Credit Suisse diz que eleições francesas são um "risco" para os mercados europeus

O banco adverte para os possíveis malefícios de uma mudança da "paisagem política na União Europeia"

Os economistas do banco Credit Suisse estimaram esta quinta-feira que as eleições presidenciais em França deste ano sejam o "principal risco" para os mercados financeiros da Europa.

Num trabalho hoje revelado pela instituição, e que teve como ponto de partida as ameaças para os mercados financeiros europeus, o Credit Suisse advertiu para os riscos de uma mudança da "paisagem política na União Europeia" e sinalizou o provável nervosismo dos mercados nessa eventualidade.

A mais recente sondagem divulgada pela estação BFM TV indicou que Marine Le Pen está na liderança na primeira volta das presidenciais francesas, com 26% das intenções de voto, seguida do candidato independente Emmanuel Macron, com 25,5% das intenções de voto.

Nas últimas semanas, a candidata presidencial da Frente Nacional tem enfrentado acusações sobre "empregos fictícios" e suspeitas de uso indevido de fundos do Parlamento Europeu.

A primeira volta das presidenciais de França realiza-se a 23 de abril e a segunda a 7 de maio.

Ler mais

Premium

João Gobern

País com poetas

Há muito para elogiar nos que, sem perspectivas de lucro imediato, de retorno garantido, de negócio fácil, sabem aproveitar - e reciclar - o património acumulado noutras eras. Ora, numa fase em que a Poesia se reergue, muitas vezes por vias "alternativas", de esquecimentos e atropelos, merece inteiro destaque a iniciativa da editora Valentim de Carvalho, que decidiu regressar, em edições "revistas e aumentadas", ao seu magnífico espólio de gravações de poetas. Originalmente, na colecção publicada entre 1959 e 1975, o desafio era grande - cabia aos autores a responsabilidade de dizerem as suas próprias criações, acabando por personalizá-las ainda mais, injectando sangue próprio às palavras que já antes tinham posto ao nosso dispor.