Japão e EUA prometem exercer "visível pressão" após lançamento de míssil

Tratou-se de um míssil de alcance médio Hwasong-12 que percorreu 3.700 quilómetros antes de cair em águas do Pacífico, a leste da ilha de Hokkaido

Tóquio e Washington acordaram esta sexta-feira exercer "visível pressão" sobre Pyongyang após o novo lançamento de um míssil por parte da Coreia do Norte que sobrevoou o norte do Japão antes de cair em águas do Pacífico.

O ministro dos Negócios Estrangeiros japonês, Taro Kono, manteve esta sexta-feira uma conversa ao telefone com o secretário de Estado norte-americano, Rex Tillerson, para analisar e estudar uma resposta conjunta ao novo disparo de míssil realizado esta quinta-feira à noite pela Coreia do Norte.

Ambos acordaram trabalhar com a comunidade internacional e o Conselho de Segurança da ONU para "conseguir a plena aplicação" do novo pacote de sanções, aprovado na segunda-feira por unanimidade, segundo o chefe da diplomacia nipónica aos media locais.

"Exerceremos máxima pressão sobre a Coreia do Norte até conseguirmos que mostre um claro compromisso rumo à desnuclearização e se sente à mesa das negociações", acrescentou.

Tanto Kono como Tillerson conversaram ainda com a ministra dos Negócios Estrangeiros da Coreia do Sul, Kang Kyung-wha, para coordenar a posição trilateral e promover "medidas mais poderosas e eficazes" contra Pyongyang através de todos os canais possível, incluindo o Conselho de Segurança da ONU, informou Seul.

Na mesma linha, o ministro da Defesa do Japão, Itsunori Onedera, falou ao telefone com o seu homólogo norte-americano, Jim Mattis, com quem acordou exercer uma "pressão visível" sobre a Coreia do Norte em resposta ao seu mais recente lançamento de um míssil.

Após analisar o disparo, Tóquio concluiu que se tratou de um míssil de alcance médio Hwasong-12, o mesmo modelo que a Coreia do Norte disparou no passado dia 29 de agosto e também sobrevoou território japonês, o que aconteceu pela primeira vez desde 2009.

O projétil disparado às 07:00 (hora de Tóquio, às 23:00 de quinta-feira em Lisboa) percorreu 3.700 quilómetros antes de cair em águas do Pacífico, a leste da ilha de Hokkaido, no norte do Japão.

O míssil superou assim a distância percorrida pelos de modelos similares usados nos dois testes anteriores, mostrando ter capacidade suficiente para chegar à ilha de Guam, que acolhe importantes bases navais dos Estados Unidos, assinalou Itsunori Onedera.

O lançamento de ontem correspondeu ao primeiro teste da Coreia do Norte desde que o Conselho de Segurança da ONU aprovou na segunda-feira, por unanimidade, o oitavo pacote de sanções, em resposta ao seu sexto e até à data mais potente ensaio nuclear efetuado a 03 de setembro.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ruy Castro

À falta do Nobel, o Ig Nobel

Uma das frustrações brasileiras históricas é a de que, até hoje, o Brasil não ganhou um Prémio Nobel. Não por falta de quem o merecesse - se fizesse direitinho o seu dever de casa, a Academia Sueca, que distribui o prémio desde 1901, teria descoberto qualidades no nosso Alberto Santos-Dumont, que foi o verdadeiro inventor do avião, em João Guimarães Rosa, autor do romance Grande Sertão: Veredas, escrito num misto de português e sânscrito arcaico, e, naturalmente, no querido Garrincha, nem que tivessem de providenciar uma categoria especial para ele.

Premium

João Taborda da Gama

Le pénis

Não gosto de fascistas e tenho pouco a dizer sobre pilas, mas abomino qualquer forma de censura de uns ou de outras. Proibir a vista dos pénis de Mapplethorpe é tão condenável como proibir a vinda de Le Pen à Web Summit. A minha geração não viveu qualquer censura, nem a de direita nem a que se lhe seguiu de esquerda. Fomos apenas confrontados com alguns relâmpagos de censura, mais caricatos do que reais, a última ceia do Herman, o Evangelho de Saramago. E as discussões mais recentes - o cancelamento de uma conferência de Jaime Nogueira Pinto na Nova, a conferência com negacionista das alterações climáticas na Universidade do Porto - demonstram o óbvio: por um lado, o ato de proibir o debate seja de quem for é a negação da liberdade sem mas ou ses, mas também a demonstração de que não há entre nós um instinto coletivo de defesa da liberdade de expressão independentemente de concordarmos com o seu conteúdo, e de este ser mais ou menos extremo.

Premium

Adolfo Mesquita Nunes

A direita definida pela esquerda

Foi a esquerda que definiu a direita portuguesa, que lhe identificou uma linhagem, lhe desenhou uma cosmologia. Fê-lo com precisão, estabelecendo que à direita estariam os que não encaram os mais pobres como prioridade, os que descendem do lado dos exploradores, dos patrões. Já perdi a conta ao número de pessoas que, por genuína adesão ao princípio ou por mero complexo social ou de classe, se diz de esquerda por estar ao lado dos mais vulneráveis. A direita, presumimos dessa asserção, está contra eles.