Correspondente do New York Times na Casa Branca suspenso por assédio sexual

Glenn Thrush, foi suspenso pela direção do diário, depois de várias mulheres o terem acusado de assédio, disse esta segunda-feira à agênciaAFP uma porta-voz da publicação

Transferido no final de 2016 do site Político, na Internet, para o New York Times, Glenn Thrush é um dos grandes nomes do jornalismo político nos EUA.

Desde a tomada de posse de Donald Trump, a emissão do programa Saturday Night Live, na televisão NBC, fez mesmo vários episódios com ele, protagonizado Bobby Moynihan, em que a atriz Melissa McCarthy fazia o papel do antigo porta-voz da Casa Branca, Sean Spicer.

Em artigo publicado hoje no sítio da Vox, a jornalista Laura McGann conta como, há cinco anos, num bar, Glenn Thrush lhe pôs a mão na perna e a abraçou, sem o seu consentimento.

Três outras mulheres afirmaram terem vivido experiências similares, durante as quais o jornalista conhecido pelo chapéu de feltro que usa em permanência, as tocou ou abraçou durante noitadas regadas a álcool.

"Cada uma destas mulheres descreveu-me impressões diferentes a propósito destas experiências: receosa, violada, envergonhada, perturbada", escreveu. "Eu estive, e estou, em cólera", disse, a propósito do seu próprio caso.

Todas estas mulheres, segundo Laura McGann, eram jovens jornalistas, nos seus vinte anos. As situações mais recentes terão ocorrido em junho, com a alegada vítima a desfazer-se em lágrimas perante Glenn Thrush.

Desde as revelações sobre Harvey Weinstein que se sucedem as acusações de assédio ou de agressão sexual visando atores, realizadores e produtores. Mas o escândalo tem-se estendido e já chegou ao mundo das empresas, da comunicação social e da política.

"O que se passou em junho mudou a minha vida", declarou o jornalista do New York Times à autora, justificando: "Essa mulher foi perturbada pelo meu comportamento e estou desolado".

Glenn Thrush prosseguiu, confessando: "Desde há vários anos que reagi a uma série de crises pessoais e de saúde bebendo muito. Durante este período, fiz coisas de que me envergonho".

Thrush revelou ainda: "Não bebo desde 15 de junho de 2017. Retomei a terapia e vou começar em breve um tratamento para o alcoolismo. Estou a trabalhar duro para procurar reparar os estragos que causei".

Para o Novo York Times, estas alegações são "muito preocupantes" e não correspondem "aos padrões e aos valores" do diário, explicou uma porta-voz do grupo.

Os responsáveis da publicação indicaram que, enquanto aguardam as conclusões do seu próprio inquérito, Glenn Thrush foi suspenso das suas funções.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Saúde

Empresa de anestesista recebeu meio milhão de euros num ano

Há empresas (muitas vezes unipessoais) onde os anestesistas recebem o dobro do oferecido no Serviço Nacional de Saúde para prestarem serviços em hospitais públicos carenciados. Aquilo que a lei prevê como exceção funciona como regra em muitas unidades hospitalares. Ministério diz que médicos tarefeiros são recursos de "última instância" para "garantir a prestação de cuidados de saúde com qualidade a todos os portugueses".