Tempestade sem precedentes. Irma quebrou todos os recordes

Hoje já se transformou numa tempestade tropical mas deixou rasto de destruição e cerca de 30 mortos

O furacão Irma foi considerado o maior furacão de sempre no oceano Atlântico, mas este não foi o único recorde que esta tempestade quebrou. O Irma, que entretanto já é apenas uma tempestade tropical, é também o mais longo furacão de categoria 5 alguma vez registado no mundo, mantendo-se durante três dias consecutivos na categoria mais alta da escala Saffir-Simpson. Especialistas dizem não haver registos de uma tempestade a este nível.

O Irma trouxe rajadas de vento de 298 Km/hora durante 37 horas consecutivas, quebrando também o recorde de intensidade desde que são estudadas tempestades. Em alguns locais, foram registadas rajadas de vento superiores a 360 quilómetros por hora.

O recorde de intensidade pertencia ao tufão Hayan, nas Filipinas em 2013, que manteve ventos de 298 Km/hora durante 24 horas.

É de destacar também que, devido ao Irma, foi ordenada a maior evacuação de sempre nas Bahamas - cinco mil pessoas - e possivelmente a maior evacuação de sempre nos Estados Unidos. Cerca de 6 milhões e 300 mil pessoas foram obrigadas a abandonarem as suas casas na Florida, segundo a CNN.

Sem precedentes foi também o tamanho da tempestade. Os ventos e as nuvens do Irma chegaram a cobrir uma área de 181 mil quilómetros quadrados, quando, por exemplo, o estado da Florida tem 170 mil quilómetros quadrados.

A Organização Mundial de Meteorologia revelou na semana passada que o Irma bateu igualmente os recordes de energia acumulada, gerando em sete dias mais energia que as oito tempestades que o antecederam na região.

A parte continental dos Estados Unidos nunca tinha experienciado dois furacões superiores à categoria 4 no mesmo ano. Este verão, este país enfrentou o furacão Harvey, que atingiu o Texas e a Luisiana no final de agosto e matou 71 pessoas, e está agora a tentar sobreviver ao Irma.

Esta segunda-feira, o furacão aproxima-se da cidade de Tampa, no estado da Florida, na categoria 1, após ter diminuído de intensidade. Entretanto, ao início da tarde (hora de Lisboa), o Irma transformou-se em tempestade tropical.

Apesar de ter enfraquecido, o Irma deixou à sua passagem uma "crise humanitária" em Cayos, no extremo sul da Florida, onde chegou no domingo com força de categoria 4, a segunda mais alta. Nesta área, o furacão deixou devastação e ainda a ameaça de ocorrência de ondas perigosas.

Cerca de 1 milhão e 300 mil pessoas ficaram sem energia nas primeiras quatro horas após o furacão ter chegado à Florida e agora, sob a influência da tempestade, esperam-se inundações na Florida que ultrapassem os 4,5 metros.

O furacão já causou três mortos no estado da Florida, depois de ter deixado um rasto de destruição e de ter provocado 38 mortes, na sua passagem pelas Caraíbas.

A porta-voz da Organização Mundial de Meteorologia, uma agência especializada da ONU para a meteorologia e o clima, afirmou que o aquecimento global aumenta a força dos furacões, citando conclusões do Painel Intergovernamental para as Alterações Climáticas.

Espera-se, nesse sentido, que se registem mais furacões de categoria 4 ou 5 no século XXI que os ocorridos no século XX.

Ler mais

Exclusivos

Premium

João Gobern

País com poetas

Há muito para elogiar nos que, sem perspectivas de lucro imediato, de retorno garantido, de negócio fácil, sabem aproveitar - e reciclar - o património acumulado noutras eras. Ora, numa fase em que a Poesia se reergue, muitas vezes por vias "alternativas", de esquecimentos e atropelos, merece inteiro destaque a iniciativa da editora Valentim de Carvalho, que decidiu regressar, em edições "revistas e aumentadas", ao seu magnífico espólio de gravações de poetas. Originalmente, na colecção publicada entre 1959 e 1975, o desafio era grande - cabia aos autores a responsabilidade de dizerem as suas próprias criações, acabando por personalizá-las ainda mais, injectando sangue próprio às palavras que já antes tinham posto ao nosso dispor.