Coreia do Sul propõe a Coreia do Norte tirar artilharia da fronteira

Conversações surgem dias após Donald Trump admitir fim dos exercícios com tropas dos EUA na península coreana.

A Coreia do Sul propôs que a Coreia do Norte mova sua artilharia de longo alcance para longe das fronteiras, reduzindo as tensões nas negociações militares de alto nível de quinta-feira, revelou este domingo fonte do governo de Seul.

Durante o diálogo militar, o primeiro em mais de uma década, Seul fez uma série de sugestões a Pyongyang, incluindo a realocação de unidades de artilharia a 30 ou 40 quilómetros da linha de demarcação militar que divide os dois países, disse a mesma fonte em declarações à agência de notícias sul-coreana Yonhap, segundo a EFE.

A Coreia do Sul transmitiu ao Norte a necessidade de "elaborar medidas para reduzir drasticamente as tensões militares, eliminando ameaças práticas", agora que Pyongyang está a tentar desnuclearizar o país com Washington, disse a autoridade.

De acordo com o Livro Branco de Defesa de Seul de 2016, Pyongyang tem cerca de 14 100 peças de artilharia, incluindo cerca de 5500 lançadores múltiplos de foguetes, a maioria dos quais está localizada perto da fronteira e ameaça a área metropolitana de Seul.

A Coreia do Norte possui vários sistemas de foguetes, incluindo obuses de 170 mm de diâmetro, múltiplos lançadores de foguetes de 240 mm e terminais de longo alcance de 300 mm capazes de atingir as principais instalações militares dos EUA no território sul-coreano.

Durante o diálogo militar de alto nível de quinta-feira, o primeiro que os dois países realizaram desde 2007, Seul e Pyongyang concordaram em restaurar suas linhas ocidentais e orientais de comunicação.

Na reunião, as duas Coreias também trocaram opiniões sobre a desmilitarização da aldeia de Panmunjom e concordaram em implementar na íntegra um acordo bilateral alcançado em 2004 para evitar confrontos acidentais no Mar Amarelo.

As conversações militares desta semana tiveram como objetivo acompanhar os acordos alcançados pelo presidente sul-coreano, Moon Jae-in, e o líder norte-coreano Kim Jong-un, a 27 de abril.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Henrique Burnay

Discretamente, sem ninguém ver

Enquanto nos Estados Unidos se discute se o candidato a juiz do Supremo Tribunal de Justiça americano tentou, ou não, há 36 anos abusar, ou mesmo violar, uma colega (quando tinham 17 e 15 anos), para além de tudo o que Kavanauhg pensa, pensou, já disse ou escreveu sobre o que quer que seja, em Portugal ninguém desconfia quem seja, o que pensa ou o que pretende fazer a senhora nomeada procuradora-geral da República, na noite de quinta-feira passada. Enquanto lá se esmiúça, por cá elogia-se (quem elogia) que o primeiro-ministro e o Presidente da República tenham muito discretamente combinado entre si e apanhado toda a gente de surpresa. Aliás, o apanhar toda a gente de surpresa deu, até, direito a que se recordasse como havia aqui genialidade tática. E os jornais que garantiram ter boas fontes a informar que ia ser outra coisa pedem desculpa mas não dizem se enganaram ou foram enganados. A diferença entre lá e cá é monumental.

Premium

Ruy Castro

À falta do Nobel, o Ig Nobel

Uma das frustrações brasileiras históricas é a de que, até hoje, o Brasil não ganhou um Prémio Nobel. Não por falta de quem o merecesse - se fizesse direitinho o seu dever de casa, a Academia Sueca, que distribui o prémio desde 1901, teria descoberto qualidades no nosso Alberto Santos-Dumont, que foi o verdadeiro inventor do avião, em João Guimarães Rosa, autor do romance Grande Sertão: Veredas, escrito num misto de português e sânscrito arcaico, e, naturalmente, no querido Garrincha, nem que tivessem de providenciar uma categoria especial para ele.