Criminalidade aumenta na África do Sul: 57 homicídios por dia

Segundo as estatísticas, um total de 20.336 pessoas morreram nos 12 meses até março, um aumento de 6,19% em relação ao ano passado

A criminalidade na África do Sul subiu 6,9 por cento no último ano atingindo uma média de 57 homicídios por dia, anunciou hoje o ministro da Polícia Bheki Cele, que comparou o seu país a uma "zona de guerra".

Segundo as estatísticas, um total de 20.336 pessoas morreram nos 12 meses até março, um aumento de 6,19% em relação ao ano passado.

Entre abril de 2016 e março de 2017, houve 19.016 assassínios na África do Sul, correspondendo a 52 mortes por dia.

"Cinquenta e sete por dia é o número diário de sul-africanos que foram mortos", disse o ministro Cele aos deputados, referindo que "isso faz com que a África do Sul pareça uma zona de guerra".

O chefe da comissão parlamentar encarregue da polícia, François Beukman, também reagiu e considerou estes dados "perturbadores e totalmente inaceitáveis".

Norman Sekhukhune, chefe de polícia encarregado de estudos e estatísticas, salientou que o número de homicídios "aumentou nos últimos seis anos".

De acordo com os dados da polícia divulgados hoje pelo Governo, os crimes que mais aumentaram, no entanto, são os casos de agressão sexual, que subiram 8,2% neste período, para 6.786 casos, representando quase 19 agressões sexuais por dia na África do Sul.

As violações também aumentaram em 0,5%, para 40.035 casos.

Por outro lado, os roubos comuns baixaram 5% em 2017-2018, para 50.730, e os assaltos agravados também desceram 1,8%, para 138.364.

Khehla Sitole, Comissário Nacional da Polícia, disse hoje aos deputados que estima em 62 mil o número de polícias adicionais necessários para garantir a segurança no país.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ricardo Paes Mamede

A "taxa Robles" e a desqualificação do debate político

A proposta de criação de uma taxa sobre especulação imobiliária, anunciada pelo Bloco de Esquerda (BE) a 9 de setembro, animou os jornais, televisões e redes sociais durante vários dias. Agora que as atenções já se viraram para outras polémicas, vale a pena revistar o debate público sobre a "taxa Robles" e constatar o que ela nos diz sobre a desqualificação da disputa partidária em Portugal nos dias que correm.

Premium

Rosália Amorim

Crédito: teremos aprendido a lição?

Crédito para a habitação, crédito para o carro, crédito para as obras, crédito para as férias, crédito para tudo... Foi assim a vida de muitos portugueses antes da crise, a contrair crédito sobre crédito. Particulares e também os bancos (que facilitaram demais) ficaram com culpas no cartório. A pergunta que vale a pena fazer hoje é se, depois da crise e da intervenção da troika, a realidade terá mudado assim tanto? Parece que não. Hoje não é só o Estado que está sobre-endividado, mas são também os privados, quer as empresas quer os particulares.