Coreia do Sul vai investigar deserções de norte-coreanas para o sul

Autoridades sul-coreanas confirmam que as mulheres não foram forçadas a fugir para a Coreia do Sul

A Coreia do Sul vai analisar a deserção, em 2016, para o seu território, de 12 norte-coreanas que trabalhavam na China, depois de uma televisão sugerir que algumas foram forçadas a migrar, anunciou o Governo.

"Por agora, só posso dizer que temos vontade de confirmar a veracidade destas afirmações", declarou o porta-voz do Ministério da Unificação sul-coreano, Baik Tae-hyun.

Baik Tae-hyun não confirmou a possibilidade de as 12 mulheres norte-coreanas, que trabalhavam num restaurante na China quando desertaram, poderem vir a ser repatriadas para a Coreia do Norte.

As declarações de Baik Tae-hyun surgiram na sequência de uma reportagem do canal de televisão sul-coreano JTBC, transmitida na quinta-feira, na qual um alegado gerente do restaurante afirmou ter participado na fuga das mulheres, com a ajuda dos serviços secretos da Coreia do Sul.

O gerente afirmou ainda que as mulheres não sabiam para onde estavam a ser levadas.

O JTBC também entrevistou quatro mulheres que disseram estar entre o grupo que chegou ao Sul, declarando que não sabiam para onde estavam a ser levadas, até chegarem à embaixada da Coreia do Sul na Malásia.

As autoridades sul-coreanas declararam terem confirmado que as mulheres não foram forçadas a fugir para a Coreia do Sul.

O porta-voz do Ministério da Unificação explicou que nunca foi possível questionar diretamente as mulheres, por se encontrarem sob custódia dos serviços secretos sul-coreanos, que se escusaram a falar sobre este caso.

Estas alegações surgiram no mesmo dia em que três norte-americanos regressaram aos Estados Unidos, após mais de um ano de prisão na Coreia do Norte.

Esta sexta-feira, a chefe da diplomacia sul-coreana reúne-se em Washington com o homólogo norte-americano para preparem uma cimeira entre os dois países, a 22 de maio

A libertação dos três norte-americanos foi conseguida depois de uma deslocação do Secretário de Estado norte-americano, Mike Pompeo, à Coreia do Norte, na quarta-feira.

Hoje, a chefe da diplomacia sul-coreana reúne-se em Washington com o homólogo norte-americano para preparem uma cimeira entre os dois países, a 22 de maio.

Kang Kyung-wha e Mike Pompeo vão analisar a histórica cimeira intercoreana, de 27 de abril, e discutir como vão coordenar as conversas com Kim Jong-un sobre a desnuclearização e a paz duradoura na península coreana, explicou o Ministério dos Negócios Estrangeiros sul-coreano, em comunicado.

A reunião acontece depois da histórica cimeira intercoreana e antes do encontro, a 12 de junho, em Singapura, entre os Presidentes norte-americano, Donald Trump, e norte-coreano, Kim Jong-un, durante o qual os dois líderes deverão debater a desnuclearização da península.

Washington e Seul realizam hoje manobras aéreas conjuntas anuais, para melhorar as capacidades aéreas dos dois aliados, num momento de relaxamento na península coreana, indicou fonte do Ministério da Defesa sul-coreano.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Marisa Matias

Mulheres

Nesta semana, um país inteiro juntou-se solidariamente às mulheres andaluzas. Falo do nosso país vizinho, como é óbvio. A chegada ao poder do partido Vox foi a legitimação de um discurso e de uma postura sexistas que julgávamos já eliminadas aqui por estes lados. Pois não é assim. Se durante algumas décadas assistimos ao reforço dos direitos das mulheres, nos últimos anos, a ascensão de forças políticas conservadoras e sexistas mostrou o quão rápida pode ser a destruição de direitos que levaram anos a construir. Na Hungria, as autoridades acham que o lugar da mulher é em casa, na Polónia não podem vestir de preto para não serem confundidas com gente que acha que tem direitos, em Espanha passaram a categoria de segunda na Andaluzia. Os exemplos podiam ser mais extensos, os tempos que vivemos são estes. Mas há sempre quem não desista, e onde se escreve retrocesso nas instituições, soma-se resistência nas ruas.

Premium

Maria Antónia de Almeida Santos

Ser ou não ser, eis a questão

De facto, desde o famoso "to be, or not to be" de Shakespeare que não se assistia a tão intenso dilema britânico. A confirmação do desacordo do Brexit e o chumbo da moção de censura a May agudizaram a imprevisibilidade do modo como o Reino Unido acordará desse mesmo desacordo. Uma das causas do Brexit terá sido certamente a corrente nacionalista, de base populista, com a qual a Europa em geral se debate. Mas não é a única causa. Como deverá a restante Europa reagir? Em primeiro lugar, com calma e serenidade. Em seguida, com muita atenção, pois invariavelmente o único ganho do erro resulta do que aprendemos com o mesmo. Imperativo é também que aprendamos a aprender em conjunto.

Premium

Viriato Soromenho Marques

A política do pensamento mágico

Ao fim de dois anos e meio, o processo do Brexit continua o seu rumo dramático, de difícil classificação. Até aqui, analisando as declarações dos principais atores de Westminster, o Brexit apresenta mais as tonalidades de uma farsa. Contudo, depois do chumbo nos Comuns do Plano May, ficou nítido que o governo e o Parlamento britânicos não só não sabem para onde querem ir como parece não fazerem a mínima ideia de onde querem partir. Ao ler na imprensa britânica as palavras de quem é suposto tomar decisões esclarecidas, quase se fica ruborizado pelo profundo desconhecimento da estrutura e pelo modo de funcionamento da UE que os engenheiros da saída revelam. Com tamanha irresponsabilidade, não é impossível que a farsa desemboque numa tragicomédia, causando danos a toda a gente na Europa e pondo a própria integridade do Reino Unido em risco.

Premium

Maria do Rosário Pedreira

Adeus, futuro: "O outro e o mesmo"

No tempo em que se punha pimenta na língua dos meninos que diziam asneiras, estudar Gil Vicente era uma lufada de ar fresco: ultrapassados os obstáculos iniciais daquela língua com borrifos de castelhano, sabia bem poder ler em voz alta numa aula coisas como "caganeira" e soltar outras tantas inconveniências pela voz das personagens. Foi, aliás, com o mestre do teatro em Portugal que aprendi a vestir a pele do outro: ao interpretar numa peça da escola uma das suas alcoviteiras, eu - que detesto arranjinhos, leva-e-traz e coscuvilhice - tive de esquecer tudo isso para emprestar credibilidade à minha Lianor Vaz. E talvez um bom actor seja justamente o que consegue despir-se de si mesmo e transformar-se, se necessário, no seu avesso. Na época que me coube viver, tive, aliás, o privilégio de assistir ao desempenho de actores geniais que souberam sempre ser outros (e o outro) a cada nova personagem.