Cuba: Nova constituição irá admitir a propriedade privada

Foi elaborado um projeto de revisão que prevê as leis do mercado e a propriedade privada. Porém, ressalva que o Estado continua a ser socialista

Cuba prepara-se para uma revisão Constitucional e o país comunista de Fidel Castro prepara-se, aos poucos e de forma gradual, a abrir-se às leis de mercado. Segundo o jornal El País , o projeto de reforma constitucional está em andamento e prevê a entrada de capital estrangeiro no país e legitima a propriedade privada.

Foi através do Granma, o meio de comunicação oficial do PC cubano, que se divulgou um resumo do anteprojeto de reforma constitucional, no qual se "acrescenta o reconhecimento do papel do mercado e das novas formas de propriedade, inclusive a privada".

Porém, reafirma-se: "Os enunciados da nova Constituição levarão em conta os princípios de justiça humanista e social que moldam o nosso sistema político e consideram como pilares irremovíveis a irreversibilidade do sistema socialista que o povo soberanamente adotou."

Mas a reforma da Constituição - a Carta Magna em vigor foi aprovada em referendo popular em 1976 e reformada parcialmente em 1992 e em 2002 - prevê novas alterações. A criação do cargo de primeiro-ministro - atualmente o presidente é chefe do Conselho de Estado e Ministros - é uma delas.

Outra é a limitação dos mandatos a um máximo de duas legislaturas - cada com cinco anos, até um máximo de dez - e a ratificação no texto fundamental "de a importância do investimento estrangeiro para o desenvolvimento económico do país, com as devidas garantias."

O projeto reformista consiste em 224 artigos, que ainda não foram tornados públicos e que irão ser debatidos entre sábado e segunda-feira na Assembleia Nacional (Parlamento unicameral).

Os deputados irão votar para aprovar se a questão vai ou não a referendo antes da ratificação final.

Ainda não existe prazo para a conclusão da reforma da Constituição, mas segundo o El País espera-se que esteja concluída antes do final deste ano.

Ler mais

Exclusivos

Premium

João Gobern

País com poetas

Há muito para elogiar nos que, sem perspectivas de lucro imediato, de retorno garantido, de negócio fácil, sabem aproveitar - e reciclar - o património acumulado noutras eras. Ora, numa fase em que a Poesia se reergue, muitas vezes por vias "alternativas", de esquecimentos e atropelos, merece inteiro destaque a iniciativa da editora Valentim de Carvalho, que decidiu regressar, em edições "revistas e aumentadas", ao seu magnífico espólio de gravações de poetas. Originalmente, na colecção publicada entre 1959 e 1975, o desafio era grande - cabia aos autores a responsabilidade de dizerem as suas próprias criações, acabando por personalizá-las ainda mais, injectando sangue próprio às palavras que já antes tinham posto ao nosso dispor.