Crise no governo finlandês após eleição de político racista

Escolha de Jussi Kristian Halla-aho levaa divisão nos Verdadeiros Finlandeses para evitar queda do governo

Os Verdadeiros Finlandeses, partido nacionalista de extrema-direita que chegou a pôr em risco a aprovação do resgate financeiro internacional a Portugal, voltam agora a dar que falar.

No sábado, o partido elegeu como novo líder um político condenado por incitamento ao ódio racial, étnico e religioso: Jussi Kristian Halla-aho. Anti-imigração, anti-União Europeia, Halla-aho foi eleito com 949 votos. O seu principal rival, que era o ministro da Cultura, Sampo Terho, teve 629.

Logo em seguida o primeiro-ministro da Finlândia, Juha Sipila, ameaçou dissolver o atual governo de coligação, que é composto por três partidos: o seu Partido Centrista, o Partido da Coligação Nacional e, precisamente, os Verdadeiros Finlandeses.

Face a esta ameaça, alguns deputados do partido nacionalista de extrema-direita decidiram ontem, in extremis, abandonar o mesmo e formar um novo grupo parlamentar, para, dessa forma, se manterem no governo. O novo grupo foi batizado com o nome de Nova Alternativa.

Tendo isto em conta, o primeiro-ministro finlandês, que já ia a caminho para apresentar a demissão ao presidente Sauli Niinisto, indicou que não dissolveria o governo e se manteria em funções. "Esta é uma solução satisfatória... Vamos continuar com os atuais ministros e o atual programa de governo... A situação estará encerrada em apenas um dia", disse Juha Sipila aos jornalistas.

Com o novo grupo parlamentar Nova Alternativa, que inclui também o ex-líder dos Verdadeiros Finlandeses Timo Soini, a coligação governamental passa a ter 106 deputados num total de 200.

"Esta decisão irá muito provavelmente arruinar as nossas carreiras políticas... mas estamos determinados a fazer isto... pelas razões mais acertadas. Hoje não agimos como políticos, fazemos isto pelo nosso país", declarou o presidente do novo grupo parlamentar Simon Elo, ontem citado pela agência Reuters. Elo falava também em Helsínquia.

Vários analistas consultados pela mesma agência noticiosa internacional consideraram que a queda do governo poderia ter posto em causa reformas importantes que estão planeadas nas áreas da saúde e da Administração Pública, essenciais para equilibrar as contas do país. A Finlândia é membro da UE desde 1995 e foi um dos primeiros países a adotar o euro quatro anos depois.

Entre as coisas que defende, o novo líder dos Verdadeiros Finlandeses quer a saída do país da UE. Jussi Kristian Halla-aho, doutorado em Filosofia, de 46 anos, foi condenado em 2012 por incitamento ao ódio étnico e religioso depois de escrever no seu blogue que o profeta Maomé era pedófilo e de se questionar se assaltar pessoas e viver de apoios sociais poderia ser considerada uma característica genética dos somalis. Halla-aho foi condenado a pagar uma multa de 400 euros.

Ontem, incrédulo, o político disse aos jornalistas: "É difícil de acreditar como é que este tipo de operação e de traição aos eleitores pode estar a acontecer... Não estava à espera de uma coisa destas".

Ler mais

Exclusivos

Premium

Nuno Artur Silva

Notícias da frente da guerra

Passaram cem anos do fim da Primeira Guerra Mundial. Foi a data do Armistício assinado entre os Aliados e o Império Alemão e do cessar-fogo na Frente Ocidental. As hostilidades continuaram ainda em outras regiões. Duas décadas depois, começava a Segunda Guerra Mundial, "um conflito militar global (...) Marcado por um número significativo de ataques contra civis, incluindo o Holocausto e a única vez em que armas nucleares foram utilizadas em combate, foi o conflito mais letal da história da humanidade, resultando entre 50 e mais de 70 milhões de mortes" (Wikipédia).

Premium

nuno camarneiro

Uma aldeia no centro da cidade

Os vizinhos conhecem-se pelos nomes, cultivam hortas e jardins comunitários, trocam móveis a que já não dão uso, organizam almoços, jogos de futebol e até magustos, como aconteceu no sábado passado. Não estou a descrever uma aldeia do Minho ou da Beira Baixa, tampouco uma comunidade hippie perdida na serra da Lousã, tudo isto acontece em plena Lisboa, numa rua com escadinhas que pertence ao Bairro dos Anjos.

Premium

Rui Pedro Tendinha

O João. Outra vez, o João Salaviza...

Foi neste fim de semana. Um fim de semana em que o cinema português foi notícia e ninguém reparou. Entre ex-presidentes de futebol a serem presos e desmentidos de fake news, parece que a vitória de Chuva É Cantoria na Aldeia dos Mortos, de Renée Nader Messora e João Salaviza, no Festival do Rio, e o anúncio da nomeação de Diamantino, de Daniel Schmidt e Gabriel Abrantes, nos European Film Awards, não deixou o espaço mediático curioso.