Coreias debatem ligação entre redes ferroviárias

Medida pode facilitar a comunicação direta entre as duas penínsulas

As duas Coreias debateram esta terça-feira a ligação das vias-férreas na fronteira comum, uma ligação física que poderá transformar as relações na península dividida.

As conversações, as primeiras sobre o tema em dez anos, decorreram na aldeia fronteiriça de Panmunjom, onde foi assinada a trégua da Guerra da Coreia (1950-53), na zona desmilitarizada (DMZ).

Uma via de caminho-de-ferro une já Seul a Pyongyang e depois Sinuiju, na fronteira com a China. Foi construída pelo Japão no início do século XX, bem antes da Guerra da Coreia e da divisão da península.

Voltar a ligar as duas redes e modernizar as ferrovias norte-coreanas daria à Coreia do Sul, extremamente dependente das exportações, uma via terrestre para os mercados chinês, russo e europeu.

Esta possibilidade significaria também uma profunda alteração para a península, onde não existe qualquer comunicação direta, nem por via postal, entre civis desde a divisão estabelecida no armistício de 1953.

Apesar da abertura em curso, na sequência das cimeiras entre o líder norte-coreano, Kim Jong-un, e os Presidentes da Coreia do Sul, Moon Jae-in, e dos Estados Unidos, Donald Trump, Pyongyang continua sujeita a sanções da ONU devido aos programas de mísseis e nuclear.

Qualquer medida prática só será possível se as sanções forem levantadas, reconheceu o chefe da delegação sul-coreana Kim Jeong-ryeol, antes do início do encontro.

"Mas vamos analisar e estudar vários projetos a aplicar assim que as sanções forem levantadas", afirmou.

Num anterior período de aproximação, o Sul tinha construído uma estação ferroviária nova em Dorasan, no oeste da península e a sul da DMZ, para servir comboios inexistentes com destino a Pyongyang.

Na parte oriental da península, o caminho-de-ferro podia ligar a cidade portuária sul-coreana de Busan à Europa, através do Norte e da Rússia.

Na primeira cimeira de abril, Kim e Moon concordaram "adotar de medidas práticas" em relação às ligações ferroviárias, com o Presidente sul-coreano a referir a possibilidade de "enormes benefícios económicos" para a Coreia do Norte.

Exclusivos

Premium

história

A América foi fundada também por angolanos

Faz hoje, 25 de agosto, exatos 400 anos que desembarcaram na América os primeiros negros. Eram angolanos os primeiros 20 africanos a chegar à América - a Jamestown, colónia inglesa acabada se ser fundada no que viria a ser o estado da Virgínia. O jornal The New York Times tem vindo a publicar uma série de peças jornalísticas, inseridas no Project 1619, dedicadas ao legado da escravatura nos Estados Unidos. Os 20 angolanos de Jamestown vinham num navio negreiro espanhol, a caminho das minas de prata do México; o barco foi apresado por piratas ingleses e levados para a nova Jamestown. O destino dos angolanos acabou por ser igual ao de muitos colonos ingleses: primeiro obrigados a trabalhar como contratados e, ao fim de alguns anos, livres e, por vezes, donos de plantações. Passados sete anos, em 1626, chegaram os primeiros 11 negros a Nova Iorque (então, Nova Amesterdão) - também eram angolanos. O Jornal de Angola publicou ontem um longo dossiê sobre estes acontecimentos que, a partir de uma das maiores tragédias da História moderna, a escravatura, acabaram por juntar o destino de dois países, Angola e Estados Unidos, de dois continentes distantes.