Coreia do Sul condena fundadora de 'site' porno a quatro anos de prisão

A cofundadora do maior 'site' pornográfico da Coreia do Sul foi condenada a quatro anos de prisão, num contexto de indignação sul-coreana contra a "pornografia com câmara espiã".

Dezenas de milhares de sul-coreanos participaram nos últimos meses de protestos contra esse fenómeno, chamado de "molka", cujos vídeos sem autorização mostravam imagens de mulheres na casa de banho, escola, nos transportes e vestiários.

O 'site' Soranet, fundado em 1999, oferecia dezenas de milhares de vídeos pornográficos, incluindo filmes de "vingança pornográfica" ou mesmo as tais imagens de mulheres em locais públicos.

A produção ou distribuição de pornografia é ilegal na Coreia do Sul.

O Soranet foi encerrado em 2016 após reclamações de grupos de defesa dos direitos das mulheres.

A sua proprietária, de 45 anos, identificada pelo seu nome de família, Song, foi sentenciada a quatro anos de prisão e ao pagamento de uma multa de 1,4 mil milhões de won (um milhão de euros) por ajuda e cumplicidade na distribuição de material obsceno.

Song foi condenada por "violar gravemente a dignidade universal dos outros", de acordo com um comunicado do tribunal, no qual se sublinha que esta obteve um lucro "enorme".

A mulher agora condenada viveu durante anos, em fuga, na Nova Zelândia antes de ser detida em junho passado, depois de ter sido forçada a regressar quando as autoridades sul-coreanas cancelaram o seu passaporte.

O seu marido e outro casal, também coproprietários do 'site', todos cidadãos australianos ou com autorização de residência permanente, encontram-se fora da Coreia do Sul.

O número de denúncias à polícia envolvendo câmaras espiãs aumentou de 1.100 em 2010 para 6.500 no ano passado.

Segundo as estatísticas oficiais, 98% dos autores desse tipo de vídeo são homens e 80% das vítimas são mulheres.

Os vídeos que circulam são frequentemente consultados em servidores localizados fora do país.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Adriano Moreira

O populismo identitário

O tema da coincidência entre Nação-Estado foi intencionalmente considerado um princípio da organização mundial quando o presidente Wilson conseguiu a sua inclusão no estatuto da Sociedade das Nações (SdN), no fim da guerra de 1914-1918, organismo em que depois os EUA decidiram não entrar. Acontece que nação é um termo que, exprimindo de regra, em primeiro lugar, uma definição cultural (costumes, tradições, valores), tem vocação para possuir um território e uma soberania, mas o princípio da SdN não impediu a existência, hoje extinta, da unidade checoslovaca, nem que, atualmente, o Brexit advirta que um eventual problema futuro para o Reino Unido está no facto de não ser um Estado-Nação, e identidades políticas, provavelmente duas ou mais nações, suas componentes, são europeístas.

Premium

Margarida Balseiro Lopes

Legalização do lobbying

No dia 7 de junho foi aprovada, na Assembleia da República, a legalização do lobbying. Esta regulamentação possibilitará a participação dos cidadãos e das empresas nos processos de formação das decisões públicas, algo fundamental num Estado de direito democrático. Além dos efeitos práticos que terá o controlo desta atividade, a aprovação desta lei traz uma mensagem muito importante para a sociedade: a de que também a classe política está empenhada em aumentar a transparência e em restaurar a confiança dos cidadãos no poder político.