Coreia do Norte usa Moçambique para contornar sanções da ONU

CNN acusa moçambicanos de apoiarem atividades ilícitas de norte-coreanos para violar sanções internacionais. ONU, num novo relatório, diz que regime de Kim Jong-un gerou 200 milhões em 2017

O regime da Coreia do Norte contorna as sanções impostas pela ONU através de Moçambique ( e de vários outros países). E, segundo um relatório da organização, que está a ser citado desde sexta-feira à noite por várias agências, conseguiu mesmo gerar cerca de 200 milhões de dólares em 2017 (cerca de 160 milhões de euros), com a exportação de produtos banidos pelas sanções da ONU - impostas por causa do programa nuclear do país de Kim Jong-un. A acusação não é propriamente nova e já surgiu noutros relatórios da organização que hoje em dia é liderada por António Guterres. A diferença é que, desta vez, a CNN decidiu investigar o papel de Moçambique.

Numa investigação de um mês, a televisão norte-americana "descobriu uma rede secreta de empresas de fachada, cooperação militar e acordos de preparação de forças de elite entre a Coreia do Norte e Moçambique, que violam as sanções internacionais, de acordo com investigadores da ONU". A CNN diz ter analisado documentos que "revelam que a cooperação é selada com contratos ilegais no valor de milhões de dólares". A televisão teve acesso a comunicações oficiais entre responsáveis militares moçambicanos e norte-coreanos e cita fontes que garantem que "os norte-coreanos treinam as forças de elite numa base em Maputo há pelo menos dois anos". E refere: "Isso tem um preço".

A CNN afirma não ter conseguido obter um comentário oficial por parte do Ministério da Defesa de Moçambique. Alvaro O"da Silva, diretor do Ministério dos Negócios Estrangeiros e Cooperação, garantiu, por seu lado, que o governo moçambicano respeita as sanções impostas à Coreia do Norte. O mesmo responsável adiantou que há norte-coreanos que estão legitimamente envolvidos em campos "sociais e técnicos" e que isso não viola as sanções da ONU. Admitindo depois não ter em sua posse "informação detalhada" sobre o tipo de sanções em causa, Alvaro O"da Silva declarou à CNN: "Temos razões para acreditar que a nossa relação com os EUA é boa". Isto porque, segundo o Financial Times, a Administração de Donald Trump tem pressionado países africanos que têm boas relações com Pyongyang desde a Guerra Fria a expulsar diplomatas e trabalhadores norte-coreanos. Além de Moçambique, o jornal refere Angola, Namíbia, Mali, Botsuana, República Democrática do Congo, Eritreia, Tanzânia, Uganda, Zimbabwe.

Na investigação que fez, a CNN fala da existência de dois barcos enferrujados no Porto de Pesca de Maputo, o Susan 1 e o Susan 2, "que não são navios de pesca comuns". Antes tinham bandeira da Coreia do Norte e agora da Namíbia. As tripulações são norte-coreanas e passeiam-se por Maputo. Além da cooperação militar referida, a pesca ilícita é outra das formas de cooperação entre os dois países que violam as sanções, segundo a televisão norte-americana. A CNN diz ainda ter localizado o edifício cor de salmão onde antes funcionava a Haegeumgang. Na Avenida Mao Tse-tung em Maputo. "Viviam e trabalhavam aqui uns asiáticos. Saíram há três ou quatro meses", disse um agente imobiliário aos repórteres do canal, explicando que ficaram sem dinheiro para pagar. A Haegeumgang surge no relatório de setembro de 2017 da ONU como uma empresa envolvida no fornecimento de "mísseis superfície-ar a Moçambique e Tanzânia".

Já no seu relatório mais recente, que tem um total de 213 páginas, os peritos das Nações Unidas afirmam que a Coreia do Norte violou as sanções através de exportações ilícitas de petróleo, carvão, ferro, aço e outros produtos. Pyongyang "usou a combinação de várias técnicas de evasão, rotas e táticas para exportar carregamentos de carvão para a China, Malásia, Coreia do Sul, Rússia e Vietname". Assim, explicam os especialistas, o regime de Kim Jong-un continua a ter acesso ao sistema financeiro internacional apesar das sanções. O relatório aponta ainda para a existência de uma cooperação militar entre a Coreia do Norte, a Síria e a Birmânia no desenvolvimento de um míssil balístico e programas de armas químicas.

Ler mais

Exclusivos

Premium

nuno camarneiro

Uma aldeia no centro da cidade

Os vizinhos conhecem-se pelos nomes, cultivam hortas e jardins comunitários, trocam móveis a que já não dão uso, organizam almoços, jogos de futebol e até magustos, como aconteceu no sábado passado. Não estou a descrever uma aldeia do Minho ou da Beira Baixa, tampouco uma comunidade hippie perdida na serra da Lousã, tudo isto acontece em plena Lisboa, numa rua com escadinhas que pertence ao Bairro dos Anjos.

Premium

Rui Pedro Tendinha

O João. Outra vez, o João Salaviza...

Foi neste fim de semana. Um fim de semana em que o cinema português foi notícia e ninguém reparou. Entre ex-presidentes de futebol a serem presos e desmentidos de fake news, parece que a vitória de Chuva É Cantoria na Aldeia dos Mortos, de Renée Nader Messora e João Salaviza, no Festival do Rio, e o anúncio da nomeação de Diamantino, de Daniel Schmidt e Gabriel Abrantes, nos European Film Awards, não deixou o espaço mediático curioso.