ONU pede a Pyongyang a libertação dos presos políticos

Um relatório da ONU alega que existem 80 mil a 120 mil prisioneiros políticos detidos no país

O relator da ONU para a Coreia do Norte pediu esta quinta-feira a Pyongyang a libertação das "centenas de prisioneiros", no âmbito da cimeira entre os Presidentes norte-americano e o norte-coreano.

"Uma proposta concreta do ponto de vista dos direitos humanos, devido ao contexto das negociações, é que o Governo da República Popular Democrática da Coreia combine uma amnistia geral para libertar centenas de prisioneiros", disse Tomás Ojea Quintana.

Numa conferência de imprensa em Genebra, Ojea Quintana referiu que esta libertação seria "um sinal muito importante por parte do Governo" pois constituiria "um gesto concreto por aqueles que estão arbitrariamente detidos no país".

O relator admitiu não ter conhecimento do número de prisioneiros detidos na Coreia do Norte, mas cita um relatório da ONU que alega a existência de 80.000 a 120.000 prisioneiros políticos detidos em campos no país.

Ojea Quintana sugeriu que o processo de libertação dos prisioneiros pode ser feito de "modo gradual".

Em relação à cimeira histórica que deverá realizar-se no próximo dia 12 de junho em Singapura, Ojea Quintana afirmou que encara o encontro com um "bons olhos".

O relator sublinhou também que o processo deve ser feito tendo em conta os direitos humanos, pois "ou na cimeira ou numa reunião futura, é muito importante que os direitos humanos sejam abordados, porque, caso contrário, será um problema elaborar um acordo duradouro sobre o desarmamento nuclear" com a Coreia do Norte.

Durante a conferência de imprensa foi feito também um apelo à comunidade internacional para a análise do futuro das sanções económicas impostas pelo Conselho de Segurança, devido ao "efeito prejudicial" que podem representar na população.

Ojea Quintana afirmou que não se refere à suspensão das sanções, mas que está "preocupado com os seus impactos" nos direitos económicos, sociais e culturais, referindo a ideia de "sanções temporárias".

Num outro apelo à comunidade internacional, pediu maior generosidade no financiamento de ajuda humanitária para o país, indicando que a ONU recebeu até ao momento cerca de 4 milhões de dólares (3,4 milhões de euros) dos 12 milhões solicitados para o ano, referindo-se à situação como crítica.

O relator pediu novamente às autoridades de Pyongyang permissão para efetuar uma visita à Coreia do Norte, uma vez que o regime norte-coreano rejeitou a decisão da ONU de encarregar um relator específico para o país e não deu autorização para que o mesmo entrasse no seu território.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ferreira Fernandes

Conhecem a última anedota do Brexit?

Quando uma anedota é uma anedota merece ser tratada como piada. E se a tal anedota ocupa um importante cargo histórico não pode ser levada a sério lá porque anda com sapatos de tigresa. Então, se a sua morada oficial é em Downing Street, o nome da rua - "Downing", que traduzido diz "cai, desaba, vai para o galheiro..." - vale como atual e certeira análise política. Tal endereço, tal país. Também o número da porta de Downing Street, o "10", serve hoje para fazer interpretações políticas. Se o algarismo 1 é pela função, mora lá a primeira-ministra, o algarismo 0 qualifica a atual inquilina. Para ser mais exato: apesar de ela ser conservadora, trata-se de um zero à esquerda. Resumindo, o que dizer de uma poderosa governante que se expõe ao desprezo quotidiano do carteiro?

Premium

Adolfo Mesquita Nunes

A escolha de uma liberdade

A projeção pública da nossa atividade, sobretudo quando, como é o caso da política profissional, essa atividade é, ela própria, pública e publicamente financiada, envolve uma certa perda de liberdade com que nunca me senti confortável. Não se trata apenas da exposição, que o tempo mediático, por ser mais veloz do que o tempo real das horas e dos dias, alargou para além da justíssima sindicância. E a velocidade desse tempo, que chega a substituir o tempo real porque respondemos e reagimos ao que se diz que é, e não ao que é, não vai abrandar, como também se não vai atenuar a inversão do ónus da prova em que a política vive.

Premium

Marisa Matias

Penalizações antecipadas

Um estudo da OCDE publicado nesta semana mostra que Portugal é dos países que mais penalizam quem se reforma antecipadamente e menos beneficia quem trabalha mais anos do que deve. A atual idade de reforma é de 66 anos e cinco meses. Se se sair do mercado de trabalho antes do previsto, o corte é de 36% se for um ano e de 45%, se forem três anos. Ou seja, em três anos é possível perder quase metade do rendimento para o qual se trabalhou uma vida. As penalizações são injustas para quem passou, literalmente, a vida toda a trabalhar e não tem como vislumbrar a possibilidade de deixar de fazê-lo.

Premium

Maria Antónia de Almeida Santos

O planeta dos sustentáveis 

Ao ambiente e ao planeta já não basta a simples manifestação da amizade e da esperança. Devemos-lhes a prática do respeito. Esta é, basicamente, a mensagem da jovem e global ativista Greta Thunberg. É uma mensagem positiva e inesperada. Positiva, porque em matéria de respeito pelo ambiente, demonstra que já chegámos à consciencialização urgente de que a ação já está atrasada em relação à emergência de catástrofes como a de Moçambique. Inesperada (ao ponto do embaraço para todos), pela constatação de que foi a nossa juventude, de facto e pela onda da sua ação, a globalizar a oportunidade para operacionalizar a esperança.