Coreias realizam nova cimeira de líderes até final de setembro em Pyongyang

Será o terceiro encontro entre o norte-coreano Kim Jong-un e o sul-coreano Moon Jae-in.

As duas Coreias acordaram hoje realizar em Pyongyang, até final de setembro, uma terceira cimeira entre o presidente sul-coreano, Moon Jae-in, e o líder da Coreia do Norte, Kim Jong-un, informou hoje a agência Yonhap.

Os dois países escreveram um comunicado conjunto em que declararam que vão estudar os avanços sobre os acordos assinados na Declaração de Panmunjom.

Na Declaração de Panmunjom, firmada em abril durante a histórica cimeira entre os líderes das duas Coreias, ambos concordaram em trabalhar para alcançar a "completa desnuclearização" da península e comprometeram-se a conseguir a assinatura de um tratado multilateral para acabar com o estado de guerra técnico na região que existe desde a Guerra da Coreia (1950-1953).

Os dois líderes voltaram a reunir-se em maio.

A decisão da realização de uma nova cimeira foi tomada na sequência de uma reunião realizada hoje entre altos representantes dos dois países, durante mais de duas horas, na cidade fronteiriça de Panmunjom, Coreia do Norte.

A delegação sul-coreana foi liderada pelo ministro da Unificação, Cho Myoung-gyon, enquanto o presidente do Comité de Reunificação Pacífica, Ri Son-gwon, liderou a comitiva de Pyongyang, refere a agência de notícias da Coreia do Sul.

Contudo, sem dar detalhes, o representante norte-coreano disse ser importante eliminar "obstáculos" que impedem as relações inter-coreanas de avançar, como planeado. "Se as questões que foram levantadas nas conversações não forem resolvidas, problemas inesperadas podem surgir e os temas já na agenda podem enfrentar dificuldades"; disse Ri após o encontro.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ricardo Paes Mamede

O populismo entre nós

O sucesso eleitoral de movimentos e líderes populistas conservadores um pouco por todo o mundo (EUA, Brasil, Filipinas, Turquia, Itália, França, Alemanha, etc.) suscita apreensão nos países que ainda não foram contagiados pelo vírus. Em Portugal vários grupúsculos e pequenos líderes tentam aproveitar o ar dos tempos, aspirando a tornar-se os Trumps, Bolsonaros ou Salvinis lusitanos. Até prova em contrário, estas imitações de baixa qualidade parecem condenadas ao fracasso. Isso não significa, porém, que o país esteja livre de populismos da mesma espécie. Os riscos, porém, vêm de outras paragens, a mais óbvia das quais já é antiga, mas perdura por boas e más razões - o populismo territorial.