Coreias debatem ligação entre redes ferroviárias

Medida pode facilitar a comunicação direta entre as duas penínsulas

As duas Coreias debateram esta terça-feira a ligação das vias-férreas na fronteira comum, uma ligação física que poderá transformar as relações na península dividida.

As conversações, as primeiras sobre o tema em dez anos, decorreram na aldeia fronteiriça de Panmunjom, onde foi assinada a trégua da Guerra da Coreia (1950-53), na zona desmilitarizada (DMZ).

Uma via de caminho-de-ferro une já Seul a Pyongyang e depois Sinuiju, na fronteira com a China. Foi construída pelo Japão no início do século XX, bem antes da Guerra da Coreia e da divisão da península.

Voltar a ligar as duas redes e modernizar as ferrovias norte-coreanas daria à Coreia do Sul, extremamente dependente das exportações, uma via terrestre para os mercados chinês, russo e europeu.

Esta possibilidade significaria também uma profunda alteração para a península, onde não existe qualquer comunicação direta, nem por via postal, entre civis desde a divisão estabelecida no armistício de 1953.

Apesar da abertura em curso, na sequência das cimeiras entre o líder norte-coreano, Kim Jong-un, e os Presidentes da Coreia do Sul, Moon Jae-in, e dos Estados Unidos, Donald Trump, Pyongyang continua sujeita a sanções da ONU devido aos programas de mísseis e nuclear.

Qualquer medida prática só será possível se as sanções forem levantadas, reconheceu o chefe da delegação sul-coreana Kim Jeong-ryeol, antes do início do encontro.

"Mas vamos analisar e estudar vários projetos a aplicar assim que as sanções forem levantadas", afirmou.

Num anterior período de aproximação, o Sul tinha construído uma estação ferroviária nova em Dorasan, no oeste da península e a sul da DMZ, para servir comboios inexistentes com destino a Pyongyang.

Na parte oriental da península, o caminho-de-ferro podia ligar a cidade portuária sul-coreana de Busan à Europa, através do Norte e da Rússia.

Na primeira cimeira de abril, Kim e Moon concordaram "adotar de medidas práticas" em relação às ligações ferroviárias, com o Presidente sul-coreano a referir a possibilidade de "enormes benefícios económicos" para a Coreia do Norte.

Ler mais

Exclusivos

Premium

João Gobern

As vidas atrás dos espelhos

Mais do que qualquer apetite científico ou do que qualquer desejo de mergulho académico, o prazer dos documentários biográficos vai-me servindo sobretudo para aconchegar a curiosidade e a vontade de descobrir novos pormenores sobre os visados, até para poder ligar pontas que, antes dessas abordagens, pareciam soltas e desligadas. No domínio das artes, essas motivações crescem exponencialmente, até por permitirem descobrir, nas vidas, circunstâncias e contextos que ganham reflexo nas obras. Como estas coisas valem mais quando vão aparecendo naturalmente, acontecem-me por revoadas. A presente pôs-me a ver três poderosos documentos sobre gente do cinema, em que nem sempre o "valor facial" retrata o real.

Premium

nuno camarneiro

Uma aldeia no centro da cidade

Os vizinhos conhecem-se pelos nomes, cultivam hortas e jardins comunitários, trocam móveis a que já não dão uso, organizam almoços, jogos de futebol e até magustos, como aconteceu no sábado passado. Não estou a descrever uma aldeia do Minho ou da Beira Baixa, tampouco uma comunidade hippie perdida na serra da Lousã, tudo isto acontece em plena Lisboa, numa rua com escadinhas que pertence ao Bairro dos Anjos.

Premium

Rui Pedro Tendinha

O João. Outra vez, o João Salaviza...

Foi neste fim de semana. Um fim de semana em que o cinema português foi notícia e ninguém reparou. Entre ex-presidentes de futebol a serem presos e desmentidos de fake news, parece que a vitória de Chuva É Cantoria na Aldeia dos Mortos, de Renée Nader Messora e João Salaviza, no Festival do Rio, e o anúncio da nomeação de Diamantino, de Daniel Schmidt e Gabriel Abrantes, nos European Film Awards, não deixou o espaço mediático curioso.