Coreias vão desfilar juntas com bandeira da unificação nos Jogos Olímpicos de Inverno

Duas Coreias vão desfilar com bandeira unificada e ter ainda uma equipa feminina conjunta de hóquei no gelo

As duas Coreias concordaram esta quarta-feira formar uma equipa feminina conjunta de hóquei no gelo para participar nos Jogos Olímpicos de Inverno de PyeongChang no próximo mês de fevereiro na Coreia do Sul, e desfilar juntas sob uma bandeira unificada na cerimónia de abertura das Olimpíadas, informa um comunicado divulgado pelo Ministério da Unificação da Coreia do Sul.

A Coreia do Norte vai enviar uma delegação de 550 membros, incluindo 230 animadores (cheerleaders'), 140 artistas e 30 atletas de Taekwondo para uma demonstração.

A delegação deverá chegar à Coreia do Sul a 25 de janeiro, refere o mesmo comunicado.

Estas decisões foram tomadas pelos responsáveis dos dois países numa reunião de trabalho em Panmunjom, cidade fronteira na zona desmilitarizada, que divide a península coreana, onde foi assinado o cessar-fogo.

No início desta semana, as delegações tinham chegado a acordo sobre a atuação no Sul de 80 músicos e 60 cantores e bailarinos norte-coreanos, durante os Jogos, para os quais o Norte poderia apresentar um par em patinagem artística, mas falharam o período de confirmação de participação.

Os jogos de PyeongChang, na Coreia do Sul, realizem-se de 9 a 25 de fevereiro. A Coreia do Norte enviará ainda uma delegação aos Jogos Paralímpicos, a realizar entre 9 e 18 de março.

Com Lusa

Ler mais

Exclusivos

Premium

nuno camarneiro

Uma aldeia no centro da cidade

Os vizinhos conhecem-se pelos nomes, cultivam hortas e jardins comunitários, trocam móveis a que já não dão uso, organizam almoços, jogos de futebol e até magustos, como aconteceu no sábado passado. Não estou a descrever uma aldeia do Minho ou da Beira Baixa, tampouco uma comunidade hippie perdida na serra da Lousã, tudo isto acontece em plena Lisboa, numa rua com escadinhas que pertence ao Bairro dos Anjos.

Premium

Rui Pedro Tendinha

O João. Outra vez, o João Salaviza...

Foi neste fim de semana. Um fim de semana em que o cinema português foi notícia e ninguém reparou. Entre ex-presidentes de futebol a serem presos e desmentidos de fake news, parece que a vitória de Chuva É Cantoria na Aldeia dos Mortos, de Renée Nader Messora e João Salaviza, no Festival do Rio, e o anúncio da nomeação de Diamantino, de Daniel Schmidt e Gabriel Abrantes, nos European Film Awards, não deixou o espaço mediático curioso.