Credores deixam Atenas sem acordo com o Governo

As negociações prolongaram-se até de madrugada sem acordo em relação à reforma laboral, à liberalização do mercado energético e ao cumprimento dos objetivos orçamentais

Os credores da Grécia abandonaram hoje Atenas sem terem conseguido um acordo com o Governo sobre a segunda avaliação do plano de resgate, complicando a hipótese da conclusão das negociações antes do Eurogrupo de 05 de dezembro, como Atenas desejava.

As negociações entre ambas as partes prolongaram-se até de madrugada sem acordo em relação à reforma laboral, à liberalização do mercado energético e ao cumprimento dos objetivos orçamentais para 2018.

Segundo informaram fontes governamentais, o objetivo do executivo continua a ser conseguir um acordo antes de 05 de dezembro e as negociações continuarão por teleconferência entre os técnicos do executivo e dos credores - Comissão Europeia (CE), Banco Central Europeu (BCE), Mecanismo Europeu de Estabilidade (MEDE) e Fundo Monetário Internacional (FMI).

Fontes do executivo grego afirmaram que nos próximos dias poderia haver um acordo sobre o mercado da energia e o cumprimento dos objetivos orçamentais para 2018, mas sublinharam que a reforma laboral continua a ser o ponto de discórdia entre as partes.

O Governo quer restabelecer os convénios coletivos, eliminados no segundo programa de resgate da Grécia em 2012, uma das principais promessas eleitorais do primeiro-ministro, Alexis Tsipras, e evitar uma maior liberalização dos despedimentos coletivos e a restrição do direito à greve.

Por outro lado, os representantes dos credores opõem-se ao restabelecimento da negociação coletiva e também insistem na necessidade de impor uma maior flexibilidade no mercado de trabalho.

A posição governamental ficou muito debilitada na segunda-feira depois de a Associação de Empresas e de Indústria (SEV) - a associação patronal das grandes empresas - se ter retirado do bloco que formava com sindicatos e representantes das pequenas e médias empresas (PME) em defesa dos convénios coletivos e contra uma maior liberalização das relações laborais.

Numa reunião da ministra do Trabalho grega com as organizações patronais, a SEV posicionou-se ao lado dos representantes dos credores.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Nuno Artur Silva

Notícias da frente da guerra

Passaram cem anos do fim da Primeira Guerra Mundial. Foi a data do Armistício assinado entre os Aliados e o Império Alemão e do cessar-fogo na Frente Ocidental. As hostilidades continuaram ainda em outras regiões. Duas décadas depois, começava a Segunda Guerra Mundial, "um conflito militar global (...) Marcado por um número significativo de ataques contra civis, incluindo o Holocausto e a única vez em que armas nucleares foram utilizadas em combate, foi o conflito mais letal da história da humanidade, resultando entre 50 e mais de 70 milhões de mortes" (Wikipédia).