Criança de 12 anos é única sobrevivente de queda de avião na Indonésia

O avião de pequena dimensão da empresa Dimonim Air estava desaparecido desde sábado à tarde.

Oito pessoas morreram na queda de um pequeno avião na província de Papua, Indonésia, este domingo. O único sobrevivente é uma criança de 12 anos.

O alerta foi dado por residentes da zona, que avistaram destroços no local. O avião estava desaparecido desde sábado à tarde, depois de ter perdido contacto com o comando de controlo aéreo.

O rapaz que sobreviveu ao acidente terá sofrido algumas fraturas e está agora a ser tratado no hospital de Papua.

De acordo com a BBC, os meios aéreos são uma das poucas formas de contornar a província de Papua, uma região montanhosa. As rápidas alterações do estado do tempo tornam este um lugar de difícil navegação.

Este é mais um episódio no que toca à insegurança na aviação na Indonésia. Há três anos, 54 pessoas morreram a bordo de um avião da Trigana Air, que se despenhou perto de Oksibil, também em Papua. Ainda em 2014, a queda de um avião da AirAsia, que partiu de Surabaya com destino a Kuala Lumpur, causou a morte das 162 pessoas a bordo.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Daniel Deusdado

Começar pelas portagens no centro nas cidades

É fácil falar a favor dos "pobres", difícil é mudar os nossos hábitos. Os cidadãos das grandes cidades têm na mão ferramentas simples para mudar este sistema, mas não as usam. Vejamos a seguinte conta: cada euro que um português coloca num transporte público vale por dois. Esse euro diminui o astronómico défice das empresas de transporte público. Esse mesmo euro fica em Portugal e não vai direto para a Arábia Saudita, Rússia ou outro produtor de petróleo - quase todos eles cleptodemocracias.

Premium

Brexit

"Não penso que Theresa May seja uma mulher muito confiável"

O diretor do gabinete em Bruxelas do think tank Open Europe afirma ao DN que a União Europeia não deve fechar a porta das negociações com o Reino Unido, mas considera que, para tal, Theresa May precisa de ser "mais clara". Vê a possibilidade de travar o Brexit como algo muito remoto, de "hipóteses muito reduzidas", dependente de muitos fatores difíceis de conjugar.