Coreia do Norte quer discutir envio de banda de música às Olimpíadas

A sugestão de Pyongyang acontece um dia depois de Seul ter proposto uma reunião de alto nível para discutir a participação, na competição olímpica, dos atletas norte-coreanos

A Coreia do Norte propôs hoje à Coreia do Sul a realização de um novo encontro na segunda-feira para discutir a intenção de enviar uma banda de música no âmbito dos Jogos Olímpicos de Inverno de PyeongChang no próximo mês.

Pyongyang propôs que a reunião se realize em Panmungak, do lado norte-coreano da fronteira militarizada entre as duas Coreias, para a qual pretende enviar quatro artistas como representantes, incluindo um maestro, informou hoje o Ministério da Unificação, da Coreia do Sul, em comunicado divulgado pela agência de notícias Yonhap.

O regime norte-coreano acrescentou que posteriormente proporá datas para as reuniões sobre a participação nos Jogos Olímpicos de Inverno da Coreia do Sul.

O Governo de Seul disse que enviará uma resposta à proposta de Pyongyang depois de a estudar.

A sugestão de Pyongyang acontece um dia depois de Seul ter proposto uma reunião de alto nível para discutir a participação, na competição olímpica, dos atletas norte-coreanos.

Numa reunião entre o norte e o sul realizada na terça-feira, a primeira em mais de dois anos, Pyongyang disse que enviaria uma delegação do Governo aos jogos de PyeongChang, além de apoiantes, grupos artísticos e atletas, embora não especificasse se eles competiriam.

Na sexta-feira a Coreia do Sul anunciou também ter proposto à Coreia do Norte que as duas delegações desfilem juntas na cerimónia de abertura dos Jogos Olímpicos de PyeongChang2018, que a Coreia do Sul organiza de 09 a 25 de fevereiro.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Nuno Artur Silva

Notícias da frente da guerra

Passaram cem anos do fim da Primeira Guerra Mundial. Foi a data do Armistício assinado entre os Aliados e o Império Alemão e do cessar-fogo na Frente Ocidental. As hostilidades continuaram ainda em outras regiões. Duas décadas depois, começava a Segunda Guerra Mundial, "um conflito militar global (...) Marcado por um número significativo de ataques contra civis, incluindo o Holocausto e a única vez em que armas nucleares foram utilizadas em combate, foi o conflito mais letal da história da humanidade, resultando entre 50 e mais de 70 milhões de mortes" (Wikipédia).

Premium

nuno camarneiro

Uma aldeia no centro da cidade

Os vizinhos conhecem-se pelos nomes, cultivam hortas e jardins comunitários, trocam móveis a que já não dão uso, organizam almoços, jogos de futebol e até magustos, como aconteceu no sábado passado. Não estou a descrever uma aldeia do Minho ou da Beira Baixa, tampouco uma comunidade hippie perdida na serra da Lousã, tudo isto acontece em plena Lisboa, numa rua com escadinhas que pertence ao Bairro dos Anjos.