Coreia do Sul alerta para perigo de sequestro pela Coreia do Norte

"Estamos atentos a múltiplas possibilidades, incluindo sequestros ou terrorismo pelo Norte"

A Coreia do Sul alertou hoje para o risco de os seus cidadãos serem sequestrados por Pyongyang, em retaliação contra a fuga de uma dúzia de funcionários de um restaurante norte-coreano na China. Doze mulheres que trabalhavam num restaurante na cidade chinesa de Ningbo desertaram, juntamente com o gerente, para a Coreia do Sul no mês passado.

Seul garante que as mulheres foram voluntariamente, enquanto Pyongyang insiste que foram enganadas e convencidas a desertar por espiões sul-coreanos que efetivamente as "sequestraram". O Ministério da Unificação de Seul, que gere as relações intercoreanas, informou que as missões no estrangeiro têm sido aconselhadas a reforçar a vigilância.

"Estamos atentos a múltiplas possibilidades, incluindo sequestros ou terrorismo (...) pelo Norte", disse o porta-voz do ministério, Jeong Joon-Hee. "Estamos a tentar garantir a segurança dos nossos cidadãos", disse aos jornalistas. O jornal Hankook Ilbo escreve hoje que Pyongyang está a planear sequestrar sul-coreanos para trocar pelos 13 desertores.

"Estabelecem o objetivo de 120 pessoas, incluindo expatriados, soldados e dirigentes", escreve o jornal, citando uma fonte oficial próxima dos assuntos norte-coreanos.

Quase 30 mil norte-coreanos fugiram da pobreza e repressão, ao longo de décadas, e estabeleceram-se na Coreia do Sul.

No entanto, as fugas coletivas são raras, especialmente de funcionários de restaurantes no estrangeiro, que são habitualmente escolhidos de famílias consideradas leais ao regime.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Henrique Burnay

Discretamente, sem ninguém ver

Enquanto nos Estados Unidos se discute se o candidato a juiz do Supremo Tribunal de Justiça americano tentou, ou não, há 36 anos abusar, ou mesmo violar, uma colega (quando tinham 17 e 15 anos), para além de tudo o que Kavanauhg pensa, pensou, já disse ou escreveu sobre o que quer que seja, em Portugal ninguém desconfia quem seja, o que pensa ou o que pretende fazer a senhora nomeada procuradora-geral da República, na noite de quinta-feira passada. Enquanto lá se esmiúça, por cá elogia-se (quem elogia) que o primeiro-ministro e o Presidente da República tenham muito discretamente combinado entre si e apanhado toda a gente de surpresa. Aliás, o apanhar toda a gente de surpresa deu, até, direito a que se recordasse como havia aqui genialidade tática. E os jornais que garantiram ter boas fontes a informar que ia ser outra coisa pedem desculpa mas não dizem se enganaram ou foram enganados. A diferença entre lá e cá é monumental.

Premium

Ruy Castro

À falta do Nobel, o Ig Nobel

Uma das frustrações brasileiras históricas é a de que, até hoje, o Brasil não ganhou um Prémio Nobel. Não por falta de quem o merecesse - se fizesse direitinho o seu dever de casa, a Academia Sueca, que distribui o prémio desde 1901, teria descoberto qualidades no nosso Alberto Santos-Dumont, que foi o verdadeiro inventor do avião, em João Guimarães Rosa, autor do romance Grande Sertão: Veredas, escrito num misto de português e sânscrito arcaico, e, naturalmente, no querido Garrincha, nem que tivessem de providenciar uma categoria especial para ele.