De estrela de basquetebol a ladra internacional de joias

Pertenceu ao grupo criminoso Panteras Cor-de-Rosa, assim chamado pela polícia porque era contra a violência durante os assaltos. Esteve presa sete anos e agora publicou um livro em que conta a experiência.

Olivera Cirkovic, atualmente com 49 anos, é famosa desde que se lembra. Oriunda de boas famílias da Sérvia, foi uma excelente aluna no liceu além de estrela de basquetebol europeu - mede 1,93 metros. Depois, quando a Jugoslávia se desintegrou - ainda era diretora desportiva do clube Estrela Vermelha de Belgrado -, acabou presa. Era um dos membros do grupo de assaltantes denominado Panteras Cor-de-Rosa, suspeito de ter roubado joias em 35 países. Cirkovic lançou um livro em que conta a sua experiência e garante que as suas histórias podem chegar a Hollywood.

Eu, Pantera Rosa, assim se chama a obra lançada recentemente, chamou todas as atenções durante a 37.ª edição da Feira do Livro de Zagreb. "O meu livro é um protesto contra a injustiça e a hipocrisia social no mundo ", disse Cirkovic à agência Efe.

Como é que uma estrela do basquetebol feminino entra no mundo do crime organizado é justificado pela escritora com a situação política e económica do seu país. Nos anos 1990, quando a Jugoslávia começou a desintegrar-se, em Belgrado multiplicavam-se os negócios ilegais: ganhava-se dinheiro fácil e muito rapidamente. Como? Através do contrabando ou da compra e venda de bens roubados.

"Vivemos anos de guerra e de violência. Houve falsos ídolos e pessoas que prosperaram na guerra que nos eram apresentados como patriotas", recorda.

Oliveira Cirkovic, que é também escritora e pintora, sempre foi apologista da "não violência". O grupo em que estava inserida foi chamado pela Interpol de Panteras Cor-de-Rosa porque nunca magoavam ninguém durante os assaltos.

A ex-estrela de basquetebol foi condenada na Grécia, onde mais vezes participou em roubos, por crime organizado, roubos graves e assaltos à mão armada.

"Em 80% dos assaltos, um carro arrombava a joalheira pela janela, quando ninguém lá estava", conta.

Grupo atuava em 35 países. Terá roubado artigos no valor de mais de 500 milhões

O grupo era formado por uma rede de criminosos de vários países dos Balcãs. São considerados os autores de roubos em 35 países, durante as duas últimas décadas roubaram joias e artigos de luxo no valor de 500 milhões de dólares. Os artigos eram revendidos no mercado negro.

No entanto, Circovic refuta a ideia de que uma rede criminosa. Alega que eram assaltantes a usar o mesmo método de assalto e que às vezes cooperavam uns com os outros."Eu tinha um grupo com o meu pessoal, não havia nenhum comandante", explicou, durante uma entrevista na feira do livro.

A justiça grega atribuiu vários roubos de joias em Atenas e nas ilhas de Rodes e Santorini, no valor de vários milhões de euros, ao grupo Panteras Cor-de-Rosa.

"Nenhum dono das joalharias sofreu algum tipo de dano, e podia sempre recuperar aquilo que tinha sido roubado - bastava declarar três ou quatro vezes o valor real do furto e num mês tinha o dinheiro recuperado", argumenta Cirkovic.

"Os únicos prejudicados são as agências de seguros ou os bancos, que considero ladrões legais", acrescenta a escritora.

Esteve presa sete anos na Grécia, mas em 2012 acabou por fugir com a ajuda de um membro do grupo. Recapturada, cumpriu o resto da pena. Garante que nunca caiu em depressão: vivia com saudades do filho, hoje um homem adulto e também basquetebolista, e ocupava o tempo a escrever, a ler, a fazer exercícios e a pintar.

Diz que todas as suas histórias - e são muitas - poderiam ser usadas como argumentos para cinema. "Tenho material não para um, mas para uma série de filmes - mas terá de ser Hollywood", garante.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Daniel Deusdado

Começar pelas portagens no centro nas cidades

É fácil falar a favor dos "pobres", difícil é mudar os nossos hábitos. Os cidadãos das grandes cidades têm na mão ferramentas simples para mudar este sistema, mas não as usam. Vejamos a seguinte conta: cada euro que um português coloca num transporte público vale por dois. Esse euro diminui o astronómico défice das empresas de transporte público. Esse mesmo euro fica em Portugal e não vai direto para a Arábia Saudita, Rússia ou outro produtor de petróleo - quase todos eles cleptodemocracias.