De mãos juntas, o obrigado dos jovens tailandeses: "Vamos continuar a ser fortes"

Os 12 rapazes e o treinador vão receber alta do hospital na próxima quinta-feira. Não entraram ao mesmo tempo, mas vão sair todos juntos

Com as mãos juntas, na típica saudação tailandesa, os 12 rapazes e o treinador que foram resgatados esta semana da gruta de Tham Luang, na Tailândia, agradeceram o apoio recebido. O Governo do país, que disponibilizou o vídeo, também partilhou um agradecimento público ao mundo inteiro.

Na gravação surgem todas as crianças e o treinador, ainda nas camas do hospital e de máscaras colocadas. Agradecem o apoio e a preocupação recebidos. "Agora estou muito bem, não se preocupem mais", diz um dos rapazes.

Há ainda agradecimentos aos Navy Seals tailandeses, ao governo e a todos os que se preocuparam com eles enquanto estiveram na gruta.

No mesmo dia em que foi disponibilizado o vídeo, o ministro da Saúde da Tailândia, Piyasakol Sakolsatayadorn, disse aos jornalistas que os doze rapazes e o seu treinador sairão do hospital de Chiang Rai no mesmo dia, na próxima quinta-feira.

Veja as mensagens deixadas pelos rapazes:

O obrigada da Tailândia

Entretanto, um outro vídeo, partilhado este domingo na página de Facebook do Governo tailandês, mostra o momento em que o mergulhador encontra os 13 desaparecidos no interior da na gruta e agradece a todos os países que se envolveram no resgate dos 13 jovens.

"O mundo é um apenas". É com esta mensagem que a Tailândia agradece o apoio recebido, sublinhando que foi essa união que permitiu o salvamento dos rapazes.

Ler mais

Premium

Ricardo Paes Mamede

A "taxa Robles" e a desqualificação do debate político

A proposta de criação de uma taxa sobre especulação imobiliária, anunciada pelo Bloco de Esquerda (BE) a 9 de setembro, animou os jornais, televisões e redes sociais durante vários dias. Agora que as atenções já se viraram para outras polémicas, vale a pena revistar o debate público sobre a "taxa Robles" e constatar o que ela nos diz sobre a desqualificação da disputa partidária em Portugal nos dias que correm.

Premium

Rosália Amorim

Crédito: teremos aprendido a lição?

Crédito para a habitação, crédito para o carro, crédito para as obras, crédito para as férias, crédito para tudo... Foi assim a vida de muitos portugueses antes da crise, a contrair crédito sobre crédito. Particulares e também os bancos (que facilitaram demais) ficaram com culpas no cartório. A pergunta que vale a pena fazer hoje é se, depois da crise e da intervenção da troika, a realidade terá mudado assim tanto? Parece que não. Hoje não é só o Estado que está sobre-endividado, mas são também os privados, quer as empresas quer os particulares.