De que são feitos os heróis do voo United Airlines 93

O DVD de Voo 93 é vendido com o DN este domingo, dia 11, por mais 4,95 euros. Na sexta-feira, dia 16, 00:30 A Hora Negra acompanha a edição do jornal (pelo mesmo valor)

O voo 93 da United Airlines que saiu do aeroporto de Newark na manhã de 11 de setembro de 2001 ficou para a história. Porque foi uma das armas do ataque concertado feito aos EUA usando civis e aviões e porque seguiam a bordo homens e mulheres que impediram que atingisse o alvo.

Voo 93, realizado por Paul Greengrass em 2006, relata esta viagem que terminou com o Boeing 757 a despenhar-se em Shanksville, na Pensilvânia. Com uma tensão crescente, o relato de Greengrass foca-se no ambiente vivido a bordo do voo 93 da United Airlines, com os passageiros a aperceberem-se aos poucos do que se estava a passar dentro e fora do avião (ao telemóvel com familiares) e conseguindo organizar-se para dominar os sequestradores. Há um crescendo nesta história que, mesmo com o desfecho já conhecido, não deixa o espectador abandonar o ecrã. O voo não atinge o alvo visado pelos sequestradores - segundo a fotografia que acompanha o piloto, o Capitólio, em Washington - e despenha-se durante a luta heroica dos passageiros pelo controlo da aeronave.

É esse filme, nomeado para dois Óscares em 2007 (melhor realizador e montagem), que vai hoje ser vendido com o DN, por mais 4,95 euros.

Na próxima sexta-feira, dia 16, 00:30 A Hora Negra acompanha a edição do jornal (também por mais 4,95 euros). Uma outra evocação do 11 de Setembro, desta vez pela lente da cineasta norte-americana Kathryn Bigelow. A realizadora conta, com base no argumento de Marc Boal, a década de trabalho da elite de militares norte-americanos para capturar Osama bin Laden, o cabecilha dos atentados.

Com Jessica Chastain no papel de Maya, a agente da CIA que se destaca na investigação, 00:30 A Hora Negra mostra os interrogatórios violentos a suspeitos e termina com a sequência da operação que levou à morte do cabecilha dos ataques do 11 de Setembro às Torres Gémeas. Nomeado para cinco Óscares para a temporada de 2013 - entre os quais o de melhor argumento adaptado e melhor atriz principal -, 00:30 A Hora Negra ganhou apenas a estatueta para o som. O elenco conta ainda com Joel Edgerton, Chris Pratt e Reda Kateb.

Ler mais

Premium

Henrique Burnay

Discretamente, sem ninguém ver

Enquanto nos Estados Unidos se discute se o candidato a juiz do Supremo Tribunal de Justiça americano tentou, ou não, há 36 anos abusar, ou mesmo violar, uma colega (quando tinham 17 e 15 anos), para além de tudo o que Kavanauhg pensa, pensou, já disse ou escreveu sobre o que quer que seja, em Portugal ninguém desconfia quem seja, o que pensa ou o que pretende fazer a senhora nomeada procuradora-geral da República, na noite de quinta-feira passada. Enquanto lá se esmiúça, por cá elogia-se (quem elogia) que o primeiro-ministro e o Presidente da República tenham muito discretamente combinado entre si e apanhado toda a gente de surpresa. Aliás, o apanhar toda a gente de surpresa deu, até, direito a que se recordasse como havia aqui genialidade tática. E os jornais que garantiram ter boas fontes a informar que ia ser outra coisa pedem desculpa mas não dizem se enganaram ou foram enganados. A diferença entre lá e cá é monumental.

Premium

Ruy Castro

À falta do Nobel, o Ig Nobel

Uma das frustrações brasileiras históricas é a de que, até hoje, o Brasil não ganhou um Prémio Nobel. Não por falta de quem o merecesse - se fizesse direitinho o seu dever de casa, a Academia Sueca, que distribui o prémio desde 1901, teria descoberto qualidades no nosso Alberto Santos-Dumont, que foi o verdadeiro inventor do avião, em João Guimarães Rosa, autor do romance Grande Sertão: Veredas, escrito num misto de português e sânscrito arcaico, e, naturalmente, no querido Garrincha, nem que tivessem de providenciar uma categoria especial para ele.