelar a inevitável falência durante seis meses, enquanto várias câmaras trémulas o filmam a arremessar frigideiras pela janela ou a pronunciar aos gritos o nome de vários legumes.