Coreias realizam nova cimeira de líderes até final de setembro em Pyongyang

Será o terceiro encontro entre o norte-coreano Kim Jong-un e o sul-coreano Moon Jae-in.

As duas Coreias acordaram hoje realizar em Pyongyang, até final de setembro, uma terceira cimeira entre o presidente sul-coreano, Moon Jae-in, e o líder da Coreia do Norte, Kim Jong-un, informou hoje a agência Yonhap.

Os dois países escreveram um comunicado conjunto em que declararam que vão estudar os avanços sobre os acordos assinados na Declaração de Panmunjom.

Na Declaração de Panmunjom, firmada em abril durante a histórica cimeira entre os líderes das duas Coreias, ambos concordaram em trabalhar para alcançar a "completa desnuclearização" da península e comprometeram-se a conseguir a assinatura de um tratado multilateral para acabar com o estado de guerra técnico na região que existe desde a Guerra da Coreia (1950-1953).

Os dois líderes voltaram a reunir-se em maio.

A decisão da realização de uma nova cimeira foi tomada na sequência de uma reunião realizada hoje entre altos representantes dos dois países, durante mais de duas horas, na cidade fronteiriça de Panmunjom, Coreia do Norte.

A delegação sul-coreana foi liderada pelo ministro da Unificação, Cho Myoung-gyon, enquanto o presidente do Comité de Reunificação Pacífica, Ri Son-gwon, liderou a comitiva de Pyongyang, refere a agência de notícias da Coreia do Sul.

Contudo, sem dar detalhes, o representante norte-coreano disse ser importante eliminar "obstáculos" que impedem as relações inter-coreanas de avançar, como planeado. "Se as questões que foram levantadas nas conversações não forem resolvidas, problemas inesperadas podem surgir e os temas já na agenda podem enfrentar dificuldades"; disse Ri após o encontro.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Daniel Deusdado

Começar pelas portagens no centro nas cidades

É fácil falar a favor dos "pobres", difícil é mudar os nossos hábitos. Os cidadãos das grandes cidades têm na mão ferramentas simples para mudar este sistema, mas não as usam. Vejamos a seguinte conta: cada euro que um português coloca num transporte público vale por dois. Esse euro diminui o astronómico défice das empresas de transporte público. Esse mesmo euro fica em Portugal e não vai direto para a Arábia Saudita, Rússia ou outro produtor de petróleo - quase todos eles cleptodemocracias.

Premium

Brexit

"Não penso que Theresa May seja uma mulher muito confiável"

O diretor do gabinete em Bruxelas do think tank Open Europe afirma ao DN que a União Europeia não deve fechar a porta das negociações com o Reino Unido, mas considera que, para tal, Theresa May precisa de ser "mais clara". Vê a possibilidade de travar o Brexit como algo muito remoto, de "hipóteses muito reduzidas", dependente de muitos fatores difíceis de conjugar.