Coreia do Sul alerta para perigo de sequestro pela Coreia do Norte

"Estamos atentos a múltiplas possibilidades, incluindo sequestros ou terrorismo pelo Norte"

A Coreia do Sul alertou hoje para o risco de os seus cidadãos serem sequestrados por Pyongyang, em retaliação contra a fuga de uma dúzia de funcionários de um restaurante norte-coreano na China. Doze mulheres que trabalhavam num restaurante na cidade chinesa de Ningbo desertaram, juntamente com o gerente, para a Coreia do Sul no mês passado.

Seul garante que as mulheres foram voluntariamente, enquanto Pyongyang insiste que foram enganadas e convencidas a desertar por espiões sul-coreanos que efetivamente as "sequestraram". O Ministério da Unificação de Seul, que gere as relações intercoreanas, informou que as missões no estrangeiro têm sido aconselhadas a reforçar a vigilância.

"Estamos atentos a múltiplas possibilidades, incluindo sequestros ou terrorismo (...) pelo Norte", disse o porta-voz do ministério, Jeong Joon-Hee. "Estamos a tentar garantir a segurança dos nossos cidadãos", disse aos jornalistas. O jornal Hankook Ilbo escreve hoje que Pyongyang está a planear sequestrar sul-coreanos para trocar pelos 13 desertores.

"Estabelecem o objetivo de 120 pessoas, incluindo expatriados, soldados e dirigentes", escreve o jornal, citando uma fonte oficial próxima dos assuntos norte-coreanos.

Quase 30 mil norte-coreanos fugiram da pobreza e repressão, ao longo de décadas, e estabeleceram-se na Coreia do Sul.

No entanto, as fugas coletivas são raras, especialmente de funcionários de restaurantes no estrangeiro, que são habitualmente escolhidos de famílias consideradas leais ao regime.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Adriano Moreira

O relatório do Conselho de Segurança

A Carta das Nações Unidas estabelece uma distinção entre a força do poder e o poder da palavra, em que o primeiro tem visibilidade na organização e competências do Conselho de Segurança, que toma decisões obrigatórias, e o segundo na Assembleia Geral que sobretudo vota orientações. Tem acontecido, e ganhou visibilidade no ano findo, que o secretário-geral, como mais alto funcionário da ONU e intervenções nas reuniões de todos os Conselhos, é muitas vezes a única voz que exprime o pensamento da organização sobre as questões mundiais, a chamar as atenções dos jovens e organizações internacionais, públicas e privadas, para a necessidade de fortalecer ou impedir a debilidade das intervenções sustentadoras dos objetivos da ONU.