De Bradley a Chelsea: os desafios da liberdade para a soldado Manning

Detida desde 2010 por revelar documentos secretos à WikiLeaks, continuará no serviço ativo, sem ordenado mas com benefícios

Entrou na prisão há quase sete anos como Bradley Manning, um soldado raso que foi o responsável pela divulgação de mais de 700 mil documentos secretos dos EUA através da WikiLeaks, e saiu hoje em liberdade como Chelsea Manning. Um porta-voz do exército confirmou à BBC que já foi libertada de uma prisão militar no Kansas.

Pelo meio, além de revelar que se identificava como transexual, ganhou o direito de fazer terapia hormonal apesar de não conseguir transferência da prisão militar exclusiva para homens, tentou duas vezes o suicídio e conseguiu que Barack Obama, numa das últimas decisões na Casa Branca, comutasse a sua pena.

"Pela primeira vez, consigo ver um futuro para mim como Chelsea", disse Manning num comunicado divulgado na semana passada pela União Americana pelas Liberdades Civis, que a tem ajudado nos seus processos judiciais. Condenada a 35 anos de prisão, a mais longa sentença alguma vez proferida nos EUA para um caso de roubo e partilha de informação secreta, a militar de 29 anos continuará no ativo - até à decisão do recurso da condenação original.

Chelsea deixa a prisão militar de Fort Leavenworth (Kansas) e planeia ir para Maryland, onde já viveu com a tia. Apesar de estar no ativo, não terá direito a salário, sendo pouco provável que seja chamada a servir. Mas poderá ter cuidados de saúde pagos pelo exército - quer continuar a transição para o sexo feminino. Por outro lado, continuará sob jurisdição militar, o que significa que poderá voltar a Tribunal Militar - "até pode arranjar problemas por falar ou escrever", disse à NBC News o advogado, David Coombs.

Obama comutou a pena considerando que Manning tinha assumido a responsabilidade e que a condenação era desproporcional. Uma decisão que Donald Trump criticou, apelidando a soldado de "traidora ingrata". Manning, que roubou a informação secreta (usando um falso CD da Lady Gaga) quando estava no Iraque, disse que o fez "preocupada pelo país" em nome da "transparência e responsabilização pública".

Filha de pais alcoólicos, Manning cresceu no Oklahoma e foi vítima de bullying na escola por causa dos jeitos efeminados. Em 2007 alistou-se no exército, sendo destacada dois anos depois para o Iraque, onde trabalhou como analista de informação. Mas continuava a lutar com a disforia de género, enviando um email ao supervisor com uma foto em que surgia de peruca e maquilhagem: "Este é o meu problema. Pensei que uma carreira militar me ajudaria a livrar-me dele. Mas não está a desaparecer, está a assombrar-me mais à medida que envelheço". O pedido de ajuda foi ignorado.

"Agora, a liberdade é algo que vou voltar a conhecer com os meus amigos e familiares, após quase sete anos de grades e de cimento, períodos de isolamento, com cuidados de saúde e autonomia restringidos, incluindo cortes de cabelo de rotina forçados", explicou. Estas questões estiveram na origem das tentativas de suicídio. "Espero usar as lições que aprendi, o amor que tenho recebido, e a esperança que tenho para trabalhar para tornar a vida melhor para os outros", disse.

Notícia atualizada às 11.55

Ler mais

Exclusivos

Premium

Rosália Amorim

"Sem emoção não há uma boa relação"

A frase calorosa é do primeiro-ministro António Costa, na visita oficial a Angola. Foi recebido com pompa e circunstância, por oito ministros e pelo governador do banco central e com honras de parada militar. Em África a simbologia desta grande receção foi marcante e é verdadeiramente importante. Angola demonstrou, para dentro e para fora, que Portugal continua a ser um parceiro importante. Ontem, o encontro previsto com João Lourenço foi igualmente simbólico e relevante para o futuro desta aliança estratégica.

Premium

João Gobern

Tirar a nódoa

São poucas as "fugas", poucos os desvios à honestidade intelectual que irritem mais do que a apropriação do alheio em conluio com a apresentação do mesmo com outra "assinatura". É vulgarmente referido como plágio e, em muitos casos, serve para disfarçar a preguiça, para fintar a falta de inspiração (ou "bloqueio", se preferirem), para funcionar como via rápida para um destino em que parece não importar o património alheio. No meio jornalístico, tive a sorte de me deparar com poucos casos dessa prática repulsiva - e alguns deles até apresentavam atenuantes profundas. Mas também tive o azar de me cruzar, por alguns meses, tempo ainda assim demasiado, com um diretor que tinha amealhado créditos ao publicar como sua uma tese universitária, revertido para (longo) artigo de jornal. A tese e a história "passaram", o diretor foi ficando. Até hoje, porque muitos desconhecem essa nódoa e outros preferiram olhar para o lado enquanto o promoviam.